MENU

Escrito por • 29/04/2011

celulares: seu cérebro e…

…a densidade de fótons por comprimento de onda ao cubo na radiação dos celulares e suas torres.

uma década de estudos sobre os efeitos dos celulares no corpo humano, mais especialmente sobre o cérebro humano, marcada a partir de um texto de robert park no JNCI em fevereiro de 2001 [Cellular Telephones and Cancer: How Should Science Respond?] acaba de ser posta em dúvida por william bruno, do los alamos national laboratory americano.

uma das teses que leva pelo menos parte da comunidade científica a assumir que celulares são seguros, citada logo no resumo do artigo de bruno, diz que…

…cellphones are safe because a single microwave photon does not have enough energy to break a chemical bond…

…os aparelhos não oferecem risco à saúde porque um simples fóton [na frequência] de microondas [a dos celulares] não tem energia suficiente para quebrar ligações químicas como as existentes no nosso corpo e, então… não há porque se preocupar.

mas olha só a segunda frase do resumo…

We show that cellphone technology operates in the classical wave limit, not the single photon limit.

…nós mostramos [lá no artigo de bruno] que a tecnologia celular funciona dentro do limite clássico de ondas e não do limite de fótons únicos. bem, você e eu diríamos… e daí?

image

o que é um fóton? é uma partícula elementar, a forma básica de radiação eletromagnética. os fótons não tem carga elétrica ou massa e não decaem espontaneamente no vácuo, onde se movem à velocidade da luz. isso é só pra dizer que… onde tem radiação [veja diagrama acima] tem fótons.

agora que a gente já sabe disso, o primeiro ponto de vista lá em cima diz que estaríamos seguros porque os fótons –considerados um a um- não nos afetam, porque não têm energia para tal. já o segundo diz que o problema não são os fótons, são os feixes deles…e a radiação celular é de feixes de fótons, e não de fótons isolados.

para estarem “isolados” e não terem a possibilidade de criar interações entre eles, possivelmente combinando suas energias, deveria haver no máximo um fóton por comprimento de sua radiação ao cubo… ou seja, bruno diz que as coisas não nos afetariam se estivessem suficientemente longe umas das outras pra evitar combinações que causassem efeitos potencialmente perigosos a coisas vivas como nós.

e quantos fótons deveria haver no espaço ao nosso redor para não haver nenhuma preocupação sobre efeitos à saúde? bem, o comprimento de onda da frequência usada pelos celulares é perto de 30cm [atenção, o valor não é exato; é usado aqui para comparação pois é “uma régua” padrão de escola e perto do real] e isso ao cubo, um cubo cujas arestas são réguas escolares, de 27.000cm^3. mas imagine um cubo “de réguas”, algo mais próximo da capacidade de visualização de qualquer um. note que um cubo de réguas é umas 37 vezes menor que um “cubo de metros”, o cubo de arestas de um metro cada, que tem 1.000.000cm^3.

num destes cubo de “metros”, aqui na terra, há quantos fótons de energia oriunda do sol? uns 20 trilhões. no cubo de réguas? cerca de 540 bilhões, quase tudo energia “boa”. no artigo, bruno diz que densidade de fótons no ultravioleta [lembre câncer de pele e outras coisas desagradáveis…], parte da energia que o sol nos envia, é várias ordens de magnitude abaixo de limite para interação.

acontece que, a dez metros de distância de uma torre de celular, são alguns milhões de fótons por “cubo de réguas” a mais do que deveriam estar lá para garantir que não haveria nenhuma interação ou combinação entre eles. por acaso você tem uma antena de celular na cobertura de seu prédio para ajudar a pagar o condomínio?

no caso dos aparelhos celulares, fica ainda mais complicado: estamos falando de centenas de milhões de vezes acima do limite de um fóton por comprimento de onda cúbico, nosso “cubo de réguas”. pense… onde deveria haver um fontonzinho de nada… há centenas de milhões. e se estes caras estiverem interagindo e se combinando de forma bem mais potente do que um simples fóton?

veja possíveis implicações deste cenário neste texto, que saiu faz pouco tempo aqui no blog, varrendo um número de pesquisas dos últimos muitos anos.

