MENU

Escrito por • 26/02/2010

brasil lidera restrições ao uso de redes sociais no trabalho

o brasil aparece bem na foto da internet: sempre estamos no topo [ou perto] em horas de uso, apesar de tal “título” ser questionável: o brasileiro parece passar mais tempo na rede porque precisa do que porque gosta, pois aqui a banda larga é estreita. ainda assim, estamos muito bem em todas as redes sociais e somos a terceira língua no twitter, por exemplo, logo atrás de inglês e japonês. gostamos de gadgets e parece que não temos medo de novidades.

imageagora [infelizmente?] aparecemos também em primeiro lugar em uma outra competição, a dos países onde mais se controla o uso de redes sociais no ambiente de trabalho.

estudo da manPower com 34 mil empregados em 35 países mostra que 55% das empresas brasileiras têm alguma política para restringir o uso de redes sociais pelos seus colaboradores, contra uma média de 20% no mundo. na argentina, peru, japão e estados unidos, este número é perto de 25%; na europa, a média é 11%, sendo que na alemanha e suíça só 6% das empresas têm restrições ao uso de mídias sociais, número que cai para ínfimos 2% na frança.

pedro guimarães, da manPower brasil, acha que as políticas para mídias sociais das empresas…  “ainda estão focadas no gerenciamento de riscos, e não na maneira como as organizações podem aproveitar essas ferramentas em benefício dos empregados e do negócio". faz todo sentido. e o blog fez mais duas perguntas a pedro, respondidas com exclusividade:

SM: que políticas você acha que a empresa deveria usar como incentivo [ao invés de restrição] ao uso de redes sociais para aumento de performance dos colaboradores nos negócios?

PG: Desafie os colaboradores a inovar, estimulando-os a desenvolver maneiras de usar essas ferramentas para melhorar seu trabalho. Incentive o compartilhamento das boas práticas, como por exemplo, o uso das mídias sociais para gerar acessos ou atender melhor aos consumidores ou clientes.

Fique de olho nos especialistas dentro da empresa, e estimule-os a demonstrar o uso de mídias sociais para os colegas. Preste atenção às ideias que surgem dessa interação.

Deixe que os colaboradores assumam a tarefa. A base de qualquer rede social saudável é o comprometimento dos usuários. Estimule os empregados a ajudar no desenvolvimento e implantação da rede, promovendo a confiança nos objetivos instituídos no fim do processo.

SM: será que, dentro dos ambientes corporativos brasileiros, com tamanha restrição ao uso de redes sociais abertas, não seria o caso de se estimular redes sociais internas, corporativas, como mecanimo de gestão de conhecimento e articulação do capital humano?…

PG: Estabelecer políticas quer dizer dar a tenção à ferramenta objetivando aproveitar o que tem de melhor a oferecer. Ao contrário de dar as costas e fechar a porta. O estímulo ao uso das redes sociais traz ganhos significativos para o ambiente corporativo, quando utilizadas sob políticas alinhadas com os objetivos da empresa. Seguem algumas das atividades que claramente se beneficiam com o uso das redes sociais num ambiente corporativo:

Produtividade: Um bom exemplo de produtividade é o atendimento ao cliente utilizando o Twitter. Uma pesquisa feita pela empresa de relações públicas Burson-Masteller indica que mais da metade das Fortune 100 tem contas no Twitter para atendimento ao público.

Colaboração: O mundo do trabalho já teve uma transformação bastante significativa com a necessidade da colaboração e pelas tecnologias que promovem teamwork. De acordo com uma pesquisa feita em 2009 pela Palo Alto Networks, 91% das empresas tinham algum tipo de ferramenta de workgroup. O uso de aplicações de virtual-meetings e colaboração só tendem a crescer à medida que a necessidade de trabalho presencial diminui.

Gestão do conhecimento: Muitas companhias tem tentado, há muito, desenvolver formas de capturar de alguma forma o conhecimento dos seus empregados. Com o advento das mídias sociais, esse esforço poderá tornar-se realidade com a utilização de blogs e sites de relacionamento de "grupos de conhecimentos" específicos.

Inovação: Companhias que veem além dos esforços seus grupos internos de pesquisa, tem oportunidade de abrir novas fronteiras de relacionamento com o mundo exterior, conectando seus melhores recursos com comunidades do conhecimento externas, tais como clientes, acadêmicos, pesquisadores, os quai seriam difícil de encontrar de uma forma convencional.

Envolvimento dos empregados: Um rede interna de comunicação com os empregados poderá ser uma poderosa ferramenta de endomarketing, assim como poderá promover o relacionamento e a aproximação entre os grupos, trazendo-os cada vez mais como "parte" da empresa.

