MENU

Escrito por • 05/09/2008

câmara dos deputados duvida da segurança das urnas eletrônicas

semana passada, este blog publicou uma entrevista onde um especialista em segurança de informação questionava a segurança do sistema eleitoral brasileiro. o entrevistado preferiu permanecer anônimo, o blog concordou e o texto resultante teve a maior audiência [o blog chegou a cair] e comentários [150+] da curta história deste espaço. a entrevista desmentia, pura e simplesmente, a declaração do presidente do TSE de que o sistema eleitoral brasileiro seria "inviolável".

uma boa parte dos comentários [contra e a favor] é conseqüente e resulta da reflexão de quem leu o texto com atenção e deu, honestamente, sua opinião. esta parte da discussão ajuda, e muito, a esclarecer as dúvidas que todos nós temos -ou deveríamos ter- sobre o sistema eleitoral brasileiro.

outra parte das contribuições veio da histeria dos que defendem cegamente algo que não entendem, combinado com gente que acredita em papai noel e não tem nenhum outro espaço para se manifestar a não ser comentários em blogs. como a galera que quer desclassificar alguma opinião, sem pensar, só porque vinda de fonte anônima. será que esta gente não sabe o tipo e a intensidade das forças que operam em ambientes tão críticos como o processo eleitoral? será que ainda há quem ache que se pode dizer tudo, em qualquer espaço, em qualquer época, de peito aberto, sem temer pelo seu emprego, relações e, em certos casos, vida? será que há quem acredite que a liberdade de informar [incluindo o sigilo das fontes] e os direitos individuais, impressos nas constituições, estão lá apenas porque o texto é esteticamente belo?…

mas vamos deixar tais considerações prá lá, por enquanto, pois sempre haverá espaço para discuti-las aqui e em todo lugar, por muito tempo. e vamos ver duas notícias desta semana, sem nenhuma relação direta com o texto deste blog semana passada, mas com tudo -e mais- a ver com o assunto que tratamos.

fraude-urna.jpgo primeiro, neste link, vem direto da subcomissão especial de segurança do voto eletrônico da câmara dos deputados, através de seu presidente, deputado geraldo magela [do pt/df, representante do governo, portanto]. o deputado afirmou, dia 1º, que "as urnas eletrônicas fabricadas pela norte-americana Diebold, utilizadas nas eleições do país, não são seguras e não dão garantia de que a vontade do eleitor será respeitada". e disse mais [o que de resto é sabido há tempos por todo mundo que esteve perto do assunto]: "o voto eletrônico significa um avanço democrático e pode ser aperfeiçoado". uia!… foi a mesma coisa que dissemos alguns dias atrás, e vem com o carimbo da comissão da câmara que estuda o problema de segurança do voto eletrônico [e a gente não estava lá pra ajudá-los a chegar em tal conclusão].

do outro lado, na bancada da oposição, o  vice-líder do psdb, deputado Gustavo Fruet, diz que "diante de tantas denúncias de grampos e suspeitas de participação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no vazamento de escutas telefônicas, o partido vai propor à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a realização de uma auditoria externa sobre um novo sistema de criptografia que a Abin apresentará à Justiça Eleitoral para utilização nas urnas eletrônicas, durante as eleições deste ano".

e faz todo sentido do mundo: você deixaria, no contexto atual, a abin tomar conta da criptografia de sua conta bancária? não é que a agência não seja competente ou confiável… é que evidências de sua atuação recente a deixam numa situação muito difícil como provedor de criptografia e assinaturas para o processo eleitoral, ou seja, como principal responsável pela segurança e sigilo das eleições. não é "culpa" da agência, mas de ações esporádicas e recentes [como grampear o mundo ao seu redor] que fizeram a sociedade concluir que ela, a abin, não é confiável ou isenta. o que é uma pena, pois instituições como abin têm, claramente, um papel muito importante no arranjo institucional de qualquer país complexo como o brasil.

este blog sustenta a tese de que o sistema "eletrônico" é muito melhor do que o "de papel", por razões óbvias: as urnas de lona, os votos em papel, as apurações do passado e seus "mapas" sempre foram uma fábrica de eleitos. muito mais que a metade do processo eleitoral rolava, sempre, na confusão pós urnas. mas este blog também entende que o sistema atual pode ser melhorado, e muito, pelo aumento de transparência ao redor da urna eletrônica e dos sistemas de informação que, depois do voto, pronunciam os eleitos.

depois de nosso texto sobre o assunto, o TSE convidou o terra magazine para testemunhar o lacre das urnas eletrônicas. nós agradecemos a deferência, mas entendemos que "testemunhar" a carga do software e o lacre das urnas não adiciona nenhum valor à qualidade do processo eleitoral. preferiríamos que o TSE, em nome transparência das eleições, contratasse grupos independentes de especialistas, dissociados de governo e partidos, para testar, verificar, validar e certificar o sistema eleitoral ou, eventualmente, encontrar as falhas que, corrigidas, tornariam o processo ainda melhor do que acreditamos que ele já seja. o custo de abrir o sistema inteiro para uma auditoria externa, independente, seria muito menor do que a permanente suspeita, velada aqui, explicita ali, de que há algo errado com o sistema informatizado de votação que usamos no brasil.

na prática, dá pra fazer alguma coisa para as próximas eleições? provavelmente não. mas há eleições, por aqui, de dois em dois anos. é um verdadeiro festival, quase contínuo, de votos. será que o TSE não deveria inovar e chamar um monte de gente pra perto do processo, ao invés de se fechar em torno de suas próprias crenças e tentar, colaborativamente, melhorar a qualidade do processo eleitoral como um todo, olhando para as eleições por vir? a sociedade agradeceria e o tribunal, ao fazer isso, ganharia aliados e alianças. e quase de graça, mesmo que caro fosse, considerando o benefício.

