MENU

Escrito por • 22/10/2009

espaços, criatividade, inovação e… gambiarras

o texto anterior deste blog tratou de espaços para inovação [e criatividade], usando como exemplo um “veículo” desenvolvido em taperoá, no interior da paraíba. e isso levou a uma discussão [via twitter] com marcelo tas sobre criatividade, inovação, o brasil, suas periferias e as condições, lá longe, de desenvolvimento de novos produtos e serviços.

o que, por sua vez, levou à procura de referências brasileiras sobre o assunto e à dissertação de mestrado de rodrigo boufleur, a questão da gambiarra: formas alternativas de desenvolver artefatos e suas relações com o design de produtos, onde se desenha, logo na abertura, uma definição e contextualização do tema:

Dentre diversos significados relacionados, o termo gambiarra vem sendo freqüentemente usado de maneira informal para identificar formas de improvisação: adaptações, adequações, ajustes, consertos, reparos, encaixes, emendas, remendos, inventos inteiros, engenhocas, geringonças.

A despeito das depreciações que se costumam atribuir a alguns destes tipos de procedimentos – em muitos casos com total fundamento, na qualidade de “precário”, “feio”, “malandro”, “tosco”, o termo gambiarra recebe também conotações positivas. Acompanhando um momento de mudança na maneira como alguns pensadores e a própria população brasileira têm enxergado sua cultura e identidade, o termo gambiarra tem sido remetido à idéia do pronunciado “jeitinho brasileiro”, numa visão que busca enfatizar em seu próprio povo, uma propensão ao espírito criativo, à capacidade inventiva e inovadora, à inteligência e dinâmica da cultura popular; levando em consideração a conjuntura de adversidades e vicissitudes às quais todos nós (muitos evidentemente mais) estamos expostos; entendendo-a como uma prática que se aproxima de conceitos como reutilização/reciclagem ou bricolagem.

Independentemente de questões vernaculares, o termo gambiarra é usado por muitos para definir qualquer procedimento necessário para a constituição de um artefato ou objeto utilitário improvisado. Neste sentido, sob a ótica da cultura material, o termo gambiarra pode ser entendido como uma forma alternativa de design: Gambiarra é uma forma heteróclita de desenvolver uma solução funcional / aplicada. Ou seja, um processo baseado no raciocínio projetivo imediato, elaborado a partir de uma necessidade particular ou algum recurso material disponível – os quais proporcionam a constituição de um artefato de maneira improvisada. Esta relação nos leva a compreender a gambiarra como um paradigma paralelo, o qual surge a partir dos limites e dos impactos proporcionados pelo modelo industrial de produção e consumo. Se a atividade do design de produtos se define, não pelo estilismo, mas principalmente pelo desenvolvimento de artefatos (sejam eles industriais ou não), então na essência, design e gambiarra são procedimentos similares.

O que tende a ser diferente, são alguns fatores relacionados a cada contexto que podem variar, como por exemplo, a tecnologia empregada, os métodos, a infra-estrutura envolvida (fábrica, pessoas, equipamentos, matéria-prima, etc), o processo industrial, seus propósitos políticos e alguns objetivos corporativos, como por exemplo, para quem, porquê e para quê se produz.

O intuito de relacionar os termos design e gambiarra nos induz a uma reflexão sobre valores, mitos e significados, as contribuições e conseqüências dos objetos na configuração da cultura e no desenvolvimento da sociedade pós-moderna. A questão da gambiarra envolve temas como o desenho de artefatos, o resgate da função social do design, a problemática do lixo, o contexto da indiossincrasia e das necessidades específicas, bem como a identidade da cultura material brasileira.

lá no meio da conversa, rodrigo chega no ponto: design e gambiarra são a mesma coisa. gambiarra é design limitado por restrições de conhecimento, ambiente, meios… a gambiarra é design na periferia. o diagrama abaixo [também da dissertação] dá uma idéia geral da conversa. pra quem estiver interessado, a dissertação, com muitas imagens legais, está neste link. boa leitura.

image

Artigos relacionados

0 Responses to espaços, criatividade, inovação e… gambiarras

  1. andré neves disse:

    a atividade de design industrial tem certamente sua origem na gambiarra, evoluiu junto com os simios-humanos juntando uma pedra e um pedaço de pau para “design” um machado.

    evoluímos métodos e procedimentos, mas o core se mantém intacto: conceber artefatos que satisfazem necessidades da complexa da raça humana.

    aliás, é justo essa capacidade de “design” o mundo e seus pertences que nos diferencia de outros sujeitos biológicos que habitam nosso simpático planeta, hoje quase totalmente re-designed.

  2. Vítor Braga disse:

    Para a galera de TI tem um artigo bem interessante sobre o assunto:
    Opportunistic Software Systems Development: Making Systems from What’s Available http://portal.acm.org/citation.cfm(?id=1477278

  3. roberto ambrosio disse:

    O Design então seria uma gambiarra definitiva (essa é a descrição da minha mulher praquele jeitinho que eu dei em alguma coisa que funcionava mal e que voltou a funcionar pra sempre, sem necessidade de trocar ou consertar de novo)
    Abs Silvio, adoro seu blog meu..

  4. Luiz Borelli disse:

    Ola.
    Sou Tecnico em Telefonia sempre digo aos meus clientes quando indagado sobre o que estou fazendo. Digo estou fazendo um (RTP) ai vem a pergunta. O queé isso ? Digo: (Recurso Tecnico Provissorio), eles respondem sempre: Voce. esta fazendo uma gambiarra! Digo sou profissional sério e associado a (ABGTP) – Assoc. Brasileira de Gambiarra Tecnica Provissoria). E assim fou fazendo amigos e trabalhando com descontração.
    Gostei do artigo do Gambiarra. um abraço Luiz Borelli (Dourados/MS.

  5. Alan Goes disse:

    Adorei o artigo sobre La Gambiarra! a origem do termo de onde será que vem hein?
    Acho que você deve conhecer o site POG => programação orientada a gambiarra, ela está em todo lugar…Ah Gambiarra!

  6. Como programador convivo diariamente com problemas computacionais para resolver. Alguns deles requerem soluções criativas e rápidas que chamamos de “Gambiarras”, ou como “Artifício Técnico”. Já percebi opiniões diversas a respeito disso.

    Alguns se posicionam contra, pois alegam que uma gambiarra hoje causa BUGs amanhã; também já vi elogiarem a criatividade nesta solução.

    Eu penso que soluções alternativas sempre são válidas, mas precisa-se apenas avaliar seus impactos posteriores, usando muito bom senso e experimentando, arriscando seus resultados. Já vivenciei os dois lados da moeda e acho que a melhor gambiarra é aquela que é aceita pela equipe. 🙂