MENU

Escrito por • 07/10/2009

a importância econômica das mídias sociais

uma das práticas que mais divide a opinião dos blogueiros [e tuiteiros, e membros de redes sociais…] é a de receber [dinheiro, produtos, serviços] para escrever sobre empresas, marcas, casos de sucesso, produtos e serviços. no jornalismo, tal prática sempre existiu e sempre foi condenada; os praticantes eram –e são- vulgarmente chamados de “penas-de-aluguel”, que é o mesmo que ser lançado ao fogo do inferno das redações em plena vida. não queira nem pensar o que é ser apontado como tal.

a regulação deste [digamos assim] mercado de influências, interesses e remuneração sempre foi interna: as melhores redações nunca deixaram a coisa passar dos limites; e os limites eram [por exemplo] receber uma passagem de uma empresa para ir a um evento e aparecer, no topo da matéria, que a “reportagem viajou a convite de…”. daí pra frente, se descoberto, o pena-de-aluguel ia pra rua. propaganda tinha seu lugar e não era dentro do texto noticioso.

ou pelo menos a gente sempre acreditou nisso. claro que há redações [como é relatado neste caso aqui] que, in totum, não têm limites. para um público leitor com um mínimo de inteligência e senso, no entanto, elas perdem a credibilidade rapidamente e têm, como destino, a lata de lixo da história.

no caso dos blogs [e twitter, e redes sociais], não há uma redação na maioria dos casos. aqui no terraMagazine, por acaso, há: bob fernandes toca a operação, mas não intervém no que seus “blogueiros” fazem, pensam, dizem ou como escrevem [como este aqui, em minúsculas, veja aqui porque]… o que é uma permanente fonte de irritação para uma certa classe de leitores.

mas o fato é que a mídia social é cada vez mais importante. há blogs com audiência maior do que portais e jornais; redes sociais nos primeiros lugares de atenção e uso em todos os países; e coisas muito novas, como twitter, se transformando em fonte de informação essencial para uma ampla gama de pessoas.

o impacto das mídias sociais no mercado, nos negócios, o efeito nas comunidades já é importante a ponto da FTC [federal trade comission, o CADE dos EUA] ter decidido que vai multar blogueiros que escrevem “a soldo” em até US$16.000, caso não fique explícito, no texto para o qual estão sendo remunerados, as conexões materiais com o produto [serviço, etc.] do qual estão falando. ou seja, há que se diferenciar, mesmo num blog, o que é opinião isenta do autor e o que é paga, seja lá como for, por um anunciante. estes, aliás, estão sujeitos a multa, também, caso tentem se esconder por trás, por exemplo, de um blogueiro…

image

claro que as regras vão ser muito difíceis de aplicar. mas, na internet, que regra de uso é fácil de implementar? do ponto de vista mais amplo, as recomendações da FTC não são novas, mas uma modificação da regulação das interações entre anunciantes e o público que, revisadas pela última vez em 1980, ficaram quase trinta anos esperando que alguma coisa nova desse as caras. a novidade, como se vê, são as mídias sociais. mais hora, menos hora, vamos ter que pensar em algo parecido para o espaço midiático [virtual] nacional, que anda bem confuso aqui e ali, vez por outra…

quase pra terminar, taí o contexto usado pela FTC para enquadrar a mídia social americana:

The recent creation of consumer-generated media means that in many instances, endorsements are now disseminated by the endorser, rather than by the sponsoring advertiser. In these contexts, the Commission believes that the endorser is the party primarily responsible for disclosing material connections with the advertiser. However, advertisers who sponsor these endorsers (either by providing free products – directly or through a middleman – or otherwise) in order to generate positive word of mouth and spur sales should establish procedures to advise endorsers that they should make the necessary disclosures and to monitor the conduct of those endorsers.

a recomendação, como se vê, é simples e óbvia. faz parte do bom senso que deve regular a vida de anunciantes, veículos e mercado, em qualquer lugar e ambiente, dos jornais do séc. XIX à última geração de redes sociais.

image

Artigos relacionados

0 Responses to a importância econômica das mídias sociais

  1. Carlos disse:

    Bacana a iniciativa, mas como você mesmo disse Silvio, acho dificil a questão da aplicabilidade da lei, principalmente em terras tupiniquins, visto que aqui é o lugar do “jeitinho”, até porque caso isso aconteça, um post patrocinado volta a ser apenas um anúncio do tipo banner, e o usuário perde o interesse em ver. Um abraço e excelente artigo.