Artigos relacionados

0 Responses to câmara dos deputados duvida da segurança das urnas eletrônicas

  1. marcelo disse:

    Perfeito..disse tudo!!!!
    soh n entendi pq o deputado Gustavo Fruet vai propor q a auditoria do sistema de criptografia seja feita pela OAB e não por uma entidade qualificada para tal..
    oq advogados entendem de criptografia?

    continuamos na mesma…

  2. marcelo disse:

    Perfeito..disse tudo!!!!
    soh n entendi pq o deputado Gustavo Fruet vai propor q a auditoria do sistema de criptografia seja feita pela OAB e não por uma entidade qualificada para tal..
    oq advogados entendem de criptografia?

    continuamos na mesma…

  3. carla disse:

    Muita gente só querendo aparecer.
    Magela acredita que já foi vítima de fraude eletrônica nas eleições para Governador do Distrito Federal.
    Outro blog que trata desse assunto:
    http://consultorti.wordpress.com/2008/02/12/voto-eletronico-seguranca-ou-fraude/

  4. carla disse:

    Muita gente só querendo aparecer.
    Magela acredita que já foi vítima de fraude eletrônica nas eleições para Governador do Distrito Federal.
    Outro blog que trata desse assunto:
    http://consultorti.wordpress.com/2008/02/12/voto-eletronico-seguranca-ou-fraude/

  5. Genilson disse:

    Eu acho um absurdo alguém dizer que a urna eletrônica não é segura sem se identificar ou explicar por que pensa assim.
    Até onde sabemos a utilização de um processo eletrônico, informatizado é muitas vezes melhor do que o que existia antes, quando riscávamos numa cédula a nossa escolha.
    Agora, enquanto ninguém apontar uma falha de segurança real, explicando como poderia ser aproveitada, nós devemos confiar e crer que nada sairá errado nessa próxima eleição e nas demais.
    Não há por que criar um clima de desconfiança sem motivo algum.

  6. Genilson disse:

    Eu acho um absurdo alguém dizer que a urna eletrônica não é segura sem se identificar ou explicar por que pensa assim.
    Até onde sabemos a utilização de um processo eletrônico, informatizado é muitas vezes melhor do que o que existia antes, quando riscávamos numa cédula a nossa escolha.
    Agora, enquanto ninguém apontar uma falha de segurança real, explicando como poderia ser aproveitada, nós devemos confiar e crer que nada sairá errado nessa próxima eleição e nas demais.
    Não há por que criar um clima de desconfiança sem motivo algum.

  7. rosa maria disse:

    bem gostaria de aproveitar a oportunidade para um comentario de extrema importancia e do que ocorre nas eleições deste pais com as urnas eletronicas, o problema de tudo, e que muitos candidatos de posição financeira boa, compram presidentes de mesa na votação, e os mesmos aproveitam o voto do analfabeto e colocam o nome do referido candidato, é moleza, o analfabeto não sabe ler, porisso as pessoas honestas não conseguem chegar la, é so ver o numero de analfabetos neste pais e quantos milhares de votos são desviados, vc deveriam por camera na urna, para fiscalizar os presidentes das sessões, melhoraria bastante com certeza

  8. rosa maria disse:

    bem gostaria de aproveitar a oportunidade para um comentario de extrema importancia e do que ocorre nas eleições deste pais com as urnas eletronicas, o problema de tudo, e que muitos candidatos de posição financeira boa, compram presidentes de mesa na votação, e os mesmos aproveitam o voto do analfabeto e colocam o nome do referido candidato, é moleza, o analfabeto não sabe ler, porisso as pessoas honestas não conseguem chegar la, é so ver o numero de analfabetos neste pais e quantos milhares de votos são desviados, vc deveriam por camera na urna, para fiscalizar os presidentes das sessões, melhoraria bastante com certeza

  9. Luiz disse:

    Para quem “acredita” na urna eletrônica, sugiro uma visita ao site:
    http://www.votoseguro.org

  10. Luiz disse:

    Para quem “acredita” na urna eletrônica, sugiro uma visita ao site:
    http://www.votoseguro.org

  11. ANTONIO CESAR MIRANDA disse:

    ACREDITO QUE SEJA CONFIÁVEL, NÃO HÁ NECESSIDADE ALGUMA DE ATESTADOS DE CONFIABILIDADE DAS URNAS ELETRÔNICAS.
    O QUE PRECISA MESMO É QUE AS URNAS EMITAM NO MOMENTO DO VOTO UM COMPROVANTE COM CARACTERÍSTICAS ÚNICA IGUAL À DA CÉDULA DE DINHEIRO GARANTINDO A VERACIDADE DA MESMA E GARANTINDO AO ELEITOR SUA VONTADE. APÓS ISTO DEPOSÍTA-SE OS COMPROVANTES NUMA OUTRA URNA QUE FICARÁ SOB A GUARDA DO PODER JUDICIÁRIO. NUMA EVENTUAL SUSPEITA DE FRAUDE, OS CANDIDATOS TERÃO O DIREITO DE PEDIR A RECONTAGEM DOS VOTOS POR AMOSTRAGEM DAS URNAS QUE DESEJAR.

  12. ANTONIO CESAR MIRANDA disse:

    ACREDITO QUE SEJA CONFIÁVEL, NÃO HÁ NECESSIDADE ALGUMA DE ATESTADOS DE CONFIABILIDADE DAS URNAS ELETRÔNICAS.
    O QUE PRECISA MESMO É QUE AS URNAS EMITAM NO MOMENTO DO VOTO UM COMPROVANTE COM CARACTERÍSTICAS ÚNICA IGUAL À DA CÉDULA DE DINHEIRO GARANTINDO A VERACIDADE DA MESMA E GARANTINDO AO ELEITOR SUA VONTADE. APÓS ISTO DEPOSÍTA-SE OS COMPROVANTES NUMA OUTRA URNA QUE FICARÁ SOB A GUARDA DO PODER JUDICIÁRIO. NUMA EVENTUAL SUSPEITA DE FRAUDE, OS CANDIDATOS TERÃO O DIREITO DE PEDIR A RECONTAGEM DOS VOTOS POR AMOSTRAGEM DAS URNAS QUE DESEJAR.

