MENU

Escrito por • 23/11/2008

cérebros eletrônicos: foi dada a largada

no começo da computação, ali pela década de 60, os computadores eram conhecidos como cérebros eletrônicos. de cérebros, mesmo, nada tinham, apesar de eletrônicos. sua capacidade, em memória e processamento, era normalmente menor do que qualquer telefone celular nas nossas mãos hoje. pra ver como a novidade era tratada pela imprensa, clique aqui e aqui.

não faz nem dois meses que demos notícia dos 23 desafios da DARPA, a agência de projetos de defesa dos estados unidos, dos quais o primeiro é, exatamente… develop a mathematical theory to build a functional model of the brain that is mathematically consistent and predictive rather than merely biologically inspired. ou seja: desenvolver uma teoria matemática que leve à construção de um modelo do cérebro [humano] que seja matematicamente consistente e preditivo, ao invés de meramente inspirado em biologia.

agora saiu a notícia de que a corrida para resolver o problema número um começou. a IBM foi contratada pela DARPA para liderar uma rede de grupos de pesquisa cujo objetivo é construir um cérebro eletrônico [agora, de verdade] que tenha capacidade equivalente ao de um gato [real]. se tudo der certo, o sistema resultante poderá vir a ser usado para analisar grandes massas de dados, entender e classificar imagens e para tomada de decisões.

[ps: segundo guilherme, nos comentários, a imagem é de... Shodan - personagem do jogo System Shock 2, propriedade de http://www.TTLG.com]

o investimento de partida é troco, pouco menos de cinco milhões de dólares, para um projeto de tal envergadura. mas a DARPA tem por hábito investir em projetos-piloto pra testar a viabilidade dos mesmos e, depois, entrar com dinheiro de gente grande. para saber mais sobre o projeto, entre no blog de dharmendra modha, pesquisador da ibm que vai liderar o esforço.

tentar construir um sistema artificial que tenha as características do cérebro humano é um objetivo quase óbvio para a humanidade, pois faz parte do processo natural de entendimento e intervenção no universo ao nosso redor. primeiro, tratamos do mundo físico [o landscape], depois passamos a entender e intervir nas coisas vivas [o bodyscape] e, finalmente, estamos começando a tratar da estrutura mais complexa ao nosso redor, nosso próprio cérebro [o mindscape].

mas há uma razão mais prática, agora, do que a pura e simples pesquisa sobre o cérebro. o gigantesco volume de informação que temos que tratar e os problemas e dificuldades de seu processamento, boa parte dos quais [como processamento de imagens] é melhor resolvido por sistemas computacionais do tipo do cérebro humano. o que significa que pelo menos uma vertente das gerações futuras de computadores pode -ou deveria- ter comportamento semelhante ao cérebro humano. por trás da aposta da DARPA no "cérebro de gato" que a IBM pretende construir, há um claro objetivo de negócios… e competição [veja o projeto CCortex, por exemplo].

imaginando que uma ou mais das tentativas de se chegar a um cérebro artificial equivalente ao de um pequeno mamífero seja um sucesso, será só uma questão de tempo para construirmos um cérebro artificial muito parecido com o nosso. de lá para construirmos muitos outros, com capacidade de processamento muito maior do que a nossa… vai ser questão de menos tempo ainda. o entendimento dos sistemas cerebrais biológicos [neurociência], os processos computacionais para simulá-los [supercomputação] e a nanotecnologia para construí-los estão começando a se tornar realidade. quem viver verá.

[ps: segundo guilherme, nos comentários, a imagem é de… shodan – personagem do jogo System Shock 2, propriedade de www.TTLG.com]

Artigos relacionados

0 Responses to cérebros eletrônicos: foi dada a largada

  1. roberto ambrosio disse:

    Oi Meira…assisti uma palestra sua no encontro de empreendedores…parabéns, foi excelente, simples, pra te fazer o elogio maior (rs) mas com estrutura, humor e afeto…adorei.
    Esse post aí me fez lembrar o como era o nome do computador da IBM que venceu o Spassky no xadrez? Só que agora vamos conversar com eles sobre filosofia como o papo final do Blade Runner, lembra?
    Já fico pensando se não criaremos um novo preconceito…imagina uma ku klux klan queimando nano cérebros – e junto as pessoas nas quais foram implantados – enquanto uma outra turma jura que eles são iguais a nós…..
    Abração e parabéns pela palestra

