MENU

Escrito por • 13/09/2011

a lei, offline vs. online

hoje, um picopost, só pra gente saber até que ponto as coisas podem chegar quando algum espírito azerediano toma conta do pedaço. pra quem chegou de alfa do centauro ontem à tarde e ainda não sabe o que anda rolando por aqui, azeredo é o sobrenome do deputado que assumiu, como missão terrena, colocar a criminalização da internet.br à frente de seu marco civil.

An anonymous organization activist holds a mask in front of his face as he arrives at Paris court on October 27, 2009 for the trial of the Church of Scientology, classified as a sect, with seven of its members for illegally prescribing drugs. The court fined the Church of Scientology for defrauding vulnerable followers, but officials voiced regret that a recent change in the law prevented France from banning it outright. Scientology's Celebrity Centre and its bookshop in Paris, the two branches of its French operations, were ordered to pay 600,000 euros (900,000 dollars) in fines for preying financially on its followers in the 1990s.

tergiverso e o post pode ficar longo. vamos encurtar a história. anonymous é um não-coletivo de hackers que está em guerra não declarada contra partes do sistema, seja lá o que a gente entenda que é o sistema.

a polícia inglesa acusa quatro carinhas de fazerem parte do não-coletivo e, por isso, serem uma ameaça à lei e à ordem. uma corte de sua majestade, face a acusações que podem chegar a sedição, acaba de proibir os quatro de estar na rede usando suas personas online. podem usar o que quiserem, menos os nomes pelos quais são reconhecidos como parte do "grupo" que, como se sabe, não é "grupo" e que, anônimo e disperso, talvez nunca possa ser formalmente acusado de coisa alguma.

ocorre que um dos quatro acusados usa, como persona online… seu nome.

isso. exatamente o que você leu acima. consequências? a justiça inglesa cassou o direito de um de seus súditos de usar seu próprio nome online. transformou peter david-gibson, 20 anos de idade, de hartlepool, co. durham, em ninguém. peter frequentava a rede, imagine, disfarçado de… "peter". peter, uma ameaça global, disfarçado de… "peter". LOL…

há alguma coisa profundamente errada entre os céus e a terra. a lógica está deixando de ser entendida –e, quase certamente, de funcionar- e isso pode estar relacionado ao fato de que, no fim de semana passado, quase todos os meus chutes conseguiram, pela primeira vez em décadas, encontrar o caminho da "meta". dois deles, inclusive, teriam sido pontos olímpicos, não fosse o reflexo e maestria do goleiro.

as chances disso acontecer num mundo que mantém algum grau de coerência, garanto, são iguais a você receber, enquanto lê este texto, um SMS de oliver cromwell defendendo uma revisão das bases do poder na terra de sua majestade.

sei não, sei não. 2012 vem aí. cruzem os dedos…

Artigos relacionados

0 Responses to a lei, offline vs. online

  1. anonimus disse:

    o cara q escreveu essa matéria deve estar brisado. totalmente sem sentido.

  2. anonimus disse:

    o cara q escreveu essa matéria deve estar brisado. totalmente sem sentido.

  3. Luciano Nunes disse:

    KKKKKKKKKKKKKKKKK
    muito legal Peter não ser Peter e eu não ser Luciano

  4. Son disse:

    “Brisado”? O cara tinha cheirado todas…

  5. Liandro Costa disse:

    O cara que escreveu a metéria devia estar doidão na hora, pois que matéria mais confusa. LOL

  6. felisberto souza disse:

    CHEIRADO????????? O REDATOR TAVA COMPLETAMENTE FORA DE SI AO ESCREVER ESTA MATÉRIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Peter disse:

    Concordo, matéria ruim mesmo.

  8. Baiano fã do malungo sabido disse:

    Silvio,

    Acho que voce precisa de um novo blog, ou pelo menos de uma TAG com Q.I. mínimo no começo dos seus textos, para que pessoas que só leem gírias de twitter consigam formular um pensamento que não seja “hããã?” 🙂

    Brilhante matéria e concordo com 2012, até porque no dia deste fato louco, acabamos de reviver o nacionalismo getuliano, pelo teor da nova lei 116 da dona dilma… Vai lá ver e arrepie os poucos cabelos que tem com o nível de protecionismo nacional …(exigir que a NHK produza pelo menos 3 horas diárias de conteúdo nacional para ser veículado no Brasil é no mínimo piada em Klingon para Pleidiano ver)

  9. Marquito disse:

    o mundo está ao contrário e ninguém reparou, silvio. tudo vai se resolver quando o segundo sol chegar.

    sinceridade? esse esquema do azeredo me dá embrulho no estômago desde 2005 quando estive em SP numa conferência da RNP e que levou representantes do governo e da área técnica para uma discussão sobre o assunto. no fundo, foi uma piada. o parlamentar (que não era o e. azeredo) não fazia a menor ideia do que falava e os presentes ficaram mais uma vez decepcionados com a ineficiência do legislativo nacional.

    algo que eu já não captava eram os coletivos. o que seria um não-coletivo? hehehe

  10. Davi disse:

    aff esse azerede é um FDP de primeira … por mim ele quem morra

  11. Diana Costa disse:

    Uma visão necessária para quem está abitolado no mundo do Direito. Nós (estudantes das áreas jurídicas) deveríamos ter aulas assim: fazendo-nos pensar ao invés de digerir a lei. Excelente texto, Silvio! (A sensação que fica é quase a mesma que ficou depois de assistir sua palestra no ENEJ… Fome de conhecer e entender o novo e o necessário.)

  12. TechMoney disse:

    Pessoal,

    Segue recomendação de site sobe carreira de TI e de mercado financeiro:

    http://www.techmoney.com.br

  13. Vagner disse:

    Sensacional materia..

    Aos criticos.. pensem um pouco antes de criticar….

  14. Pedro Daltro disse:

    Os 6 primeiros comentários não deixam vc mentir.

    Belo texto, e impressionante com a estupidez anda reinante, proibir um cara de usar seu próprio nome é o cúmulo.

    eu ainda acho q nostradamus errou por um ano. O mundo acaba ainda em 2011 : )

    abs