  13. Marcos disse:

    Concordo … mta gente querendo aparecer. Críticas à urna eletrônica não passam de especulação de quem realmente não conhece o processo eleitoral. Como fraudar-se-ia os arquivos log e registro digital do voto?? E a votação paralela? Se a fraude for na urna eletrônica, especificamente, como seria possível fazê-lo em milhões de urnas?? Como seria alterado qualquer dado na transmissão dos votos se os BUs são afixados na porta da seção?? Essas críticas, bem como este artigo escrito, é típico de quem realmente não possui o necessário conhecimento técnico e jurídico do método brasileiro de votação eletrônica e, especialmente, os derrotados em eleições anteriores. É mais fácil cair um meteoro na sua casa do que fraudar uma eleição inteira feita por urnas eletrônicas.

  14. Marcos disse:

    Concordo … mta gente querendo aparecer. Críticas à urna eletrônica não passam de especulação de quem realmente não conhece o processo eleitoral. Como fraudar-se-ia os arquivos log e registro digital do voto?? E a votação paralela? Se a fraude for na urna eletrônica, especificamente, como seria possível fazê-lo em milhões de urnas?? Como seria alterado qualquer dado na transmissão dos votos se os BUs são afixados na porta da seção?? Essas críticas, bem como este artigo escrito, é típico de quem realmente não possui o necessário conhecimento técnico e jurídico do método brasileiro de votação eletrônica e, especialmente, os derrotados em eleições anteriores. É mais fácil cair um meteoro na sua casa do que fraudar uma eleição inteira feita por urnas eletrônicas.

  15. Caio disse:

    Rosa Maria

    vc acredita mesmo em lendas urbanas?? Tmb acredita na história na seringa no cinema, do roubo dos rins na banheira com gelo?? rs … compra de voto, tudo bem, existe mesmo, agora achar q o presidente de mesa vai conseguir pegar votos pro candidato dele, é difícil hein:????

  16. Caio disse:

    Rosa Maria

    vc acredita mesmo em lendas urbanas?? Tmb acredita na história na seringa no cinema, do roubo dos rins na banheira com gelo?? rs … compra de voto, tudo bem, existe mesmo, agora achar q o presidente de mesa vai conseguir pegar votos pro candidato dele, é difícil hein:????

  17. magali vieira mendes disse:

    Acreditar na segurança das urnas eletonicas é acreditar que seu PC também estará 100% livre de qualquer vírus ou outras pragas com um anti-virus. Não existe sistema a prova de invasão. Se o sistema é tão “bom” por quê não é usado em países de primeiro mundo????
    As urnas eeletronicas deveriam gerar uma cópia impressa do voto para uma possível recontagem em caso de suspeitas de algum problema.

  18. magali vieira mendes disse:

    Acreditar na segurança das urnas eletonicas é acreditar que seu PC também estará 100% livre de qualquer vírus ou outras pragas com um anti-virus. Não existe sistema a prova de invasão. Se o sistema é tão “bom” por quê não é usado em países de primeiro mundo????
    As urnas eeletronicas deveriam gerar uma cópia impressa do voto para uma possível recontagem em caso de suspeitas de algum problema.

  19. Silvio, o TSe contratou em maio (contrato TSE 032/08) o CenPRA e a Facti, ambas ligadas ao Min.da Ciência e Tecnologia para efetuarem testes secretos de invasão nas urnas-e. Foi encontradas tantas falhas de segurança que o TSE decidiu: 1) não permitir que o teste fosse feito pelos partidos que solicitaram (PT e PDT); 2) Fazer um novo projeto de urnas-e para 2010; e 3) negar a existência de falhas de segurança.
    Veja mais detalhes em: http://www.votoseguro.org/textos/penetracao1.htm

  20. Silvio, o TSe contratou em maio (contrato TSE 032/08) o CenPRA e a Facti, ambas ligadas ao Min.da Ciência e Tecnologia para efetuarem testes secretos de invasão nas urnas-e. Foi encontradas tantas falhas de segurança que o TSE decidiu: 1) não permitir que o teste fosse feito pelos partidos que solicitaram (PT e PDT); 2) Fazer um novo projeto de urnas-e para 2010; e 3) negar a existência de falhas de segurança.
    Veja mais detalhes em: http://www.votoseguro.org/textos/penetracao1.htm

  21. Acreditar em inviolabilidade no país da sacanagem é piada!!! Estou com o Snr Antonio Cesar Miranda. Como diz minha mãe de 87 anos, graças a Deus não preciso mais votar, pois se tivesse que apertar o botão de uma urna eletrônica e acreditar na seriedade de um país nada sério, meus dedos cairiam!Aqui, vê-se de tudo e nada acontece. Quem garante que não há mutreta na ¨contagem¨ dos votos? Em países decentes, conta-se cédula de papel. Ou será que as pessoas escaladas na contagem de votos também são analfabetas funcionais? Afinal, é o que mais tem neste país, pois não? Cristina Mueller.

  22. Acreditar em inviolabilidade no país da sacanagem é piada!!! Estou com o Snr Antonio Cesar Miranda. Como diz minha mãe de 87 anos, graças a Deus não preciso mais votar, pois se tivesse que apertar o botão de uma urna eletrônica e acreditar na seriedade de um país nada sério, meus dedos cairiam!Aqui, vê-se de tudo e nada acontece. Quem garante que não há mutreta na ¨contagem¨ dos votos? Em países decentes, conta-se cédula de papel. Ou será que as pessoas escaladas na contagem de votos também são analfabetas funcionais? Afinal, é o que mais tem neste país, pois não? Cristina Mueller.