Seleção: Redes sociais, tais como o Linkedin e Plaxo, já são uma realidade na seleção de pessoas, em especial de Profissionais. De acordo com um estudo da Deloitte, 23% das empresas já utilizam as redes como um instrumento de contratação. Importante ressaltar que tanto empresas como candidatos deverão ter cuidado extra, certficando-se da reputação da outra parte no processo seletivo.

falou e disse. e a pesquisa referida neste texto está neste link. resta saber o que acham os emrpegadores. um dos que eu ouvi recentemente me dizia que “…deixar usar redes sociais no horário de trabalho… faz a produtividade cai a zero”. será mesmo? e você, que trabalhar –e usa ou não usa- acha o que?

 

Artigos relacionados

0 Responses to brasil lidera restrições ao uso de redes sociais no trabalho

  1. Fred Barros disse:

    Depende muito. Tem pessoas que usam o Orkut, por exemplo, compulsivamente e não produzem. Outros conseguem utilizar com certo controle e eu já vi casos de empresas que descobriram informações relevantes em redes sociais (clientes reclamando do serviço, por exemplo). Acredito que cada caso deve ser estudado a parte. nao adianta dizer que existe uma regra.

  2. Fred Barros disse:

    Depende muito. Tem pessoas que usam o Orkut, por exemplo, compulsivamente e não produzem. Outros conseguem utilizar com certo controle e eu já vi casos de empresas que descobriram informações relevantes em redes sociais (clientes reclamando do serviço, por exemplo). Acredito que cada caso deve ser estudado a parte. nao adianta dizer que existe uma regra.

  3. Sandney Farias disse:

    Na minha opinião o fato de uma pessoa ser improdutiva não está diretamente ligado a liberdade de acesso as redes sociais dentro do ambiente de trabalho. Pessoas que são improdutivas e que não têm compromisso com as atividades que desempenham encontram diversos meios e mecanismos para desviarem sua atenção. Já vi funcionário que passava o dia todo jogando paciência no computador, será que o problema era o jogo?

    • srlm disse:

      sandney, fred:

      concordo com os dois; SE a pessoa não mais “tiver nada a ver” com o emprego [que é diferente de “trabalho”]… não fará mais seu trabalho. é chegada a hora das empresas entenderem que o ENGAJAMENTO dos trabalhadores, na economia do conhecimento, é diferente do PONTO e da presença e ação fisica no local do emprego.

      há que se engajar o CÉREBRO, senão de nada adianta estar no “local de trabalho”…

  4. Sandney Farias disse:

    Na minha opinião o fato de uma pessoa ser improdutiva não está diretamente ligado a liberdade de acesso as redes sociais dentro do ambiente de trabalho. Pessoas que são improdutivas e que não têm compromisso com as atividades que desempenham encontram diversos meios e mecanismos para desviarem sua atenção. Já vi funcionário que passava o dia todo jogando paciência no computador, será que o problema era o jogo?

    • srlm disse:

      sandney, fred:

      concordo com os dois; SE a pessoa não mais “tiver nada a ver” com o emprego [que é diferente de “trabalho”]… não fará mais seu trabalho. é chegada a hora das empresas entenderem que o ENGAJAMENTO dos trabalhadores, na economia do conhecimento, é diferente do PONTO e da presença e ação fisica no local do emprego.

      há que se engajar o CÉREBRO, senão de nada adianta estar no “local de trabalho”…

  5. Luciano Palma disse:

    Concordo com a proposta, porém apresento uma ressalva em meu post “Sua empresa tem os pré-requisitos para participar das Redes Sociais?” – http://ow.ly/1bzfx

  6. Luciano Palma disse:

    Concordo com a proposta, porém apresento uma ressalva em meu post “Sua empresa tem os pré-requisitos para participar das Redes Sociais?” – http://ow.ly/1bzfx

  7. emeran disse:

    Bom, eu já tive o desgosto de trabalhar em empresas de TI -software- cujo uso da internet era proibido (!). Isso mesmo, era proibido acessar a internet via rede da empresa. E trata-se de uma empresa muito grande, estamos falando de uma empresa de uns 2.500 profissionais de software.

  8. emeran disse:

    Bom, eu já tive o desgosto de trabalhar em empresas de TI -software- cujo uso da internet era proibido (!). Isso mesmo, era proibido acessar a internet via rede da empresa. E trata-se de uma empresa muito grande, estamos falando de uma empresa de uns 2.500 profissionais de software.