  2. roberto ambrosio disse:

    Oi Meira…assisti uma palestra sua no encontro de empreendedores…parabéns, foi excelente, simples, pra te fazer o elogio maior (rs) mas com estrutura, humor e afeto…adorei.
    Esse post aí me fez lembrar o como era o nome do computador da IBM que venceu o Spassky no xadrez? Só que agora vamos conversar com eles sobre filosofia como o papo final do Blade Runner, lembra?
    Já fico pensando se não criaremos um novo preconceito…imagina uma ku klux klan queimando nano cérebros – e junto as pessoas nas quais foram implantados – enquanto uma outra turma jura que eles são iguais a nós…..
    Abração e parabéns pela palestra

  3. Leo disse:

    Isso é uma bobajada! Como quantificar a capacidade de processamento do cérebro de um gato em bytes, se ele não opera em bytes??? Um único neurônio guarda tanta informação quanto os computadores do google… ainda mais quando essa informação interage entre si. O maior computador do mundo não chega aos pés da complexidade de um único neurônio, quanto menos de um cérebro!

  4. Leo disse:

    Isso é uma bobajada! Como quantificar a capacidade de processamento do cérebro de um gato em bytes, se ele não opera em bytes??? Um único neurônio guarda tanta informação quanto os computadores do google… ainda mais quando essa informação interage entre si. O maior computador do mundo não chega aos pés da complexidade de um único neurônio, quanto menos de um cérebro!

  5. Guilherme disse:

    Interessante a materia, mas, voces poderiam ter dado o credito da imagem (Shodan – personagem do jogo System Shock 2, propriedade de http://www.TTLG.com)

  6. Guilherme disse:

    Interessante a materia, mas, voces poderiam ter dado o credito da imagem (Shodan – personagem do jogo System Shock 2, propriedade de http://www.TTLG.com)

  7. Human or robot? disse:

    Perigo mesmo será quando os futuros robôs inteligentes aprenderem a se auto-reproduzir. Seria um passo pra cogitação da eliminação da raça com a qual considerarem estar competindo pelos recursos naturais (no caso a humana). É plausível, fizemos isso com os Homo-erectos e os Homo-Neandertal.

  8. Human or robot? disse:

    Perigo mesmo será quando os futuros robôs inteligentes aprenderem a se auto-reproduzir. Seria um passo pra cogitação da eliminação da raça com a qual considerarem estar competindo pelos recursos naturais (no caso a humana). É plausível, fizemos isso com os Homo-erectos e os Homo-Neandertal.

  9. jamil faoas disse:

    sou fascinado pelo tema. acredito que em breve ja teremos esta tecnologia, pois como frisa a matéria, agora são esforços comjuntos. imagina podermos ter mergulhadores fantásticos robóticos, para trabalhos de alto risco, etc.
    quero viver para ver.

  10. jamil faoas disse:

    sou fascinado pelo tema. acredito que em breve ja teremos esta tecnologia, pois como frisa a matéria, agora são esforços comjuntos. imagina podermos ter mergulhadores fantásticos robóticos, para trabalhos de alto risco, etc.
    quero viver para ver.

  11. ( outro:-) ) Guilherme disse:

    Na minha relez opinião seria simplesmente a experiência mais importante realizada na história da humanidade, mais que qualquer “LHC”. se funcionasse poderia negar de vez e existência do “espírito” provando que a mente humana é simplesmente produto de interações eletro-químicas, e seria nada menos que uma pessoa artificial.caso contrário não provaria o contrário ?
    Mas o fato é que está distante o dia que teremos máquinas capazes de “conter ” um cérebro humano.

  12. ( outro:-) ) Guilherme disse:

    Na minha relez opinião seria simplesmente a experiência mais importante realizada na história da humanidade, mais que qualquer “LHC”. se funcionasse poderia negar de vez e existência do “espírito” provando que a mente humana é simplesmente produto de interações eletro-químicas, e seria nada menos que uma pessoa artificial.caso contrário não provaria o contrário ?
    Mas o fato é que está distante o dia que teremos máquinas capazes de “conter ” um cérebro humano.