  23. Marcos e Genilson,

    Pra que fraudar os Logs se, depois de encontrados BU corrompidos e apontando irregularidades em Alagoas 2006, o TSE decretou que os logs não podem ser usados para auditoria?
    Pra que fraudar milhões de urnas se só meia duzia é suficiente para eleger vereadores em pequenos municípios?
    O teste de Votação Paralela pode ser enganado simplesmente se o programa viciado abortar a fraude no caso de abstenção elevada ou ritmo de votação constante.
    E para adulterar os programas basta explorar duas falhas graves de segurança de nossas urnas-e: a possibilidade de dar boot externo pelo soquete do flash-card e a possibilidade de reprogramar a BIOS por software.
    Foi usando exatamente estas duas brechas que a Univ. de Pincenton teve sucesso num ataque sobre as urnas da Diebold (que possuem as estas mesmas falhas das urnas brasileiras) .
    E é por saber destas brechas, que o TSE impede o teste de penetração por agentes externos (ver acima).
    Por fim, não cabe a nós provar a insegurança das urnas e, sim, é dever do administrador provar sua segurança.
    E isto ele não faz… apenas a afirma sem permitir que se possa conferir de forma independente.

  24. Marcos e Genilson,

    Pra que fraudar os Logs se, depois de encontrados BU corrompidos e apontando irregularidades em Alagoas 2006, o TSE decretou que os logs não podem ser usados para auditoria?
    Pra que fraudar milhões de urnas se só meia duzia é suficiente para eleger vereadores em pequenos municípios?
    O teste de Votação Paralela pode ser enganado simplesmente se o programa viciado abortar a fraude no caso de abstenção elevada ou ritmo de votação constante.
    E para adulterar os programas basta explorar duas falhas graves de segurança de nossas urnas-e: a possibilidade de dar boot externo pelo soquete do flash-card e a possibilidade de reprogramar a BIOS por software.
    Foi usando exatamente estas duas brechas que a Univ. de Pincenton teve sucesso num ataque sobre as urnas da Diebold (que possuem as estas mesmas falhas das urnas brasileiras) .
    E é por saber destas brechas, que o TSE impede o teste de penetração por agentes externos (ver acima).
    Por fim, não cabe a nós provar a insegurança das urnas e, sim, é dever do administrador provar sua segurança.
    E isto ele não faz… apenas a afirma sem permitir que se possa conferir de forma independente.

  25. Eduardo disse:

    Da mesma forma que o Marcelo colocou, gostaria de entender qual é a competência técnica que a OAB pode ter para avaliar a eficiência de qualquer sistema de segurança que não seja uma política, um termo ou outro documento de valor legal.

  26. Eduardo disse:

    Da mesma forma que o Marcelo colocou, gostaria de entender qual é a competência técnica que a OAB pode ter para avaliar a eficiência de qualquer sistema de segurança que não seja uma política, um termo ou outro documento de valor legal.

  27. Idevan Gonçalves disse:

    Lembro do Pedro Doria escrever um bocado em seu blog no ano passado sobre as falhas de nosso processo eleitoral com urna eletrônica (http://pedrodoria.com.br/2008/01/07/urnas-eletronicas-nos-eua-e-no-brasil/). Lembro ainda de alguma das 3 eleições para prefeito do Rio em que o César Maia foi eleito ter problemas sérios com a totalização com indícios de irregularidades. A questão é que se ninguém questionar, o processo não melhora e se houver alguma “fraude conhecida”, nada será mudado e o curral eleitoral continuará a existir.

  28. Idevan Gonçalves disse:

    Lembro do Pedro Doria escrever um bocado em seu blog no ano passado sobre as falhas de nosso processo eleitoral com urna eletrônica (http://pedrodoria.com.br/2008/01/07/urnas-eletronicas-nos-eua-e-no-brasil/). Lembro ainda de alguma das 3 eleições para prefeito do Rio em que o César Maia foi eleito ter problemas sérios com a totalização com indícios de irregularidades. A questão é que se ninguém questionar, o processo não melhora e se houver alguma “fraude conhecida”, nada será mudado e o curral eleitoral continuará a existir.

  29. Helio disse:

    Basta imprimir o voto e coloca-lo em uma urna que estará resolvido o problema .Porque o TSE insiste em NÃO faze-lo???? só pelo custo???

  30. Helio disse:

    Basta imprimir o voto e coloca-lo em uma urna que estará resolvido o problema .Porque o TSE insiste em NÃO faze-lo???? só pelo custo???

  31. Sérgio disse:

    Somente aqueles que trabalharam como excrutinadores, sabem como eram manipulados as cédula eleitorais. Ali a currupção eleitoral era simplesmente real. Os esquemas políticos é que escolhiam os excrutinadores, e lá se elegiam os candidatos mapeados. Agora, ser contra a urna eletrônica, isto é balela. Quem está chorando, são aqueles candidatos que tiveram uma votação apertada ou foram perdedor. Votos em branco eram preenchidos pelos excrutinadores,
    alteração de números, tudo isso era corriqueiro.
    Urna eletrônica, SIM.
    ABAIXO OS CHORÕES!

  32. Sérgio disse:

    Somente aqueles que trabalharam como excrutinadores, sabem como eram manipulados as cédula eleitorais. Ali a currupção eleitoral era simplesmente real. Os esquemas políticos é que escolhiam os excrutinadores, e lá se elegiam os candidatos mapeados. Agora, ser contra a urna eletrônica, isto é balela. Quem está chorando, são aqueles candidatos que tiveram uma votação apertada ou foram perdedor. Votos em branco eram preenchidos pelos excrutinadores,
    alteração de números, tudo isso era corriqueiro.
    Urna eletrônica, SIM.
    ABAIXO OS CHORÕES!

