MENU

Escrito por • 23/08/2008

nosso [olímpico] apagão humano

"Vivemos um verdadeiro apagão humano. Esse é um tema que precisa ser discutido pelas empresas, fornecedores e universidades". a constatação é de wilson marques, da priceWaterhouseCoopers, feita na FGV-EAESP na sexta passada. segundo marques, que é sócio da área de BPO [business processing outsourcing, terceirização de processos de negócio] da PWC, a empresa tem que investir 2.000 horas para formar cada contratado, em governança e automação de processo e de negócios.

o apagão detectado por marques e pela PWC não é novidade e tampouco pontual: trata-se de um resultado construído por décadas de negligência no trato do que qualquer país tem de mais precioso, seu povo. nosso investimento em educação não passa nem perto da demanda nacional por quantidade e qualidade de engenheiros e, principalmente, técnicos. optamos pela educação fácil, nos cursos que não precisam de laboratórios, como se ainda fôssemos o país de bacharéis que um dia fomos [no império…]. e que talvez ainda sejamos, por não termos feito o que [para citar uns poucos] rússia, coréia, china e índia fizeram, atraindo seus jovens para as profissões que precisam de matemática, lógica, química e física, que resultam em formação que constrói as coisas, sistemas e serviços que compramos do mundo. resultado? marques [e o setor de software] não tem técnicos; e, quando consegue, tem que investir milhares de horas de educação, por contratado, para fazê-lo chegar no nível de exigência de suas empresas.

e as universidades, a quem marques apela? as melhores, olimpicamente, ignoram a demanda da realidade ao seu redor. usam o argumento de "formar com base, para o futuro", como desculpa para não dar aos seus alunos a combinação de formação teórico-prática de que o país e suas empresas precisam. sobre as piores escolas, há pouco a dizer. mas há as médias, entre as melhores e as piores, as que deveriam estar formando para empregabilidade, agora, no mercado de trabalho real onde o brasil pode ocupar um vasto espaço econômico no mundo. para estas, ao invés de se reclamar o cumprimento de um preceito difuso, do lado da oferta, de "indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão", os órgãos reguladores deveriam criar um mercado de escolas de formação para empregabilidade e cobrar-lhes resultados do lado da demanda. marques, a PWC e as empresas todas, com muita razão, querem pessoas que saibam, na prática, o que seus diplomas dizem que elas deveriam saber, em tese. ou seja, querem que o sistema de formação produza conteúdo e não diplomas.

street-dog.jpga frase de marques, quase no fim da olimpíada, é reforçada pela nossa, digamos, performance olímpica. lá em beijing, tendo que competir com o mundo [e não no pan, no rio, onde quase ninguém veio…] nossa equipe parece uma matilha de vira-latas, com as sempre raras e pouquíssimas exceções, os cielo, maggi, scheidt e muitos poucos outros. a grande exceção à regra é o vôlei, não por acaso resultado de um sistema de seleção, formação e preparação para criar resultados de classe mundial, que quando não chega no ouro [como as meninas, no sábado, e talvez os homens, neste domingo] está sempre lá, sempre competindo, contra tudo e todos, sem medo de cara feia, brigando pelo primeiro lugar. com rosto, expectativas, olhar, preparo e competências de mundo.

para resolver nosso apagão olímpico, precisamos melhorar o sistema de educação como um todo, descobrindo atletas lá na base, selecionando, treinando, criando oportunidades de competir com os melhores, em todos os lugares do mundo. para resolver nosso apagão humano, em tecnologias da informação e comunicação, a receita não é muito diferente: precisamos melhorar a formação de matemática na base da pirâmide; precisamos trazer lógica para o currículo, precisamos de laboratórios de física e quimica nas escolas, temos que universalizar o acesso a internet para alunos [na escola] e professores [nas suas casas, inclusive] e temos que tratar professores e alunos como o futuro da nação.

dia destes me pediram para contribuir para a feitura de um índice que medisse a qualidade da educação no brasil. a idéia era completar a frase "educação básica, no brasil, será um problema resolvido quando…" e meu complemento foi… "quando nenhuma professora primária no interior estiver ganhando menos do que um motorista de ônibus na capital". simples. porque todo mundo funciona dentro de um universo de incentivos. você pode até querer muito uma medalha olímpica e, mesmo sem um sistema, tornar-se um herói e conseguir uma, como o ouro de maggi. mas, sem sistema, como querer que atletas olímpicos que ganham salário mínimo [como a goleira da equipe feminina de futebol] estejam consistentemente no topo do mundo? eles precisam pagar contas, como todos nós. ela, a goleira, que é de recife e vive aqui, talvez possa se dar muito melhor [na vida] como motorista de ônibus [aqui, o piso é R$1.140]. talvez a minha frase sobre educação também valha para os atletas…

os vira-latas de beijing, resultado de acasos, sem apoio de um sistema estruturado para levar brasileiros aos pódios do mundo, tem um paralelo no mercado de trabalho: são muitos os brasileiros correndo atrás de trabalhos que existem, mas para os quais a larga maioria dos que têm diploma [e estes são muito poucos, em relação ao total] não têm o menor preparo prático, para a vida real. resultado? na olimpíada do mercado, que rola todo dia, dia e noite, no mundo, passamos ao largo do pódio do conhecimento e somos, cada vez mais, um país de commodities. como no império. e aí o negócio talvez seja, mesmo, formar bacharéis… e esquecer o trabalho e as medalhas.

Artigos relacionados

0 Responses to nosso [olímpico] apagão humano

  1. Lucia Freitas disse:

    O pior é ver um post desta natureza e qualidade sem um único comentário, enquanto a Siri e o Mion recebem milhares – dizem por aí.
    Impressionante a capacidade brasileira de não prestar atenção ao que consome-escolhe-faz – e às conseqüências de tudo isso.
    Obrigada pelo post, Meira.

  2. Lucia Freitas disse:

    O pior é ver um post desta natureza e qualidade sem um único comentário, enquanto a Siri e o Mion recebem milhares – dizem por aí.
    Impressionante a capacidade brasileira de não prestar atenção ao que consome-escolhe-faz – e às conseqüências de tudo isso.
    Obrigada pelo post, Meira.

  3. srlm disse:

    lucia,

    grato pelo comentario; o importante, nestas coisas de longo prazo como educacao [e conversacao consequente] e a gente NAO desistir. o tempo tem mostrado que as pessoas, os paises, a humanidade… dadas as condicoes… mudam.

    grande abraco,

    s

  4. srlm disse:

    lucia,

    grato pelo comentario; o importante, nestas coisas de longo prazo como educacao [e conversacao consequente] e a gente NAO desistir. o tempo tem mostrado que as pessoas, os paises, a humanidade… dadas as condicoes… mudam.

    grande abraco,

    s

  5. flavio disse:

    Maravilhoso comentário.;
    Que bom começar um domingo lendo um texto bem pensado e bem escrito.

  6. flavio disse:

    Maravilhoso comentário.;
    Que bom começar um domingo lendo um texto bem pensado e bem escrito.

  7. Vera disse:

    E a educação voltada para a formação de seres humanos, com uma visão geral das Humanidades, das Artes e da Filosofia, não conta não? Só conta matemática, física, engenharia? Só para preparar, treinar, gente para o mercado de trabalho, a empregabilidade comercial, e nada para formar gente que pense com a própria cabeça, tenha uma visão abrangente do mundo, da cultura?

  8. Vera disse:

    E a educação voltada para a formação de seres humanos, com uma visão geral das Humanidades, das Artes e da Filosofia, não conta não? Só conta matemática, física, engenharia? