MENU

Escrito por • 26/09/2011

google e nossa memória

olhe a imagem abaixo, que está neste link em muito maior resolução.

image

neste outro link, há uma afirmação radical sobre a imagem acima: google está destruindo sua memória. será? o argumento é que os serviços de google, destinados a organizar e encontrar toda a informação do mundo [inclusive a sua e a minha, pessoais] estão mudando, de forma radical, o que costumamos chamar de memória.

este tipo de discussão não começou por causa de computadores e internet. vem de longe, desde quando nossos cérebros, depois de começar a criar ferramentas para estender as capacidades intrinsecamente físicas do corpo [pense facas, espadas, alavancas…] começou a pensar em ferramentas para estender o próprio cérebro.

como a escrita, por exemplo. a escrita [lá no começo dos tempos] fez com que parte de seu cérebro pudesse ir a lugares… sem ir lá fisicamente. como assim? cartas, por exemplo. sem escrita, a única forma de você dizer algo a alguém distante era ir até a pessoa com quem você queria se comunicar.

mais: a escrita passou a levar partes de seu cérebro a tempos onde ele não iria. o que você escreve, hoje, representa parte do que você pensa e, com um pouco de sorte, vai sobreviver a seu próprio corpo por muitos anos. milênios, talvez.

escrita é memória. um diário é uma memória. eu e você escrevemos um blog para registrar o que pensamos sobre coisas que nos interessam. é muito provável que, no longo prazo, a importância de um blog seja muito maior para [ou sobre] quem escreve do que para quem lê.

o debate sobre o impacto da escrita na memória existe pelo menos desde a grécia antiga. em fedro, platão mostra um diálogo entre theuth [o "inventor" da escrita] que vai promover sua criação para thamus, o deus-faraó que reinava sobre o egito. diz theuth:

"Essa invenção, ó rei, tornará os egípcios mais sábios e promoverá sua memória, pois isso que descobri é um elixir (phármakon) para a memória (mnémes) e para a sabedoria (sophías).

ao que thamus responde:

“Ó muito inventivo Theuth, alguns têm a habilidade de descobrir as artes, outros têm a habilidade de saber qual o benefício e malefício para aqueles que as utilizam. E tu, que és o pai da escrita, foste conduzido pela tua afeição a atribuir-lhe um poder oposto ao que realmente possui. Pois isso vai produzir esquecimento na mente daqueles que a aprendem: eles não vão exercitar a memória por causa da sua confiança na escrita, que é algo exterior (éksothen), provinda de caracteres alheios, e não vão eles mesmos praticar a lembrança interior (éndothen), por si mesmos. Tu inventaste um elixir da lembrança (hypomnéseos), e não da memória (mnémes), e tu ofereces aos teus discípulos uma aparência de sabedoria, não verdadeira sabedoria, pois se tornarão muito informados (polyékooi […] gignómenoi), sem instrução, (áneu didakhês) e terão, assim, a aparência de que sabem de várias coisas (polygnómenes) quando na verdade são, na maior parte, ignorantes e difíceis de conviver, já que não são sábios, mas apenas aparentam ser.

a citação acima, com ênfase do blog, está em "o fedro e a escrita", de marcus reis pinheiro, leitura importante pra quem quiser entrar nos detalhes desta conversa.

com se vê, o debate sobre ferramentas que estendem o cérebro vem de longe. e hoje? será que o business insider pode simplesmente afirmar, qual thamus, que google está "destruindo" sua memória? não. google, e todo o ambiente informacional baseado na internet ao nosso redor, é parte de um longo e complexo processo [r]evolucionário que [re]cria métodos, técnicas, ferramentas e ambientes que estendem as capacidades humanas em todas as direções.

image

se fazemos o exoesqueleto robótico parcial que ajuda a levantar e carregar peso, aumentando nossa força física, porque não fazemos um conjunto de ferramentas como as de google, para nos lembrar de nossos compromissos, encontrar a informação [seja qual for, inclusive caminhos] no mundo, guardar todos os nossos textos, livros e arquivos?

claro que esta informaticidade vai mudar nosso mundo e nos mudar. deve estar mudando o que costumávamos chamar de humanidade, inclusive. mas, sendo tudo baseado em tecnologia [como a escrita!…] e sendo tecnologia o domínio do possível… se for possível ser feito, será.

depois, como no caso da escrita, veremos as consequências.

PS: se thamus tivesse proibido a escrita e se isso valesse até hoje, que seria do imaginário [e do] brasileiro sem [por exemplo] machado de assis, ariano suassuna, guimarães rosa, nélson rodrigues…

Artigos relacionados

0 Responses to google e nossa memória

  1. @gus_mendonca disse:

    Brilhante análise desta questão, surgida há alguns meses por pessoas que “não são sábios, mas apenas aparentam ser”. Dizer que o Google (e a internet, por extensão) diminui nossa memória é ignorar sua função principal – possibilitar acesso a uma infindável quantidade de informação há ser “processada” de acordo com cada usuário – memorizada ou esquecida. O que realmente importa é a [r]evolução na forma como a humanidade lidará com a informação imediata da sociedade em rede nas próximas gerações.

  2. Courtnay disse:

    A pergunta já foi feita há 4 anos pelo Nick Carr, mas este debate de hoje foi muito mais profundo 🙂
    http://www.theatlantic.com/magazine/archive/2008/07/is-google-making-us-stupid/6868/

  3. Thiago Silva disse:

    Liam Bannon foi o primeiro que ouvi discursar sobre o perigo do registro preciso (audiovisual) de eventos em larga escala, e da importância do “esquecer” na mente humana — melhor, da importância do entendimento de como a memória funciona, da relevância do esquecimento e, ainda, como o ato de “lembrar” não é meramente um “data retrieval”…no mínimo, é um processo criativo, além de tudo. Sob esse ponto de vista, fica mais claro ainda a confusão que pode causar batizar dispositivos de armazenamentos antropomorficamente como “memória”).

    Embora observo diversos estudos sobre como as formas de comunicação e escrita modificaram o comportamento social e individual durante a história (Mumford, Innis…de certa forma, McLuhan, etc), que espécie de futuro podemos projetar ao considerar que levemos até as últimas consequências esforços para criar acessórios que nos permitam recobrar o passado com precisão e detalhes?

    Para um exemplo extremo que pode servir como reflexão, me vem a mente propostas como MyLifeBits da Microsoft.

    Nesse sentido, acho importante quando chamam a atenção para que os engenheiros trabalhem mais próximos de cientistas das diversas áreas de humanas — engenheiros trabalhando sozinhos em qualquer tarefa multi-disciplinar são perigosos!

  4. in medio virtus; o mundo digital tem suas grandes vantagens , e isso é certo; por outro lado tem seus perigos: superficialidade, diminuição da atenção e do foco, alienação…. mas tudo bem, precisamos ficar atentos a estes lados negativos e procurar reduzi-los;
    do mesmo modo como as invenções da modernidade industrial tem suas grandes vantagens, e algumas desvantagem que precisamos contornar (fazer mais esporte, alimentar mais saudavelmente…)
    assim caminha a humanidade…

  5. Romano disse:

    Causa e efeito !?

    “Internet ‘may be changing brains'”
    19 October 2011 Last updated at 06:44 GMT
    http://www.bbc.co.uk/news/health-15353397

    “Social network sites may be changing people’s brains as well as their social life, research suggests.”