  33. Regis disse:

    Só quem não entende patavinas de computação acha a urna-e 100% segura. Nem o Paraguai as usa mais…
    http://www.votoseguro.org

  34. Regis disse:

    Só quem não entende patavinas de computação acha a urna-e 100% segura. Nem o Paraguai as usa mais…
    http://www.votoseguro.org

  35. Ricardo disse:

    Acompanho a votação eletrônica desde sua primeira edição em 1996, e desde então tenho a mesma opinião. Sistemas caixa-preta podem esconder qualquer coisa. Também não estou querendo com essa opinião dizer que o sistema tem furos, somente que se é fechado não podemos garantir nada. Pode ser que seja perfeito ou não… Talvez um dia possamos saber…

  36. Ricardo disse:

    Acompanho a votação eletrônica desde sua primeira edição em 1996, e desde então tenho a mesma opinião. Sistemas caixa-preta podem esconder qualquer coisa. Também não estou querendo com essa opinião dizer que o sistema tem furos, somente que se é fechado não podemos garantir nada. Pode ser que seja perfeito ou não… Talvez um dia possamos saber…

  37. Sérgio,
    Há mais de 3000 anos passados, os gregos começaram a ordenar os argumentos logicamente válidos: eram os silogismos.
    Aperfeiçoaram para uma forma de debate entre duas posições para se chegar a um consenso: era a dialética.
    Mas logo descobriram que também existiam os argumentos errados: eram os sofismas e as falácias.
    Por fim perceberam que o debate podia ser sabotado por argumentos maliciosos: era a erística.
    Umas das técnicas erísticas é desviar o assunto daquilo que não se ver questionado. É brecar o debate.
    O que aqui está sendo questionando é a confiabilidade de nossas urnas-e, que não fornecessem uma forma de se conferir o resultado.
    Compará-las com sistemas melhores (máquinas de votar com o voto materializado para auditoria do resultado) é uma dialética construtiva para aperfeiçoar nossas urnas-e.
    Compará-las com o sistemas piores (voto puramente manual) é uma erística besta que só serve para desviar o foco do problema.
    Que adianta, neste debate, dizer que o voto manual era fraudável se, apesar disso, nossas urnas-e continuam não podendo ter seus resultados conferidos?
    Porque você não aceita que um sistema eleitoral tenha que ter uma forma de auditoria automática independente do seu operador?

  38. Sérgio,
    Há mais de 3000 anos passados, os gregos começaram a ordenar os argumentos logicamente válidos: eram os silogismos.
    Aperfeiçoaram para uma forma de debate entre duas posições para se chegar a um consenso: era a dialética.
    Mas logo descobriram que também existiam os argumentos errados: eram os sofismas e as falácias.
    Por fim perceberam que o debate podia ser sabotado por argumentos maliciosos: era a erística.
    Umas das técnicas erísticas é desviar o assunto daquilo que não se ver questionado. É brecar o debate.
    O que aqui está sendo questionando é a confiabilidade de nossas urnas-e, que não fornecessem uma forma de se conferir o resultado.
    Compará-las com sistemas melhores (máquinas de votar com o voto materializado para auditoria do resultado) é uma dialética construtiva para aperfeiçoar nossas urnas-e.
    Compará-las com o sistemas piores (voto puramente manual) é uma erística besta que só serve para desviar o foco do problema.
    Que adianta, neste debate, dizer que o voto manual era fraudável se, apesar disso, nossas urnas-e continuam não podendo ter seus resultados conferidos?
    Porque você não aceita que um sistema eleitoral tenha que ter uma forma de auditoria automática independente do seu operador?

  39. Renato Pedroso de Castro disse:

    Trabalho na area de informática desde 1980 e quando as urnas começaram a ser usadas ja apontavamos falhas óbvias para quem trabalha na area . Por exemplo , embora a urna seja blindada(?) com um imã potente e de pequeno tamanho , de facil aquisição para quem se propor , é possivel apagar todo conteudo do HD da maquina .

  40. Renato Pedroso de Castro disse:

    Trabalho na area de informática desde 1980 e quando as urnas começaram a ser usadas ja apontavamos falhas óbvias para quem trabalha na area . Por exemplo , embora a urna seja blindada(?) com um imã potente e de pequeno tamanho , de facil aquisição para quem se propor , é possivel apagar todo conteudo do HD da maquina .

  41. Marlos Sedrez disse:

    vc’s nao sabem o que esta falando .. confiam msm?? .. querem casos reais?? .. leiam aqui entao !!! ou procurem por alagoas urna eletronica e veja.

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=alagoas_-_suspeita_de_fraude_na_urna_eletronica&cod_Post=46418&a=111

  42. Marlos Sedrez disse:

    vc’s nao sabem o que esta falando .. confiam msm?? .. querem casos reais?? .. leiam aqui entao !!! ou procurem por alagoas urna eletronica e veja.

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=alagoas_-_suspeita_de_fraude_na_urna_eletronica&cod_Post=46418&a=111

  43. carlos nabuco barcellos disse:

    O sistema anterior do voto com cédulas tinha inúmeras imperfeições e possibilidades de fraude, entretanto, enseja a verificação dos votos apurados e a eventual recontagem. Com o advento do voto eletrônico esta possibilidade foi afastada.
    Entendo que para remover qualquer dúvida sobre o resultado das urnas eletrônicas, bastaria imprimir o resultado de cada urna após a votação. Certamente isto vai onerar o processo, mas dará total transparência ao processo. Caso contrário permaneceremos diante de um caixa-preta!

