MENU

Escrito por • 18/09/2008

banda larga: estamos em terceiro lugar…

…de baixo para cima. estudo que acaba de ser publicado pela saïd business school da university of oxford, em conjunto com a universidad de oviedo, mostra o brasil no rabo da gata de uma lista de 42 países na combinação de penetração [cobertura] de banda larga nas casas, combinada com a qualidade do serviço. os primeiros países estão no quadro abaixo que, clicado, leva direto à página onde está o relatório.ss-20080917084415-broadband-leadership.png

a pesquisa levou em conta os países membros da OECD e os grandes emergentes [os BRICs: brasil, rússia, índia e china] e, usando uma medida denominada índice de qualidade de banda larga [BQS, broadband quality score], comparou o que é preciso, em quantidade e qualidade de banda, para ter as atuais e futuras [daqui a três, cinco anos] aplicações ricas [código, vídeo, interatividade] nas casas. para hoje, se determinou que é preciso ter um BQS de pelo menos 32 [veja o estudo para entender como calcular], o que significa que portugal [veja histograma abaixo] é o último país da lista do que estão em dia com o presente da rede.

ss-20080917091520-bqs-broadband.png

O BQS do futuro muito próximo, daqui a três anos, é calculado em 75, fazendo com que o japão, que foi um dos últimos países ricos a entrar na internet comercial, seja o único que já está pronto para as aplicações de amanhã. pra nós, que estamos com uma nota 13, lá no fim da linha, à frente apenas da índia e rússia, o que isto significa?

 ss-20080917084415-broadband-leadership-trailing.png

significa que, se seu negócio depende de um país conectado e você está tentando fazê-lo decolar no brasil, é bom diminuir o tamanho de seu país alvo e tentar fazer a coisa decolar em, digamos, parte do estado de são paulo. e que se você, pra trabalhar, depende de uma qualidade e distribuição de banda que lhe dê acesso à web 2.0 e suas aplicações, o lugar ainda não é o brasil. deveríamos repensar, aqui, sobre o outro campeonato mundial, onde se mede o tempo em que ficamos na rede.

no concurso de tempo na rede, o brasil ganha disparado, com 22h24 de uso por pessoa/mês. a seguir, na lista do ibope/nielsen, vêm estados unidos, com 19h52, frança, com 19h40, japão, com 18h29 e reino unido, com 17h46.  vai ver que isso ocorre justamente porque, entre os países que mais usam a rede, temos as piores conexões. fazendo uma comparação em termos de horas navegadas e qualidade de navegação, os japoneses talvez tenham acesso, a cinco vezes mais conteúdo do que nós, mesmo usando a rede quatro horas a menos, por mês.

de qualquer forma, o país entra na rede, até porque a classe C [e breve, a D] entra na rede pelas suas próprias mãos e bolso, face a completa ausência de políticas públicas para internet ou, como o mundo inteiro trata o assunto hoje, banda larga. como a imagem [do ibope] abaixo mostra, metade dos usuários da internet, no brasil, já é das classes C e D. é muito pouco, ainda [as classes A e B são apenas 15% da população], mas é muito, considerando que não há nenhum indício, até agora, de políticas públicas -do porte do brasil- pra resolver, como deveríamos, o problema de acesso à rede.

penetracao-internet-brasil-por-classe.jpg

Artigos relacionados

0 Responses to banda larga: estamos em terceiro lugar…

  1. Alfred disse:

    Além disso temos também a Internet mais lenta do mundo, comprovado em http://www.speedtest.net

  2. Mário Ivan A. Bezerra disse:

    A meu ver, a notícia é bastante positiva. Considerando a extensão territorial do Brasil, não vejo demérito em ficar um pouco atrás da Itália e do Reino Unido

  3. Bruno disse:

    A notícia não chega a ser alarmante. E as deduções que você faz a partir dela (investir ou não em negócios pela internet, por exemplo) me parecem pouco embasadas. Mais chutômetro que contribuições ricas em informações.

    Li algumas matérias sobre a (in)violabilidade das urnas brasileiras. Seus textos me parecem muito informais. Um estilo debochado não combina com o volume de leituras que o seu blog deve ter enquanto vinculado ao Terra.

  4. Bruno disse:

    Seguindo:
    Os serviços de internet se expandem com muito mais rapidez no Brasil que em outros países. Há 5 anos tínamos muito menos do que hoje, e a tendência é de uma explosão – aumento do número de concorrentes e tecnologias, além da convergência de serviços de qualidade.
    Não tenho dúvidas de que a repetição desta pesquisa num prazo de 3 anos mostrará um quadro bastante modificado (pelo menos no que diz respeito ao Brasil).

  5. Fred disse:

    Curioso notar que do grupo BRIC, apenas a Rússia está dentro do limite, China e Índia estão atrás do Brasil. Mais curioso ainda é que, pelo menos a percepção que eu tenho daqui, é de que justamente a Índia é quem mais faz outsourcing para os Estados Unidos e não se ouve falar de Rússia nem muito menos de Brasil. Claro que outsourcing é o hoje e serviços é o que daria sustentabilidade amanhã, mas…

    EUA não é exemplo do ponto de vista tecnológico, Japão está anos-luz na frente. Entretanto, o mais moderno que roda de serviço hoje em dia em cima de banda larga é voz-sobre-IP e distribuição de filmes on-demand. Tecnologia do século passado, mas com um faturamento enorme, que no final das contas, o capitalismo, é o que importa. Os clientes não estão nada satisfeitos, mas todos pagam.