image

pelo sim, pelo não e como a intensidade do sinal e a densidade de fótons cai com a distância, qual é a distância segura? de acordo com bruno, para estar sujeito aos mesmos níveis de radiação ambiental [que existe ao nosso redor na ausência de efeitos criados pelo homem] em relação a uma torre de celular, a distância segura é alguns quilômetros. longe mesmo.

e a distância segura entre o cérebro e um celular é… metros. e não centímetros e muito menos colado no seu e no meu crânio. metros.

e quais são as consequências de usar celulares mais perto do que metros e de ficar mais perto de torres do que a quilômetros de distância? em detalhe, como já dissemos neste texto, não dá para garantir que há este ou aquele efeito em todos os casos. mas é quase garantido que há efeitos, e que os efeitos podem ser de longo ou muito longo prazo. teremos que esperar para ver.

imagee aí? com perto de 80% da população do planeta usando e dependendo cada vez mais de conectividade digital e pessoal, fazer o que?… fazer o que a ciência e tecnologia já fizeram incontáveis vezes na história da humanidade. neste caso, significa descobrir novas formas de fazer com que os celulares se comuniquem entre eles e via torres, de preferência usando frequências que não nos façam correr riscos indesejados, como talvez estejamos correndo agora. ninguém sabe ao certo que riscos, nem em quanto tempo ou como. pode até ser para melhor, como no caso de ratos que têm alzheimer revertido com radiação celular… mas ninguém sabe.

pelo sim, pelo não, e até a gente saber bem mais sobre o assunto, cuidado com aquela torre celular perto da sua cabeça e não faça muita questão de aproveitar todos aqueles milhares de minutos que sua operadora está lhe oferecendo para falar com o mundo inteiro… mande mais SMS, seja mais digital… mesmo, deixando o celular cada vez mais distante de sua cabeça e usando cada vez mais os dedos para lidar com ele. nem que seja só pelo sim ou pelo não, pelo menos por enquanto.

image

Artigos relacionados

0 Responses to celulares: seu cérebro e…

  1. Marcelo disse:

    cara… tu viajou feio… falta muito embasamento cienctífico, tu generalisou muita coisa.

    e outra: esse artigo tem procedência? ou achou no wikipedia?!!!

  2. Marcelo disse:

    cara… tu viajou feio… falta muito embasamento cienctífico, tu generalisou muita coisa.

    e outra: esse artigo tem procedência? ou achou no wikipedia?!!!

  3. niilista disse:

    vai ser legal ver o pessoal desfilando com altos tumores na cara por aí….

  4. niilista disse:

    vai ser legal ver o pessoal desfilando com altos tumores na cara por aí….

  5. William disse:

    Acho que ele não tem grana pra comprar um celular.

  6. William disse:

    Acho que ele não tem grana pra comprar um celular.

  7. vinicius disse:

    que materia mais mal feita, sem fundamentos. pensa antes de publicar…

  8. vinicius disse:

    que materia mais mal feita, sem fundamentos. pensa antes de publicar…

  9. Fernando disse:

    Desculpem me vcs, mas o marcelo não sabe nem escrever, que dira criticar um artigo destes. (generalisou) alisou o que Mané?
    TEm microondas sim, e faz mau sim.

  10. Fernando disse:

    Desculpem me vcs, mas o marcelo não sabe nem escrever, que dira criticar um artigo destes. (generalisou) alisou o que Mané?
    TEm microondas sim, e faz mau sim.

  11. JR disse:

    É inacreditável a quantidade de bobagem que se posta na internet. Como é possível um portal como o Terra dar acesso para uma idiotice como estaa matéria?!!

  12. JR disse:

    É inacreditável a quantidade de bobagem que se posta na internet. Como é possível um portal como o Terra dar acesso para uma idiotice como estaa matéria?!!