  44. carlos nabuco barcellos disse:

    O sistema anterior do voto com cédulas tinha inúmeras imperfeições e possibilidades de fraude, entretanto, enseja a verificação dos votos apurados e a eventual recontagem. Com o advento do voto eletrônico esta possibilidade foi afastada.
    Entendo que para remover qualquer dúvida sobre o resultado das urnas eletrônicas, bastaria imprimir o resultado de cada urna após a votação. Certamente isto vai onerar o processo, mas dará total transparência ao processo. Caso contrário permaneceremos diante de um caixa-preta!

  45. Mauricio disse:

    Não existe sistema 100% seguro, todos sabem disso. Parece que só o TSE é que finge não saber.
    Agora se os possíveis candidatos têm gente capacitada para burlar essas urnas eletrônicas, sem sair por aí se “gabando” do que fez é outra história…
    Como um colega acima lembrou, basta um boot externo e pronto, o estrago está feito. Quem entende ao menos um pouco do assunto sabe que qualquer que seja o sistema operacional utilizado, qualquer software, sempre existirá um meio de burlar o processo. Você pode criar sistemas que mostram uma coisa e na verdade gravam outra, pode ainda criar um tipo de “cavalo de tróia” que altera os dados no momento de desligar a máquina, ou quando se aperta tal tecla, etc… são inúmeros os meios de burlar sistemas eletrônicos. Só que precisamos lembrar também que para tal sistema funcionar seria necessário um número razoável de urnas adulteradas, e cidades com população muito pequena que um número diminuto de votos pode levar à vitória com certeza o “custo-benefício” não teria lá suas vantagens…
    De qualquer forma acredito que o processo deveria ser mais aberto, mas no entanto não pode-se criar uma teoria da conspiração para isso.

  46. Mauricio disse:

    Não existe sistema 100% seguro, todos sabem disso. Parece que só o TSE é que finge não saber.
    Agora se os possíveis candidatos têm gente capacitada para burlar essas urnas eletrônicas, sem sair por aí se “gabando” do que fez é outra história…
    Como um colega acima lembrou, basta um boot externo e pronto, o estrago está feito. Quem entende ao menos um pouco do assunto sabe que qualquer que seja o sistema operacional utilizado, qualquer software, sempre existirá um meio de burlar o processo. Você pode criar sistemas que mostram uma coisa e na verdade gravam outra, pode ainda criar um tipo de “cavalo de tróia” que altera os dados no momento de desligar a máquina, ou quando se aperta tal tecla, etc… são inúmeros os meios de burlar sistemas eletrônicos. Só que precisamos lembrar também que para tal sistema funcionar seria necessário um número razoável de urnas adulteradas, e cidades com população muito pequena que um número diminuto de votos pode levar à vitória com certeza o “custo-benefício” não teria lá suas vantagens…
    De qualquer forma acredito que o processo deveria ser mais aberto, mas no entanto não pode-se criar uma teoria da conspiração para isso.

  47. CARLOS disse:

    VAMOS DEIXAR DE BOBAGEM GENTE. COM A PRESSÃO E O INTERESSE TANTO DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL QUANTO DOS SETORES PRODUTIVOS NACIONAIS,QUE SÃO MONSTRUOSOS, EU EM HIPÓTESE ALGUMA ACREDITÁRIA QUE O LULA,UM OPERÁRIO, TERIA SE ELEGIDO PRESIDENTE DA REPUBLICA CASO ” FORÇAS SUPERIORES” TIVESSEM COMO USAR DE INFLUÊNCIA E BURLAR O SISTEMA ELEITORAL.VAMOS CAIR NA REAL E DEIXAR DE LADO A TAL TEORIA DA CONSPIRAÇÃO. AFINA, O QUE É MAIS CORRETO; O FUNCIONAMENTO DA URNA ELETRÔNICA BRASILEIRA OU O SISTEMA ELEITORAL NORTE AMERICANO?PENSEM NISSO!

  48. Danilo disse:

    Tem um monte de amebas por aqui acreditando cegamente nas urnas eletrônicas. Será que estas amebas também acreditam nos programas de firewall e de antivirus como garantia total de segurança para seus micros? Se não, deveriam também desconfiar das urnas eletrônicas. Agora, tem uma ameba que disse que as pessoas deveriam apontar um defeito nas urnas antes de criticá-las, mas será que idiota não vê que o TSE esconde o sistema justamente para impedir isto.

  49. Danilo disse:

    Tem um monte de amebas por aqui acreditando cegamente nas urnas eletrônicas. Será que estas amebas também acreditam nos programas de firewall e de antivirus como garantia total de segurança para seus micros? Se não, deveriam também desconfiar das urnas eletrônicas. Agora, tem uma ameba que disse que as pessoas deveriam apontar um defeito nas urnas antes de criticá-las, mas será que idiota não vê que o TSE esconde o sistema justamente para impedir isto.

  50. nejao666 disse:

    eu tb não acredito em urna infálivel,pois HACKER podem ionvadir e alteras vótos,é possivel,ppis o mundo virtual permiote isso.

  51. nejao666 disse:

    eu tb não acredito em urna infálivel,pois HACKER podem ionvadir e alteras vótos,é possivel,ppis o mundo virtual permiote isso.

  52. Marcio disse:

    A liberação eletrônica da urna pelos mesários, a partir da entrada dos dados do votante, é extremamente preocupante. Há, em tese, a possibilidade de associar o voto ao votante.

  53. Marcio disse:

    A liberação eletrônica da urna pelos mesários, a partir da entrada dos dados do votante, é extremamente preocupante. Há, em tese, a possibilidade de associar o voto ao votante.