  9. João Paulo disse:

    Trabalho na área de TI em uma empresa e aqui é feito o bloqueio a sites que não possuem conteúdo relativo ao trabalho como fornecedores e clientes. Redes sociais aqui são proibidas.

    A ideia de engajamento dos funcionários é maravilhosa, porém vejo que na prática não acontece isso. Quando foi liberada as redes sociais com o intuito de utiliza-las para o benefício da empresa (como prospectar novos clientes) e proporcionar o bem estar dos funcionários quase 80% dos funcionários tiveram uma redução significativa de “produção”.

    Vendedores deixavam de vender, consumo de banda “estreita” triplicou e houveram casos em que o funcionário tiveram problemas físicos como tendinites devido ao uso excessivo de redes sociais. Não houve um bom senso da utilização, o que foi um fato.

    Final da história… todos bloqueados novamente.

  10. João Paulo disse:

    Trabalho na área de TI em uma empresa e aqui é feito o bloqueio a sites que não possuem conteúdo relativo ao trabalho como fornecedores e clientes. Redes sociais aqui são proibidas.

    A ideia de engajamento dos funcionários é maravilhosa, porém vejo que na prática não acontece isso. Quando foi liberada as redes sociais com o intuito de utiliza-las para o benefício da empresa (como prospectar novos clientes) e proporcionar o bem estar dos funcionários quase 80% dos funcionários tiveram uma redução significativa de “produção”.

    Vendedores deixavam de vender, consumo de banda “estreita” triplicou e houveram casos em que o funcionário tiveram problemas físicos como tendinites devido ao uso excessivo de redes sociais. Não houve um bom senso da utilização, o que foi um fato.

    Final da história… todos bloqueados novamente.

  11. José Eduardo disse:

    pra ser um eletricista: você estuda;
    pra ser um médico: você estuda;
    pra ser professor: você estuda;

    pra ser um agente consciente e eficiente da rede: … O QUE VOCE JA ESTUDOU???

    talvez agir de forma organizada e utilizar as redes sociais como ferramenta de impulso no dia-dia exija um período de estudo e prática??

    será que o Brasil não precisa incluir um PCN pra informática no ensino fundamental???

  12. José Eduardo disse:

    pra ser um eletricista: você estuda;
    pra ser um médico: você estuda;
    pra ser professor: você estuda;

    pra ser um agente consciente e eficiente da rede: … O QUE VOCE JA ESTUDOU???

    talvez agir de forma organizada e utilizar as redes sociais como ferramenta de impulso no dia-dia exija um período de estudo e prática??

    será que o Brasil não precisa incluir um PCN pra informática no ensino fundamental???

  13. rolexfake disse:

    Excellent reproduction Arsenalmerchandise sells at resonable price.The Real Madrid merchandise with high quality and exclusive design.Choose one amazing of
    England Premier League merchandise to highlight your life style.

  14. rolexfake disse:

    Excellent reproduction Arsenalmerchandise sells at resonable price.The Real Madrid merchandise with high quality and exclusive design.Choose one amazing of
    England Premier League merchandise to highlight your life style.

  15. rolexfake disse:

    Till now, replica rolex daytona well-known all over the world.With a large selection of rolex daytona replicaand a low price on every model, watchwax.com is the best place to shop for Luxury Rolex watches.

  16. rolexfake disse:

    Till now, replica rolex daytona well-known all over the world.With a large selection of rolex daytona replicaand a low price on every model, watchwax.com is the best place to shop for Luxury Rolex watches.

  17. rolexfake disse:

    We are rolex oyster perpetual experts selling only the finest, top level condition, and preowned men’s and ladies’ rolex oyster perpetual datejust, used Rolex watches, unused Rolex watches and new Rolex watches on the market. Our top priority is to provide every customer with the highest quality Rolex watch at the lowest price available. Browse our wide selection of Rolexes for sale.

  18. rolexfake disse:

    We are rolex oyster perpetual experts selling only the finest, top level condition, and preowned men’s and ladies’ rolex oyster perpetual datejust, used Rolex watches, unused Rolex watches and new Rolex watches on the market. Our top priority is to provide every customer with the highest quality Rolex watch at the lowest price available. Browse our wide selection of Rolexes for sale.

  19. rolexfake disse:

    Good post!
    Our web sells thereplica rolex submarinerwith high quality and exclusive design.Welcome to choose!
    Thanks!

  20. rolexfake disse:

    Good post!
    Our web sells thereplica rolex submarinerwith high quality and exclusive design.Welcome to choose!
    Thanks!