  13. raimundo pellizzon disse:

    É só mais uma materia que explica, cientificamente, o que ocorre com as tais ondas magneticas dos celulares. Afetam, sim, as celulas. Estudos com fotos tiradas com maquinas termografia comprovam que usando celulares próximos do ouvido, existe um aumento de temperatura na região que vai até 46 graus. Sabe-se que as celulas suportam até, no máximo, 42 graus. Após isso, sofrem demais. Dai …
    Entrem no site “BIOINITIATIVE.ORG” e vejam estudos e mais relatos sobre o tema. E mantenham o uso dos celulares MUITO longe do ouvido. Usem fone de ouvido. Já ajuda muito.

  14. raimundo pellizzon disse:

    É só mais uma materia que explica, cientificamente, o que ocorre com as tais ondas magneticas dos celulares. Afetam, sim, as celulas. Estudos com fotos tiradas com maquinas termografia comprovam que usando celulares próximos do ouvido, existe um aumento de temperatura na região que vai até 46 graus. Sabe-se que as celulas suportam até, no máximo, 42 graus. Após isso, sofrem demais. Dai …
    Entrem no site “BIOINITIATIVE.ORG” e vejam estudos e mais relatos sobre o tema. E mantenham o uso dos celulares MUITO longe do ouvido. Usem fone de ouvido. Já ajuda muito.

  15. Fernando disse:

    Ele faz as referências, é só clicar nos links. Tem umas palavras que estão em laranja, e essas, são clicáveis. Não só isso, contêm os links para os próprios artigos que o Meira citou.

    Agora pros proto-cientistóides tem que explicar o que é um link e o que o mesmo pode fazer. Seria isso um novo tipo de analfabetismo funcional: a inaptidão em lidar com hiper-texto?

  16. Fernando disse:

    Ele faz as referências, é só clicar nos links. Tem umas palavras que estão em laranja, e essas, são clicáveis. Não só isso, contêm os links para os próprios artigos que o Meira citou.

    Agora pros proto-cientistóides tem que explicar o que é um link e o que o mesmo pode fazer. Seria isso um novo tipo de analfabetismo funcional: a inaptidão em lidar com hiper-texto?

  17. Glênon Dutra disse:

    Senhor Silvio,

    Antes de postar um assunto desses e fazer alarde para a população, estude um pouco do assunto por favor. Mais especificamente o efeito fotoelétrico (varias apostilas de cursinho pré vestibular falam sobre isso). Não é o número de fótons que interfere na interação luz-matéria e sim, a energia de cada um. Portanto, se os fótons de microondas utilizados no celular não têm energia para causar danos, não importa se são um ou mil, eles não causarão danos (pelo menos o câncer não). Como e que você consegue espaço para publicar isso? A Terra tem hora que decepciona…

  18. Glênon Dutra disse:

    Senhor Silvio,

    Antes de postar um assunto desses e fazer alarde para a população, estude um pouco do assunto por favor. Mais especificamente o efeito fotoelétrico (varias apostilas de cursinho pré vestibular falam sobre isso). Não é o número de fótons que interfere na interação luz-matéria e sim, a energia de cada um. Portanto, se os fótons de microondas utilizados no celular não têm energia para causar danos, não importa se são um ou mil, eles não causarão danos (pelo menos o câncer não). Como e que você consegue espaço para publicar isso? A Terra tem hora que decepciona…

    • srlm disse:

      glênon… releia as apostilas de cursinho, depois leia o artigo que eu cito. o que ele diz -e eu digo- e que em certos casos, no contexto particular que estamos discutindo aqui, PARECE que as apostilas de cursinho estão erradas. isso acontece POR CAUSA da evolução do conhecimento. não é?…

  19. Alessandro disse:

    A matéria foi mal feita, sim…
    As pesquisas estão só no início, sim…
    Celular afeta, sim…de várias maneiras…
    Mas, eu ficaria sem ele?…NÃO…
    Conclusão: SEI LÁ…

  20. Alessandro disse:

    A matéria foi mal feita, sim…
    As pesquisas estão só no início, sim…
    Celular afeta, sim…de várias maneiras…
    Mas, eu ficaria sem ele?…NÃO…
    Conclusão: SEI LÁ…

  21. Allan disse:

    O texto pode ser coloquial, mas é embasado sim em dados científicos, e ninguém é obrigado a fazer de um texto coloquial uma tese com citações e etc.

