MENU

Escrito por • 06/04/2011

inovação é conversação

este post é mais um intervalo técnico para a série sobre educação empreendedora aqui do blog. antes deste texto, já foram publicados os "capítulos" 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15,16, 17, 18, 19, 20, 21; depois, nenhum, ainda. simbora.

. : . : . : .

[aviso aos navegantes: este texto é uma revisão de um outro, publicado neste link pelo autor em 2007; como o assunto está diretamente ligado ao texto de ontem aqui do blog, aqui vai a conversa, levemente reescrita.]

conversações são mercados e inovação precisa ser vendida. seres humanos têm que ser convencidos, por outros, dentro das empresas, casas, lojas e meios-de-ruas, a apostar em coisas cuja viabilidade não parece nem um pouco certa. a interação entre colaboradores, face-a-face ou através dos mais variados tipos de processos virtuais, é essencial para criar um entendimento -uma cultura preliminar- que aumente muito a possibilidade de transformar propostas de inovação em projetos inovadores.

e a conversa não para aqui. projetos inovadores normalmente têm especificações mais vagas do que as dadas a problemas clássicos, e por razões muito simples. nos últimos, sabemos o que estamos resolvendo; às vezes, até temos a liberdade de pensar “fora da caixa”, mas o problema -digamos- principal está estabelecido e não temos muito como fugir dele.

nos processos realmente inovadores, ao invés de pensar se [e n]o problema [que] está dentro ou fora da caixa, temos que repensar “a caixa” propriamente dita, o que certamente nos dará uma visão inteiramente nova do contexto. este novo mundo tem seus próprios problemas e o maior deles, talvez, é o entendimento comunitário de seus mais variados significados. sem muita conversa, e muitas vezes conversa focada, em torno de assuntos específicos e essenciais, às vezes conflituosos, não será possível desenrolar o projeto.

o “projeto” pode ser um novo produto. e a conversação pode dar em nada. quando a at&t [então a maior empresa de telecom do mundo] perguntou a uma das maiores empresas de consultoria do planeta [lá nos anos 70] se valia a pena entrar num negócio chamado telefonia celular, a resposta dos megaconsultores foi um sonoro não, pois a previsão de mercado [no longo prazo, 20, 30 anos] para celulares era cerca de 900.000 “linhas”.

o que é mais ou menos o que se vende em algumas horas, na terra, hoje. as vendas globais de celulares, em 2010, chegaram a 1.6 bilhões, bem mais de 4 milhões de telemóveis por dia. e a at&t, durante muito tempo, foi salva por ter sido escolhida por uma certa companhia [que nem era do "mercado de celulares"] para ter suas máquinas distribuídas exclusivamente para seus usuários.

o que faltou na conversa da at&t e estava presente na da apple? na primeira, faltou alguém perguntar “mesmo? e se…” ou  então “não acredito… porque não levamos em conta que as pessoas possam querer andar com um celular?…” e, na segunda, não só perguntas como estas foram feitas mas não se tratou só do lançamento de um “telefone”, mas de um ícone de design, um objeto de desejo, algo sobre o qual as pessoas conversam antes de ter, quando têm e mesmo porque não têm. é impossível não conversar sobre o iPhone. assim como sobre ferraris: uma delas capota na bélgica, é notícia no mundo inteiro. e não só porque é caro, mas porque uma ferrari –aliás todas as ferraris- não é um veículo, é uma conversação.

criar seu negócio [que tomara que seja inovador, de crescimento empreendedor] será uma conversação, por menos que ele inove.

mudá-lo, para inovar, será uma conversação. às vezes tensa, talvez longa, prazerosa aqui, irritada e irritante ali, mas uma demorada e continuada conversa com muitos interlocutores. e não poderia ser de outra forma, pois -voltando ao começo-, como mercados são conversações, realizadas dentro de, entre e por comunidades, você, candidato a inovador [ou simplesmente a montar uma pipoqueira na esquina] tem que participar da conversa, para estar na comunidade.

se -e só se- a conversa for uma criação sua, prática, convincente e capaz de mover mundos [e gentes], seu negócio, processo, produto ou serviço será verdadeiramente inovador. converse. convença. ou então prepare-se para ser conversado e convencido. e parte, talvez irrelevante, da conversa e rede de valor dos outros… e talvez do mercado. ou sem mercado.

Artigos relacionados

0 Responses to inovação é conversação

  1. Marcelo Almeida disse:

    Muito importante estas colocações. Podemos observar na história que algumas empresas buscaram inovar com produtos para resolver problemas [necessidades existentes], outras inovaram fazendo que o consumidor passa-se a necessitar deste produto, mesmo não sendo uma necessidade ou um problema atual. A segunda é mais dolorosa para criar o mercado, requer maior investimento e maior conversação. Parabéns Prof. Silvio.

  2. Marcelo Almeida disse:

    Muito importante estas colocações. Podemos observar na história que algumas empresas buscaram inovar com produtos para resolver problemas [necessidades existentes], outras inovaram fazendo que o consumidor passa-se a necessitar deste produto, mesmo não sendo uma necessidade ou um problema atual. A segunda é mais dolorosa para criar o mercado, requer maior investimento e maior conversação. Parabéns Prof. Silvio.

  3. Rádio ep450 disse:

    Primeira vez que visito seu blog muitoshow, parabéns!

  4. Rádio ep450 disse:

    Primeira vez que visito seu blog muitoshow, parabéns!