MENU

Escrito por • 10/07/2012

a flip e os… games

jennifer egan deixou claro, na flip, quem é o inimigo do “livro”, e não é o ebook: “não podemos chorar diante do videogame”, disse a autora de a visit from the goon squad, prêmio pulitzer de 2011. egan tem razão. olhe o gráfico abaixo…

EBOOK time spne video games 2002 2012

…e veja que, em 10 anos, dobrou o tempo gasto nos games, nos EUA, por pessoa por ano. como se não bastasse…

EBOOK age players EUA 2011

…quase 30% das pessoas que estão gastando seu tempo jogando em computadores e consoles, nos EUA, têm 50 anos ou mais. os adolescentes, por acaso, são só 18%.

nem todas as notícias são ruins para os livros, já que…

EBOOK time spent reading EUA 2002 2012

…o tempo que se gasta lendo [nos EUA] permaneceu o mesmo nos últimos 10 anos. o que quer dizer [provavelmente] que o tempo para jogar está vindo de outros costumes, como da TV, jornais e revistas, por exemplo.

mesmo assim, pra quem acha que os ebooks não vão pegar, o gráfico abaixo mostra que….

EBOOK books vs ebooks eua 2009 2015

o mercado americano de livros digitais haverá crescido 10 vezes entre 2009 e 2015, para um mercado de livro impresso praticamente constante em volume. em ebooks, o brasil está bem na foto, segundo pesquisa da bowker entre adultos que usam a internet: estamos entre os cinco países onde a maior porcentagem de pessoas já fez download pago de um livro digital, quase tres vezes mais que a frança e mais de duas vezes mais que o japão.

EBOOK bowker downloading ebook brazil incl

resta saber o que vai acontecer quando o  livro educacional for, também, digital. meu chute? aí será por onde, quando governos e editoras –globalmente- entrarem em acordo sobre os formatos, funcionalidades, fundações e futuro [evolução] do livro digital, que o livro de papel começará a se tornar item museológico. prazo pra isso acontecer? não antes do fim da década, por aqui, se tudo correr bem para o livro de papel. mas, certamente, não depois do fim da próxima, para quase todas as aplicações do que hoje costumamos chamar de “livro”.

isso se a jennifer egan estiver errada; se ela estiver certa [e eu acho que está…] um bom número das coisas que hoje vemos e lemos em “livros” terão “games” como mídia. e aí… quem viver, verá. ou melhor, quem viver, jogará…

Artigos relacionados

Comentários estão encerrados.