MENU

Escrito por • 21/11/2011

educação empreendedora, 26: “cuidado com o gato”

este post é parte da série educação empreendedora, um conjunto de textos sobre criatividade, inovação empreendedorismo e negócios -no brasil- que estão [todos] referenciados neste link. boa leitura.

.:.:.:.

era uma vez uma vila rural, em meio a montanhas longínquas, onde todos viviam felizes. quase que para sempre…

image

…até porque um eremita, numa alta caverna, era o guardião espiritual que garantia a saúde e bem estar daquele pequeno povo, assim como de seu sustento. até que, de tão bem que estava, a coisa desandou. os casais começaram a se desentender, a safra já não dava para todos, os jovens não queriam nada com a vida, os mais velhos começaram a morrer sem razão. o conselho dos anciãos resolveu tomar uma medida extrema, nunca dantes contemplada: em comissão, foram à loca do sábio, em busca de conselho e conforto.

lá chegando, encontram o ermitão descabelado, a lidar com uma praga de ratos que tirava sua paz e sustento: "desde que os roedores me descobriram e aos meus grãos, nada mais faço a não ser lutar, dia e noite, para tirá-los daqui. de pouco tem adiantado. não posso lhes fazer mal; só assustá-los. e isso de pouco adianta. não mais medito, não há tempo para cuidar dos espíritos da aldeia, porque nem do meu há mais tempo para tratar".

os anciãos, em concílio sobre tal cena, propõem ao sábio uma solução tão natural que, quem sabe, ele aceitaria: "mestre, humildemente vos propomos um presente, da aldeia; ele saberá tratar os ratos e, como parte da mesma natureza que os criou, não é um mal que vos propomos, mas um bem: será que o mestre aceitaria, como nossa humilde oferenda, um gato?"…

o velho sábio parou e refletiu: um gato!… óbvio! como não havia pensado nisso? gatos competiam com ratos, parte da ordem natural das coisas e não havia nenhum mal em ter um deles por ali. afinal, era capaz até do gato não fazer mal a nenhum rato; sua simples presença os levaria a procurar outra fonte de sustento que não a sua.

o eremita, agradecido, aceitou o gato e o comitê de anciãos, de volta à aldeia, providenciou um de imediato. e a paz foi restaurada. por muito pouco tempo. o tempo fechou e até uma morte violenta foi registrada, numa disputa entre vizinhos, algo que jamais havia acontecido antes.

estarrecido, o comitê de anciãos volta a visitar o eremita e descobre que, depois de dar cabo de uns poucos ratos e ter-se saciado, o gato viu sua comida desaparecer. de pronto, começou a exigir de seu hospedeiro o alimento devido. o gato não comia grãos e miava o dia todo. e à noite. toda. e o velho sábio tinha perdido a paz de vez. parecia ensandecido.

o comitê, de pronto, descobre o que falta: leite. e resolve o problema, com o aceite do velho mestre, presenteando-o com uma vaca e um bezerro. agora, o gato cuidaria dos ratos, se voltassem, o bezerro fazia a vaca produzir leite, e parte do leite seria do gato, o sábio poderia meditar e cuidar dos espíritos e todos estariam contentes e felizes. e os anciãos tinham certeza de que todos os problemas estavam, de novo, resolvidos para sempre.

por um tempo. depois algumas estações, a vida na aldeia se tornou um inferno. secas, pragas, brigas, tudo o que não poderia acontecer estava acontecendo, muito e muito frequentemente. de novo, os anciãos sobem a montanha e, espantados, chegam a um velho homem descabelado, na lide com uma vaca que havia acabado de parir outro bezerro dentro de sua loca, agora imunda e inabitável, fezes sobre os preciosos grãos que outrora eram o sustento das preces… e um gato apavorado com bovinos e um humano dentro de um espaço onde mal cabia ele, o gato. e o felino só estava lá por causa do leite. e não entendia como o homem era incompetente a ponto de não conseguir ordenar a casa. ou ordenhar a vaca para si, o gato.

os anciãos chegaram à mesma conclusão em pouco tempo e, ao mesmo tempo, a uma solução: o velho homem não tinha nada de prático, nem tinha que ter. o que ele precisava, mesmo, era de alguém que cuidasse dele e da casa, para que ele, por sua vez, pudesse cuidar dos espíritos. propuseram que o mestre esposasse uma das moças da aldeia, o que foi aceito depois de alguma relutância. mas, como estava, a coisa não podia ficar. e, se havia alguém que poderia arrumar a coisa e a casa, talvez este fosse o caminho para voltar a meditar e, de mais de uma forma, "sair de si e do mundo".