    Quer ver estudos sérios comprovando o tema? acesse http://www.reflectex.com.br
    Além disso lá tem o posicionamento de todas as antenas de celualr no brasil, referenciadas no google earth, ou seja, vc pode saber se está perto de uma delas.
    E tem algumas soluções cientificamente comprovadas…

    Abraços e parabéns pela matéria!

  22. Allan disse:

    O texto pode ser coloquial, mas é embasado sim em dados científicos, e ninguém é obrigado a fazer de um texto coloquial uma tese com citações e etc.

    Quer ver estudos sérios comprovando o tema? acesse http://www.reflectex.com.br
    Além disso lá tem o posicionamento de todas as antenas de celualr no brasil, referenciadas no google earth, ou seja, vc pode saber se está perto de uma delas.
    E tem algumas soluções cientificamente comprovadas…

    Abraços e parabéns pela matéria!

  23. Oh Really? disse:

    Deixa de ser burro o seu Silvio. Você deve ser daqueles que vivem no meio do mato, tem aversão à tecnologia, não possui embasamento algum e por fim se rendeu à mesma pois achou um meio de subsistência através dela… Vai ser ingrato assim lá na CDC !!!

  24. Oh Really? disse:

    Deixa de ser burro o seu Silvio. Você deve ser daqueles que vivem no meio do mato, tem aversão à tecnologia, não possui embasamento algum e por fim se rendeu à mesma pois achou um meio de subsistência através dela… Vai ser ingrato assim lá na CDC !!!

  25. JCP disse:

    Não esqueçamos que, para produzir riqueza, o sistema capitalista vende até a mãe… Não confio nas informações de cientistas pagos para produzir conhecimento do tipo: “Álcool não faz mal à saúde…”, “microondas não fazem mal à saúde”. Suspeito sempre de tudo, se por trás existem interesses financeiros… O tempo dirá quem tem razão nesta polêmica.

  26. JCP disse:

    Não esqueçamos que, para produzir riqueza, o sistema capitalista vende até a mãe… Não confio nas informações de cientistas pagos para produzir conhecimento do tipo: “Álcool não faz mal à saúde…”, “microondas não fazem mal à saúde”. Suspeito sempre de tudo, se por trás existem interesses financeiros… O tempo dirá quem tem razão nesta polêmica.

  27. Marcelo disse:

    Mas que falta de bom senso e humildade de alguns dos nossos ilustres “cientistas” de araq. Jogar pedras é muito mais fácil que tirar um tempo para pensar criticamente no conteúdo publicado.

  28. Marcelo disse:

    Mas que falta de bom senso e humildade de alguns dos nossos ilustres “cientistas” de araq. Jogar pedras é muito mais fácil que tirar um tempo para pensar criticamente no conteúdo publicado.

  29. Marcelo disse:

    Complementando o meu post, antes de criticarem o artigo, os idiotas de plantão pelo menos procurem saber quem é Sílvio Meira e o que ele faz.

  30. Marcelo disse:

    Complementando o meu post, antes de criticarem o artigo, os idiotas de plantão pelo menos procurem saber quem é Sílvio Meira e o que ele faz.

  31. Tulia disse:

    Quem dúvida é ser muito tolo,mundo vive catatrofe direto,tudo avisado por cientistas que não se vendem a nada,então eu confio sempre pois conheci um amigo que sempre comentava referente celular,microondas entao como alguém comentou mesmo eles vendem suas prórpias maes para produto continuar vendavel,alertas de segurança nada,se um treco deste expçode em posto de combustivel porque não faz mal em nosso cerebro hen?tempo dirá tudo quando mas e mais problemas de cancer,aneorisma,aparecerem.

  32. Tulia disse:

    Quem dúvida é ser muito tolo,mundo vive catatrofe direto,tudo avisado por cientistas que não se vendem a nada,então eu confio sempre pois conheci um amigo que sempre comentava referente celular,microondas entao como alguém comentou mesmo eles vendem suas prórpias maes para produto continuar vendavel,alertas de segurança nada,se um treco deste expçode em posto de combustivel porque não faz mal em nosso cerebro hen?tempo dirá tudo quando mas e mais problemas de cancer,aneorisma,aparecerem.