  54. NILTON CRAVEIRO disse:

    Quem entende de programação sabe que pode não ser 100% segura.
    Todo sistema é manipulável. Pode-se fazer, em programação, dois mais dois igual a cinco.
    Alguns países do primeiro mundo não adotam a urna eletronica – por que?
    O velho, falecido e experiente Brizola já questionava a segurança da urna eletrônica.

  55. Danilo disse:

    E tem mais, se existem falhas, quem me garante que já não tem gente dentro do TSE se beneficiando destas falhas para vender votos? Talvez este seja um bom motivo para impedirem uma auditoria.

  56. Danilo disse:

    E tem mais, se existem falhas, quem me garante que já não tem gente dentro do TSE se beneficiando destas falhas para vender votos? Talvez este seja um bom motivo para impedirem uma auditoria.

  57. Chrsitiano Ribeiro disse:

    A urna eletrônica é contestada nos EUA (ver http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2004/10/041012_floridaproblemasrg.shtml) e em outros lugares. No caso das nossas eleições, há uma deficiência estrutural muito grave: votos com os dois primeiros dígitos são computados para a legenda, sem identificação do restante dos dígitos. Isso, numa eleição para o legislativo, é fatal, pois não permite buscar a real intenção de voto: por exemplo, quando se troca a ordem dos últimos números e a seqüência não se relaciona com nenhum outro candidato, senão aquele, e o voto cai para o partido, ao invés de lhe ser computado. Afora questões envolvendo fraude eletrônica, que são inteiramente factível! Com o devido respeito, erra muito quem pretende transformar a urna eletrônica num dogma de infalibilidade.

  58. Chrsitiano Ribeiro disse:

    A urna eletrônica é contestada nos EUA (ver http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2004/10/041012_floridaproblemasrg.shtml) e em outros lugares. No caso das nossas eleições, há uma deficiência estrutural muito grave: votos com os dois primeiros dígitos são computados para a legenda, sem identificação do restante dos dígitos. Isso, numa eleição para o legislativo, é fatal, pois não permite buscar a real intenção de voto: por exemplo, quando se troca a ordem dos últimos números e a seqüência não se relaciona com nenhum outro candidato, senão aquele, e o voto cai para o partido, ao invés de lhe ser computado. Afora questões envolvendo fraude eletrônica, que são inteiramente factível! Com o devido respeito, erra muito quem pretende transformar a urna eletrônica num dogma de infalibilidade.

  59. Chrsitiano Ribeiro disse:

    A urna eletrônica é contestada nos EUA (ver http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2004/10/041012_floridaproblemasrg.shtml) e em outros lugares. No caso das nossas eleições, há uma deficiência estrutural muito grave: votos com os dois primeiros dígitos são computados para a legenda, sem identificação do restante dos dígitos. Isso, numa eleição para o legislativo, é fatal, pois não permite buscar a real intenção de voto: por exemplo, quando se troca a ordem dos últimos números e a seqüência não se relaciona com nenhum outro candidato, senão aquele, e o voto cai para o partido, ao invés de lhe ser computado. Afora questões envolvendo fraude eletrônica, que são inteiramente factíveis! Com o devido respeito, erra muito quem pretende transformar a urna eletrônica num dogma de infalibilidade.

  60. Chrsitiano Ribeiro disse:

    A urna eletrônica é contestada nos EUA (ver http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2004/10/041012_floridaproblemasrg.shtml) e em outros lugares. No caso das nossas eleições, há uma deficiência estrutural muito grave: votos com os dois primeiros dígitos são computados para a legenda, sem identificação do restante dos dígitos. Isso, numa eleição para o legislativo, é fatal, pois não permite buscar a real intenção de voto: por exemplo, quando se troca a ordem dos últimos números e a seqüência não se relaciona com nenhum outro candidato, senão aquele, e o voto cai para o partido, ao invés de lhe ser computado. Afora questões envolvendo fraude eletrônica, que são inteiramente factíveis! Com o devido respeito, erra muito quem pretende transformar a urna eletrônica num dogma de infalibilidade.

  61. Raphael disse:

    Eu ficaria mais tranqüilo se: a identificação do eleitor não ficasse armazenada no mesmo equipamento em que fica armazenado o seu voto, e ao votar deveríamos ter o voto impresso, sem identificação, como nas cédulas antigas, para a conferência do eleitor e para posterior recontagem de votos, em caso de suspeita de fraude. Obviamente o eleitor não poderia manusear a cédula após impressa. Deixo uma dúvida no ar: Porque paises tecnologicamente mais avançados não usam urna eletrônica?? Sabemos de ataques de hackers em computadores super protegidos, porque o TSE tem tanta certeza que a urna não pode ser violada??? – O debate é importante, não devemos jamais deixar de debater assuntos importantes.

  62. Raphael disse:

    Eu ficaria mais tranqüilo se: a identificação do eleitor não ficasse armazenada no mesmo equipamento em que fica armazenado o seu voto, e ao votar deveríamos ter o voto impresso, sem identificação, como nas cédulas antigas, para a conferência do eleitor e para posterior recontagem de votos, em caso de suspeita de fraude. Obviamente o eleitor não poderia manusear a cédula após impressa. Deixo uma dúvida no ar: Porque paises tecnologicamente mais avançados não usam urna eletrônica?? Sabemos de ataques de hackers em computadores super protegidos, porque o TSE tem tanta certeza que a urna não pode ser violada??? – O debate é importante, não devemos jamais deixar de debater assuntos importantes.

  63. Ricardo disse:

    Eu acredito na segurança na urna eletronica com a mesma intensidade que acredito no Papai Noel e no Coelho da Páscoa.

  64. Ricardo disse:

    Eu acredito na segurança na urna eletronica com a mesma intensidade que acredito no Papai Noel e no Coelho da Páscoa.

  65. Ricardo disse:

    TSE – Tribunal Superior Eleitoral ou TRIBUNAL DA SABOTAGEM ELEITORAL???