o velho mestre desce à aldeia: casamento, comemoração, despedidas e partem os nubentes montanha acima. todos respiram aliviados, afinal de contas, agora, sim, os problemas estavam resolvidos. e para sempre.

por um tempo. algum tempo. depois do qual a aldeia mergulha na mais profunda barbárie, a ponto de terem se esquecido, quase todos, do mestre e suas responsabilidades para com a vila. até porque, na guerra civil em que estavam mergulhados, vários membros do conselho perderam a vida, alguns condenados por traição, corrupção e crimes menores. até que, num hiato de paz no vale, alguém conseguiu reunir um grupo que lembrava do mestre e, em nome de todos, subiria a montanha a pedir conselho e guarida.

o que foi feito de pronto. lá em cima, encontram um senhor que cuidava da terra com um filho no braço e outro à barra da calça, aos berros. uma jovem grávida tangia um pequeno rebanho, enquanto um velho gato gastava mais uma de suas vidas esperando o leite, olhando a caverna para que nela não chegassem os ratos. para o sábio, tempo para meditar que é bom, nada.

estupefatos, os aldeões gritam, surpresos: "mestre?!?…" ao que o homem, com a cara mais lavada do mundo, replica "cuidado com o gato…"

esta história me foi contada há quase vinte anos por um alemão, yahooo! [sim, com três o’s e exclamação], em pipa. e na época em que pipa era uma vila no mar do rio grande do norte e não uma búzios nordestina, yahooo! era dono de uma pousada do mesmo nome, sem energia elétrica mas com uma hospedagem e comida fantásticas. longe de tudo, mesmo da pipa da época. abaixo, a praia vista de um dos quartos, nos velhos e idos tempos.

image

antes de pipa, yahooo! girou mundo e havia passado um tempo com osho. o polêmico mestre, como se sabe, falava muito por parábolas e a do gato foi uma delas, presenciada por yahooo!, em resposta a uma pergunta feita por um americano ao fim de um estágio de muitos meses de ensinamentos e meditação. tentando tirar algo definitivo do guru que só falava em contextos, fluxos e reflexão pessoal permanente como forma de viver, quis saber qual era "a" regra para o equilíbrio e qual era, mesmo o "segredo da vida"?…

"cuidado com o gato…", foi a resposta. e ninguém entendeu porque.

depois de muita discussão, o grupo de sannyasin solicitou uma última audiência antes do fim do retiro para fazer uma pergunta: "mestre, como assim… cuidado com o gato?"… e o que se seguiu foi a parábola repetida acima, que yahooo! me contou num dia de muito sol em pipa.

como em todas as parábolas, há muitas interpretações. mas há uma, quase padrão, que tenho visto e ouvido: o gato representa a ligação, o attachment. uma vez que o sábio [veja o vídeo abaixo] deixou para os outros escolherem como resolver seu "problema", aceitou o "gato" e se ligou a ele, tudo passou a girar em torno da "solução", que se tornou o verdadeiro problema.

erros são essenciais: erre para aprender, erre para crescer. você é o primeiro aqui… explore!

pense você mesmo: há muitas maneiras de resolver o problema dos ratos sem o gato. com o gato, e sem aprender a resolver os "problemas do gato", é preciso cada vez mais ajuda externa até que, ao invés de viver, aquele que era sábio e conexão espiritual da aldeia deixa de viver e passa, apenas, a passar tempo. não "com" o gato, mas "para" o gato.

estamos no fim de mais uma semana global do empreendedor. levando em conta todos os aspectos do empreendedorismo, não é empreendedor apenas aquele ou aquela que cria e evolui negócios. para viver a vida que queremos viver e não a que nos querem impor, cada um deve empreender seu aprendizado, carreira, família, um ou muitos negócios, a vida inteira. caso contrário, estaremos só passando tempo. que é como muita gente "gasta" seu tempo, passando tempo. enquanto espera para viver uma aposentadoria tranquila, "passando ainda mais tempo". pra que?…

não há nenhum bom manual para viver ou para aprender. tampouco para empreender. a arte de empreender apreende-se: não só aprendemos ao empreender, mas empreendemos ao aprender. escrevemos nós mesmos o manual, o mais apropriado deles, mesmo tendo os melhores conselheiros. o mundo está cheio de gente para dar conselhos, a maior parte acompanhada de um "gato". o manual da vida e do empreendedorismo é escrito e reescrito a cada oportunidade, a cada momento, a cada novo problema. claro que há uma gigantesca rede de conhecimento e experiência a que temos acesso e, principalmente, um repertório monumental de erros que podemos evitar.

