MENU

Escrito por • 01/12/2008

entrevista: continuum

-continuum-incenso.jpgna entrevista do mês da continuum, revista do instituto itaú cultural, o autor deste blog é entrevistado sobre crenças: A maior parte dos projetos em que estive envolvido resultou de um caminho que segui. Os caminhos são parcialmente definidos pelo que se vai fazer, mas também influenciados pelo contexto ao redor. O ponto de chegada não é, necessariamente, o lugar em que se acreditou no princípio. O mais importante é aproveitar caminhos e gerar resultados. numa edição sobre credos, sou o cético. Acredito na capacidade dos seres humanos de, em conjunto, mudarem seus destinos inarredáveis. Não concebo que alguém esteja fadado a alguma coisa, mesmo que sejam suas crenças. vá lá ver.

Artigos relacionados

6 Responses to entrevista: continuum

  1. pablo disse:

    Muito boa a entrevista, Sílvio. um lado seu que ainda não tinha captado no blog.
    Apenas considero um pouco equivocada sua abordagem da questão sobre software livre. imagine um Gmail em que tivéssemos oportunidade de colaborar na elaboração do código, personalizá-lo com aplets nossos…
    Essa estória de computação em nuvem é uma grande sacada, mas ainda atende aos interesses do capitalismo selvagem, pois o interesse da Google é market share:100%. Os caras tem visão monopolista, e acabou, e um direito deles, na medida em que não afete outros direitos.
    Acredito que plataformas abertas promovem o desenvolvimento da tecnologia, enquanto software proprietários o retardam (obsolescência programada) e nos enquadram ao sabor do mercado.

    Outra dúvida: ser ateu significa não crer que exista algum ser acima do homem, ou simplesmente refere-se a uma negação ao Deus judaico-cristão?

    Parabéns, e continue com o execlente trabalho. A série sobre a urna eletrônica achei o máximo.

    Paz e bem

  2. pablo disse:

    Muito boa a entrevista, Sílvio. um lado seu que ainda não tinha captado no blog.
    Apenas considero um pouco equivocada sua abordagem da questão sobre software livre. imagine um Gmail em que tivéssemos oportunidade de colaborar na elaboração do código, personalizá-lo com aplets nossos…
    Essa estória de computação em nuvem é uma grande sacada, mas ainda atende aos interesses do capitalismo selvagem, pois o interesse da Google é market share:100%. Os caras tem visão monopolista, e acabou, e um direito deles, na medida em que não afete outros direitos.
    Acredito que plataformas abertas promovem o desenvolvimento da tecnologia, enquanto software proprietários o retardam (obsolescência programada) e nos enquadram ao sabor do mercado.

    Outra dúvida: ser ateu significa não crer que exista algum ser acima do homem, ou simplesmente refere-se a uma negação ao Deus judaico-cristão?

    Parabéns, e continue com o execlente trabalho. A série sobre a urna eletrônica achei o máximo.

    Paz e bem

  3. Andres disse:

    Caro Silvio,
    Realmente é uma grande entrevista. Gostaria de saber se posso pegar uma das suas respostas e publicar na integra no meu blog?
    Até mais

  4. Andres disse:

    Caro Silvio,
    Realmente é uma grande entrevista. Gostaria de saber se posso pegar uma das suas respostas e publicar na integra no meu blog?
    Até mais

  5. bruno disse:

    silvio,
    entendi o que quis dizer, mas vamos combinar: entrevistazinha mal escrita, hein? Erros básicos do tipo “skipe”, definições erradas de conceitos simples, a conversa flui muito pouco (falta de nexo entre as perguntas). Antes o autor tivesse omitido maiúsculas, mas mantivesse o texto conciso ao menos…

  6. bruno disse:

    silvio,
    entendi o que quis dizer, mas vamos combinar: entrevistazinha mal escrita, hein? Erros básicos do tipo “skipe”, definições erradas de conceitos simples, a conversa flui muito pouco (falta de nexo entre as perguntas). Antes o autor tivesse omitido maiúsculas, mas mantivesse o texto conciso ao menos…