  33. André disse:

    Não dá pra entender esse pessoal do comentário, primeiro dizem que a matéria não tem as devidas fontes divulgadas, caramba, o que mais chama a atenção são os links divulgando o conteúdo original ! Depois dizem que o blogueiro não entende nada do que escreveu, caramba, ele só está divulgando uma TESE de um cara dos E.U.A. Vão ler revista de fofoca!!!!

  34. André disse:

    Não dá pra entender esse pessoal do comentário, primeiro dizem que a matéria não tem as devidas fontes divulgadas, caramba, o que mais chama a atenção são os links divulgando o conteúdo original ! Depois dizem que o blogueiro não entende nada do que escreveu, caramba, ele só está divulgando uma TESE de um cara dos E.U.A. Vão ler revista de fofoca!!!!

  35. Carlinhos disse:

    he he he
    adorei!!!

  36. Carlinhos disse:

    he he he
    adorei!!!

  37. Edson disse:

    Matéria para Ingles ver, linguagem técnicamente inadequada para a grande massa que usa celular entender. Dá na mesma voce dizer um monte de coisas para dizer que Deus existe e também outras coisas.
    O que precisamos e objetividade e o retorno em serviço de nossos impostos.

  38. Edson disse:

    Matéria para Ingles ver, linguagem técnicamente inadequada para a grande massa que usa celular entender. Dá na mesma voce dizer um monte de coisas para dizer que Deus existe e também outras coisas.
    O que precisamos e objetividade e o retorno em serviço de nossos impostos.

  39. carlos disse:

    mesmo que se prove que celulares fazem aml, nada mudará, pois alguem lucra com isso. igual as drogas, pq nao existe um cambate maciço? pois poderosos ganham com isto!

  40. carlos disse:

    mesmo que se prove que celulares fazem aml, nada mudará, pois alguem lucra com isso. igual as drogas, pq nao existe um cambate maciço? pois poderosos ganham com isto!

  41. André disse:

    Décadas atrás o cigarro era considerado inofensivo à saúde…

  42. André disse:

    Décadas atrás o cigarro era considerado inofensivo à saúde…

  43. André Carraro disse:

    Boa tese. Porém, no meu ponto de vista, nada muda. Celulares estão nos matando aos pouco, e aí? Todo mundo de agora em diante deixa-os desligados em casa! Claro que não. Nossas necessidades e costumes de vida não permitem isso. O mesmo serve para qualquer outra tecnologia. Somos irreversivelmente dependentes. Bolar algo que funcione de forma diferente e que não nos ataque sim, mas deixar o que já temos de lado, no sentido tecnologico é claro, “apenas” para nossa saúde, isso não!!!

  44. André Carraro disse:

    Boa tese. Porém, no meu ponto de vista, nada muda. Celulares estão nos matando aos pouco, e aí? Todo mundo de agora em diante deixa-os desligados em casa! Claro que não. Nossas necessidades e costumes de vida não permitem isso. O mesmo serve para qualquer outra tecnologia. Somos irreversivelmente dependentes. Bolar algo que funcione de forma diferente e que não nos ataque sim, mas deixar o que já temos de lado, no sentido tecnologico é claro, “apenas” para nossa saúde, isso não!!!

  45. Andre disse:

    Alguém já acendeu um fósforo com a luz do sol concentrada por uma lupa? A intensidade afeta a energia de ativação

  46. Marcelo2 disse:

    Dizer que a matéria é embasada cientificamente é uma bobagem… Não podemos confundir ciência com fé. O autor tem fé que faz mal, juntou algumas informações científicas fora de contexto, fez uns cálculos porcos e fez de conta ter embasado científicamente. Isso não é ciência!