  66. Ricardo disse:

    TSE – Tribunal Superior Eleitoral ou TRIBUNAL DA SABOTAGEM ELEITORAL???

  67. Denis Belo disse:

    qualquer pessoa que conhece o minimo de computação sabe que nada relacionado a informatica é 100%. se os hackers conseguem burlar a ATIVAÇÃO DO WINDOWS, que é fabricado pela gigante dos softwares, que detem toda uma tecnologia de ponta, imagina o que nao fariam com o simples software da urna eletronica?
    como o amigo postou aqui, em programação é possivel fazer 2 +2 = 5 ou qualquer outro valor que o programador deseje.
    Acreditar em software 100% seguro é a mesma coisa que acreditar em papai noel ou coelhinho da pascoa, hoje em dia nem criança acredita mais…

  68. Denis Belo disse:

    qualquer pessoa que conhece o minimo de computação sabe que nada relacionado a informatica é 100%. se os hackers conseguem burlar a ATIVAÇÃO DO WINDOWS, que é fabricado pela gigante dos softwares, que detem toda uma tecnologia de ponta, imagina o que nao fariam com o simples software da urna eletronica?
    como o amigo postou aqui, em programação é possivel fazer 2 +2 = 5 ou qualquer outro valor que o programador deseje.
    Acreditar em software 100% seguro é a mesma coisa que acreditar em papai noel ou coelhinho da pascoa, hoje em dia nem criança acredita mais…

  69. Caros leitores e Silvio Meira,
    Concordo com todos aqueles que externaram suas desconfianças quanto a segurança da urna eletrônica “brasileira”.
    O acréscimo que faço, no que já foi colocado, é que sendo a urna fraudável, o estrago que ela pode fazer é absurdamente superior ao processo antigo de “cédulas de papel e urnas de lona”. No caso eletrônico, para uma fraude de alcance nacional, em qualquer tipo de eleição, municipal ou não, é requerido um número muito pequeno de agentes humanos, entre políticos e técnicos sem escrúpuilos. Mais grave. Para garantir sigilo máximo, pode-se adotar a coação ou a pura eliminação de agentes “que sabem demais”. Com um sistema tão fechado no circuito intestino TSE/TRE’s, a fraude tem campo fértil. O nosso sistema, ufanistamente brasileiro, eletrônico é tão ou mais vulnerável que as máquinas do video póquer. Estas últimas podem ser “ajustadas” para adequar a “sorte” dos incautos, melhorando ou piorando o percentual de ganhos/perdas. Na urna, programas infiltrados podem manipular os votos, “gerando” resultados “esperados” (pesquisas de opinião cantam os resultados antes). que serão experssos nos BU’s. Perdedor de eleição, mesmo por um único voto, não tem direito a recontagem e sua reclamação será “choro de perdedor”. No caso “cédulas de papel e urnas de lona” a fraude requer, pelo menos, dois agentes humanos em cada seção e muitos outros no controle geral, assim, mais sujeito a denunciantes qualificados. Outrossim, é naturalmente viável a fiscalização e a recontágem por humanos. Claro que aceito e quero uma urna higttech, contudo, que mereça a nossa máxima confiança. A nossa urna pode superar muitas deficiências em confiabilidade e segurança bastando introduzir o voto impresso, conferível e validado pelo eleitor, mantido em runa especial para validação aleatória de BU’s, contudo sem que o eleitor possa ficar com qualquer cópia de sua cédula de votação (garantir sigilo e impedir “venda do voto”). Armazenado o voto impresso, ficará viabilizada a recontagem, direito legal e sagrado dos perdedores por curta margem.
    Saudações democráticas.

  70. Caros leitores e Silvio Meira,
    Concordo com todos aqueles que externaram suas desconfianças quanto a segurança da urna eletrônica “brasileira”.
    O acréscimo que faço, no que já foi colocado, é que sendo a urna fraudável, o estrago que ela pode fazer é absurdamente superior ao processo antigo de “cédulas de papel e urnas de lona”. No caso eletrônico, para uma fraude de alcance nacional, em qualquer tipo de eleição, municipal ou não, é requerido um número muito pequeno de agentes humanos, entre políticos e técnicos sem escrúpuilos. Mais grave. Para garantir sigilo máximo, pode-se adotar a coação ou a pura eliminação de agentes “que sabem demais”. Com um sistema tão fechado no circuito intestino TSE/TRE’s, a fraude tem campo fértil. O nosso sistema, ufanistamente brasileiro, eletrônico é tão ou mais vulnerável que as máquinas do video póquer. Estas últimas podem ser “ajustadas” para adequar a “sorte” dos incautos, melhorando ou piorando o percentual de ganhos/perdas. Na urna, programas infiltrados podem manipular os votos, “gerando” resultados “esperados” (pesquisas de opinião cantam os resultados antes). que serão experssos nos BU’s. Perdedor de eleição, mesmo por um único voto, não tem direito a recontagem e sua reclamação será “choro de perdedor”. No caso “cédulas de papel e urnas de lona” a fraude requer, pelo menos, dois agentes humanos em cada seção e muitos outros no controle geral, assim, mais sujeito a denunciantes qualificados. Outrossim, é naturalmente viável a fiscalização e a recontágem por humanos. Claro que aceito e quero uma urna higttech, contudo, que mereça a nossa máxima confiança. A nossa urna pode superar muitas deficiências em confiabilidade e segurança bastando introduzir o voto impresso, conferível e validado pelo eleitor, mantido em runa especial para validação aleatória de BU’s, contudo sem que o eleitor possa ficar com qualquer cópia de sua cédula de votação (garantir sigilo e impedir “venda do voto”). Armazenado o voto impresso, ficará viabilizada a recontagem, direito legal e sagrado dos perdedores por curta margem.
    Saudações democráticas.