MENU

Escrito por • 06/07/2012

dominar o mundo: por que não?

o presidente da telefônica no brasil, antônio carlos valente, acaba de declarar que a empresa, no país, está a meses de se tornar maior que sua matriz, na espanha. e olha que sua receita média [no móvel], aqui, é menos que 10 euros por mês.

com 250 milhões de chips ativos, o brasil não tem operadora móvel brasileira. nem fixa. no modelo que escolhemos há tempos, fragmentamos a telebrás, então campeã mundial de ineficiência operacional, e vendemos as partes resultantes a operadoras mundiais. resultado? o mercado brasileiro é da espanha, itália, méxico e portugal.

poderia ter sido diferente? imagine que tivéssemos reorganizado a telebrás, para o que também teria sido necessária a entrada de competências e capital externo e privado, mas em minoria. imagine que uma telebrás de classe mundial, ao tempo que dava conta do brasil, se espalhasse pela américa latina, como os mexicanos fizeram, criando a maior operadora do subcontinente. e aí imagine uma crise do tamanho da atual, na europa, e uma telebrás de um tamanho e cacife capaz de comprar a portugal telecom [US$3.9B, menos da metade do valor conseguido em leilão federal para privatização do aeroporto de guarulhos]. a tim é quatro vezes isso e a telefônica é 15 vezes maior, mas nada que assuste tanto. sabe quanto é a dívida total da petrobrás? mais de US$80 bilhões… perto de uma telefônica e meia.

sim… e sabe no que deu aquela estratégia mexicana de se espalhar pela américa latina? a telmex [leia claro, embratel, net… aqui] é três vezes maior do que a telefônica, e tem um valor de mercado de mais de US$180 bilhões. coisa de gente grande, que a gente poderia ter feito. mas não fez, e leite derramado não faz caixa ou gera trabalho, riqueza, impostos e caixa, aqui, pra gente dominar nem que seja uma pequena parte do mundo.

há sinais de que este estado de cosias vai mudar? quem sabe? porque você não tenta entender como é mesmo que a LAN [receita? US$5.6B] comprou a TAM [receita? US$6.9B]? as duas têm o mesmo número de aviões e uma dá lucro e outra, prejuízo. não era pra ter sido o contrário?… ou não? e por que?

talvez o maior problema do empreendedorismo brasileiro, em todos os campos e com raras exceções, seja empreender para nosso próprio umbigo. achar que o que podemos fazer é, aqui, daqui e “praqui”, fazermos algo que já está sendo feito com sucesso em algum lugar. e no grande, mas complicadíssimo, mercado brasileiro [veja texto do autor sobre o assunto ontem, na FSP, neste link]. disso resulta um arcabouço mental e de negócios que nos deixa cegos frente às oportunidades mundiais. e que quase sempre mata todo pensamento de dominar o mundo, por menor que o mundo de seu negócio pareça, mundialmente, na partida.

resultado? como mostra o passado recente, fazer só aqui, daqui e “praqui” não é sustentável nem mesmo em nichos de mercado. mais cedo ou mais tarde, alguém que está fazendo em algum lugar, e de lá para o mundo, chega aqui e seu negócio vira suco –ou se torna parte do dele. precisamos de uma visão de mundo. mas pra isso precisamos, também e muito, de educação para tal.

no fim, quando tudo estiver no lugar, vamos entender que só iremos para o mundo quando ele, também, estiver aqui. pois fechados, protegidos, e sempre limitados pela infinidade de restrições aos negócios internacionais que temos no brasil… será sempre mais fácil imitar e, logo ali na esquina do tempo, ser comprado.

Artigos relacionados

Comentários estão encerrados.