    • srlm disse:

      vc leu o texto? leu os links?… leia de novo. capaz de você, quem sabe, entender…

  47. José disse:

    Preocupado com o nível frequentemente baixo de certos comentários, e com a única intenção de ajudar a esclarecer quem é o autor, compartilho estas informações, sem mais comentários. Saudações a todos, em especial aos que não têm medo de defender um posicionamento contrário aos interesses hegemônicos, com embasamento, sim senhor.

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    Silvio Meira é formado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (1977); especializou-se em Ciência da Computação, cursando o mestrado em informática pela Universidade Federal de Pernambuco (1981) e o doutorado em computação pela University of Kent at Canterbury (Inglaterra) (1985). Autor de cerca de uma centena de artigos científicos e tecnológicos publicados em congressos e revistas acadêmicas e de mais de duas centenas de textos sobre Tecnologia da Informação e seu impacto na sociedade, publicados na imprensa leiga e do setor de tecnologias da informação, supervisionou (desde 1985) mais de quarenta teses e dissertações de doutorado e mestrado em computação.

  48. Marcelo disse:

    @André, bem colocado. E o laser? Nada mais é que um feixe concentrado de fótons… As pessoas sabem que é proibido construir moradias próximo a linhas de transmissão? Sabem que alguns estudos mostraram que crianças que moram próximas a estas linhas podem ter leucemia? Se o nosso crânio fosse de metal, ele blindava o cérebro das radiações, mas não é…

  49. GERALDO SERPA disse:

    tche pelo amor de vcs tem na ciencia , na disseminação do conhecimento para melhor a qualidade de vida para melhor esse mundo veio que ja tem problemas demais com ou sem cel nao pode oferecer um site tipo o terra paara que qualquer bobo q so pode sr bobo e nao ter o q fazer baseado em outros bbos sem respaldo da ciencia promovam o medo , o a ignorancia , Quem sabe ele pensa no potencial malefico do sol e os milhoes de pessoas que estao morrendo diariamente por estar vivos na terra pois no espectro eletro magnetico o sol e muito seria mais prejudicial q o microndas e so ver meu galo vai estudar mais vai te informar ou vai fazer outra coisa
    acho que eres ate mal intencionado e gente desta estirpe nao se faz necessario o que faz mal a saude e ver que tem gente como tu promotores da insegurança, do terror deves ter um grande satisfação e necessidade de reconhecimento quem sabe uma psicanalise resolva teu caso . Terra nao coloquem nada que nao estja com comprovação cientifica e ruim tirar a igonorancia de pois e vcs sabem disso

  50. Alessandro disse:

    Concordo com alguns comentários, a matéria está um pouco confusa, mas não podemos perder o foco da discussão. Essa tecnologia foi liberada para uso comercial globalmente, sem conhecermos completamente as conseqüências de seu uso no corpo humano. Talvez seja mais fácil pensar nela como um novo remédio que não foi adequadamente testado e que no futuro pode ser proibido por que descobriram tardiamente, que remédio traz mais mal do que cura. O mínimo que podemos fazer é ficar atentos ao assunto e buscar mais informações.

  51. fernando disse:

    todo mundo é cientista aqui,mas não parecem muito espertos, acho melhor eu não comentar

  52. everton disse:

    Lendo alguns comentarios, me certifico de como existe gente Burra e idiota neste mundo! não sabem ler um artigo cientifico com a devida criticidade. Como diz um amigo, se enlatarem merda, podes ter certeza que estes irão comprar!!!!!

  53. jorge disse:

    E o Edson que tem vários celulares?

  54. jorge disse:

    Everton, o problema é que os otimistas estão dizendo que nós vamos comer merda no futuro. Já os pessimistas dizem que vai faltar

  55. Pedro disse:

    Do que adianta se preocupar com a saúde do cérebro se mal usamos ele? A cada dia que passa a sociedade se mostra incapaz de se questionar, compreender e priorizar o que realmente é importante para a nossa evolução como humanos.

    Preocupados com os efeitos ao falar no telefone celular próximo ao ouvido, use o fone de ouvido! Mas o que vai conectado ao telefone celular, pois até o sem fio é prejudicial.