mas nossos problemas –e os do nosso novo negócio inovador de crescimento empreendedor-, no nosso contexto, tempo, rede social, mercado, regulação, clientes, colaboradores…, são únicos, são nossos. sempre. e as coisas só [a]parecem como são quando abandonamos os preconceitos sobre elas. sob certos pontos de vista os ratos não são o problema que pareciam ser. muito menos precisam de gatos na solução.

aprender, criar, inovar e empreender são atividades sempre muito complexas porque implicam na descoberta e/ou criação de espaços e comportamentos, produtos, serviços, métodos, processos, modelos de negócio. e porque são circulares: quando tudo está muito bem, quando você acha que sabe tudo, ou fez tudo, é exatamente antes deste ponto que você já deveria ter voltado a um novo ponto de partida e começado tudo de novo. caso contrário, você se torna irrelevante. ou seu negócio morre. ainda mais rápido se tiver um gato. pense. e escreva você mesmo seu manual. e reescreva, o tempo todo.

a série sobre educação empreendedora está quase no fim e os textos já publicados até aqui estão neste link. o texto anterior trata das condições de empreendedorismo por aqui, relembrando tom jobim e seu "o brasil não é um país para principiantes". pois é: além de um monte de gatos, o brasil já vem junto com uma montanha de ratos

na rússia é ainda pior do que aqui e são os ratos que ATACAM gatos. radical.

Artigos relacionados

0 Responses to educação empreendedora, 26: “cuidado com o gato”

  1. Suzana Liskauskas disse:

    Muito bom, Silvio. É preciso escrever nosso próprio roteiro e não ficar esperando o papel de protagonista cair do céu.

  2. Kleber Grasso disse:

    Grande Silvio, excelente conteúdo para uma boa reflexão! Como aprendi recentemente, “nossas obras são autobiográficas” – podem ser uma teoria, resultados de P&D ou um empreendimento ou negócio. O manual de cada um só pode ser individual – ele é único. Forte abraço!

  3. Cristiano Lincoln disse:

    Fantástico, Sílvio. Só pode ser uma criação e recr[i|e]ação contínua, o tempo todo.

    []s!

  4. Roner disse:

    Muito bom parabéns, adorei esse é um conto que li a pouco de uma quase brochura do budismo zen, ou seja budismo do japão, onde o próprio Osho conta esta estoria, muitas vezes ate mesmo oque aprendemos que parece não ter relevância, e ou proveito momentâneo, te serve de alguma forma, para acabar com “gatos futuros”, obrigado por partilhar com todos sua cultura e seu nível de sabedoria.

  5. Orf disse:

    meister,

    so uma palavra: parfait!

  6. msiaelneto disse:

    Interessante parabola.
    Não enxergar a problemática do gato pode ser fatal.
    Mas escrever e reescrever constantemente o seu manual pode ser igualmente fatal. Não que eu não concorde com a mudança: “Triste não é mudar de idéia. Triste é não ter idéia para mudar”.
    Acontece que se você enpreende um negócio onde sua receita muda constantemente ([re]agindo a problemas como o do gato), é possível que se caia no problema da inconsistência.
    Tavez o eremita não caisse na armadilha do gato se ele tivesse exercitado “productive paranoia”. Talvez ele devesse exercitar “fanatic discipline” e não desviar do seu caminho. Talvez ele devesse ensinar aos anciões seguindo os princípios de “empirical creativity”. Mas com certeza ele deveria ter uma SMaC recipe (Specific, Methodical and Consistent) -> http://27gen.com/2011/10/22/smac-down/

    Todos temos que ter nossos manuais, receitas, formulas… cada um tem que escrever o seu…

    Acontece que muitos pensam que, para empreender no mundo super veloz que vivemos, temos que nos adaptar, mudar rapidamente. Os grandes cases de sucesso não fizeram isso…

    • srlm disse:

      toda razão. total. a mudança, sempre, tem que ser pensada. até pra ser apressada!…

  7. Johann Josefy disse:

    A reversal russa do rato indo atrás do gato no final foi sensacional!!!