  13. Joe Black disse:

    esse é o começo do fim…

  14. Joe Black disse:

    esse é o começo do fim…

  15. Victor disse:

    assistam o filme ‘inteligência artificial” de steve spielberg, e saibam qual é a minha opinião… vao ver como o mundo realmente se tornará se continuarmos assim, é simplesmente desumano.

  16. Victor disse:

    assistam o filme ‘inteligência artificial” de steve spielberg, e saibam qual é a minha opinião… vao ver como o mundo realmente se tornará se continuarmos assim, é simplesmente desumano.

  17. Alexandre disse:

    Nem sabem o que é inteligência.
    Inteligência sem vontade própria é inativa.
    Ou será que nós somos programados tambem.
    E só tem inteligência quem está vivo.
    Mas eu acho que eles vão conseguir fazer uma “vida artificial” para essa inteligência artificial…

  18. Alexandre disse:

    Nem sabem o que é inteligência.
    Inteligência sem vontade própria é inativa.
    Ou será que nós somos programados tambem.
    E só tem inteligência quem está vivo.
    Mas eu acho que eles vão conseguir fazer uma “vida artificial” para essa inteligência artificial…

  19. Yellow disse:

    por que a IBM???

    “Leo”, claro que estão levando em conta que partes do modelo devem aplicar computação quântica, né?

    de resto – como é que eu posso ajudar essa galera? eu quero ser o primeiro a substituir meu cérebro por um novo!

  20. Yellow disse:

    por que a IBM???

    “Leo”, claro que estão levando em conta que partes do modelo devem aplicar computação quântica, né?

    de resto – como é que eu posso ajudar essa galera? eu quero ser o primeiro a substituir meu cérebro por um novo!

  21. Mayara Fernanda disse:

    Meira, também estive em sua palestra no Encontro de Empreendedores e como todos ali presentes, eu te aplaudi de pé. Parabéns! Informação só é válida quando compartilhada e você faz isso com muita propriedade.
    Tão incrível, quanto perigoso, apesar se estarmos falando do início das pesquisas, de algo longe da capacidade humana, é possível ser concreto??? Vamos refletir a prova da imaginação dos nossos precursores, de certo todos seus sonhos estavam longe dessa nossa realidade.

  22. Mayara Fernanda disse:

    Meira, também estive em sua palestra no Encontro de Empreendedores e como todos ali presentes, eu te aplaudi de pé. Parabéns! Informação só é válida quando compartilhada e você faz isso com muita propriedade.
    Tão incrível, quanto perigoso, apesar se estarmos falando do início das pesquisas, de algo longe da capacidade humana, é possível ser concreto??? Vamos refletir a prova da imaginação dos nossos precursores, de certo todos seus sonhos estavam longe dessa nossa realidade.

  23. Maria disse:

    Será que essa pesquisa é realmente necessária. Qual o benefício que teremos com esse tipo de descoberta. Vamos ser mais simples, vamos buscar melhorar nossa condição humana tão importante nos dias de hoje. Pensem, Pensem …

  24. Maria disse:

    Será que essa pesquisa é realmente necessária. Qual o benefício que teremos com esse tipo de descoberta. Vamos ser mais simples, vamos buscar melhorar nossa condição humana tão importante nos dias de hoje. Pensem, Pensem …

  25. Luiz disse:

    Assisti sua palestra no café filosófico da cultura …

    Poderia ser um pouco menos “apaixonado” e um pouco mais crítico [e preciso] sobre o que fala

    Mas é um público cinquentão que assite, então tudo vale …

    Obs, tenho mais de 30 anos na área, algusn títulos acadêmicos, mas não consigo me chamar de cientista ;-(

    Citar Pierre Levy como uma fonte consistente é muito pósmoderno para meu gosto

  26. Luiz disse:

    Assisti sua palestra no café filosófico da cultura …

    Poderia ser um pouco menos “apaixonado” e um pouco mais crítico [e preciso] sobre o que fala

    Mas é um público cinquentão que assite, então tudo vale …

    Obs, tenho mais de 30 anos na área, algusn títulos acadêmicos, mas não consigo me chamar de cientista ;-(

    Citar Pierre Levy como uma fonte consistente é muito pósmoderno para meu gosto