  56. Alex disse:

    é logico que a materia procede. o problema é conhecido na comunidade internacional, tanto que existem soluções para o problema. Só é bastante boicotado pela industria e pela midia, por isso voces pensam que a materia é bobagem. Mas deveriamos ter realmente muito cuidado com essa tecnologia ainda. A solução é conhecida como WaveShield Cell Phone protection.

  57. Paulo disse:

    PESSOAL, CALMA.
    O GRANDE RISCO É ESTARMOS VIVOS!!!!!!!!!
    QUE COISA MAIS ENFADONHA ESSA CONVERSA DE QUE TUDO FAZ MAL, HAJA SACO!! VAMOS FAZER O QUÊ? Parar de usar essa ferramenta indispensável para nossa vida!? Vão se catar esses cientistas sabidos e os médicuzinhos idem… é câncer, é colesterol, é taxa disso, taxa daquilo….

  58. Rayssa disse:

    Ligeira impressão de que alguém pegou esse texto de algum lugar, e usou a tradução do google! Frases iniciando sem letras maiúsculas, falta de pontuação, trechos sem qualquer sentido… Simplesmente terrível.

  59. Francesc disse:

    Todo excesso faz mal, já diziam os mais vividos.

  60. Romano disse:

    Prezados Srs, quando fizerem uma graduação na área (eng.eletrônica, física,etc) talvez entendam o que o cientista está dizendo e respeitarem, ao menos com ética e educação, a posição dos colegas profissionais. Como já disse várias vezes, ciência é tudo aquilo que pode ser refutado, caso contrário é fé. E nem de longe o “post” se relaciona com “crenças”! Que há efeitos sobre o corpo humano há, pois um aparelho que chega a emitir 2 Watts de potência para comunicação (leiam o manual) bem perto das células neurais, (que trabalham o tempo todo por sinapses), sofrem influência do campo eletromagnético gerado.

    Este é um assunto que sempre causa muitos comentários, afinal, como diz um colega nosso, é mais fácil comentar sobre o que não se sabe do que sobre o que se sabe. Quem entender que é uma contribuição do cientista informar, muito bem. Caso contrário, continue pensando como queira e ignore o assunto. Simples assim. Agora, dizer que o assunto é bobagem, então tem muita gente no mundo pesquisando sobre esta “bobagem”, afinal “não têm nada melhor a fazer”.

  61. andre disse:

    a solução para as radio bases pode ser distanciar da população, elevando-as para longe do solo, por exemplo em balões de hélio presos por cabos, o que simultaneamente distribuiria sem obstáculos o sinal, melhorando literalmente a cobertura, exigindo menos potencia a transmitir dos celulares (que já incorporam controle automático de nível de potência); simultaneamente estes balões podem ter turbinas eólicas geradoras de eletricidade local (conforme idéia de patente de gerador eólico suspenso em balões há cerca de 3 anos) onde o vento é praticamente ininterrupto, a cerca de 300 metros. E sobraria energia gerada para descer pelos cabos e alimentar a rede elétrica

  62. Thiago Salazar disse:

    A comunidade científica se divide. Há os que estudam as radiações ionizantes, mas dentre estes, os que acreditam que baixas doses são até benéficas (Hormesis), e os que consideram que qualquer dose tem um potencial risco (Linear). Entenda dose como sendo Energia sobre Massa, (joule por quilograma, cuja unidade recebe o nome especial de gray, Gy). Para as radiações ionizantes, como os raios-X e gama do espectro que Silvio mostra, os efeitos são bem conhecidos para altas doses. Há os cientistas que estudam as radiações não-ionizantes, e aí a coisa fica mais controversa ainda. Surge um novo cálculo para mensurar efeitos, que é o SAR (Specific Absorption Rate), que também é Energia sobre Massa (watt por quilograma). Achei a matéria de Silvio super didática, ele é sem dúvidas um divulgador da ciência. Uma coisa que me intrigou foi a medida do cubo como sendo 30 cm, pois em geral na área das radiações ionizantes o que nos interessa são micrômetros, a exemplo da “zona de interação” no núcleo, que é a distância mínima para lesões no DNA interagirem, e que é de 1 micrômetro. Vou pesquisar e ler a respeito, obrigado pela matéria!