  2. Alexsandro do Nascimento disse:

    Mais um artigo acima da média, sobre um assunto que é um desafio mundial, todavia como na maior parte das vezes, vem à tona ou é tratado inicialmente em um nação tida de “primeiro mundo”. É de se imaginar que o Brasil como grande expoente em redes sociais enfrentou, enfrenta e ainda enfrentará e muito tal situação. Concordo com a questão sobre saber dieferenciar até que ponto a informação possa ter algum viés, mas isto, além de não ser fácil até mesmo para conhecedores do tema, imagina-se então para uma infinita gama de audiência… É meus caros, não bastasse nossos eternos desafios de saneamento básico, “inexistência” de banda larga, ainda sim surgem novos…

  3. Kellyton Brito disse:

    O principal desafio da sociedade digital não está em encontrar informação, mas sim em filtra-la, sabendo diferenciar o que tem validade ou não, no que deve acreditar ou não. Qualquer texto deveria ser lido sempre de forma inquisitória, com o questionamento se realmente aquela informação é válida, e as fontes deveriam ser consultadas. Na época da “informação é poder” a consulta às fontes não era possível, mas atualmente isso é coisa trivial. Essa “incredulidade” por si só já resolveria o problema das penas de aluguel, que rapidamente perderiam credibilidade.

    Mas como a população ainda não está preparada para isso, talvez seja necessária uma regulação.

    Acho interessante a maneira com que o pessoal do Papo de Homem (http://papodehomem.com.br/campanha-pela-transparncia-online/) trabalha. Eles efetivamente ganham $$ com o blog, e tem posts patrocinados. O interessante é a forma: ao final desses posts eles colocam a informação: “Artigo patrocinado. Você leu um texto publicitário…” etc e tal. Tem gente que vai reclamar que o aviso deveria ser no início, mas quem está “com o olho treinado” percebe rapidamente que é um texto comercial.

    Imagino o que eles ganham com isso:
    1 – Não enganam o leitor, e deixam claro que escrevem textos patrocinados (assim como o autor deste blog deixa claro que não gosta do SHIFT). Assim, quem não concordar não acessa.
    2 – Deixam claro para as empresas que elas podem investir no blog
    3 – No geral os textos patrocinados sempre dão alguma coisa ao leitor, com alguma forma de brinde ou sorteio.

    Assim, tem-se uma relação ganha-ganha-ganha: o blogueiro ganha seu $$, o leitor além de ler assuntos do seu interesse (posts não patrocinados) pode participar de promoções nos posts patrocinados, e os patrocinadores expõem sua marca.

  4. Mario Luiz disse:

    Ola Silvio Meira:

    Gostaria de saber sua opiniao sobre o formato de gestao da Internet no Brasil (CGI, NIC-Br, Etc..) – Me parece que juridicamente é muito falho esse modelo dando margens a fraudes e corrupção – Não são poucas as denuncias contra esses órgaos. Quando registramos uma empresa no mundo real, pagamos taxas e serviços que vão para o estado (sem entrar no merito da questao) – Quando registramos um dominio, pagamos taxas para uma ONG, cujos dirigentes na minha opiniao sao suspeitissimos – Não seria o caso de o Brasil ter uma especie de Agencia Brasileira de Internet – para administrar a web no brasil (sem ingerencia em conteudos) uma entidade PUBLICA de DIREITO PRIVADO aos moldes de uma agência reguladora? Vc não acha que o CGI tornou-se uma “caixa registradora de taxas de dominios” ao inves de propor grandes politicas publicas de inclusão digital? Qual sua opiniao sobre o tema?

    Mario Luiz
    Curitiba-Pr

  5. lotro gold disse:

    http://www.lotro-gold.eu is selling lotro gold,cheap lotro gold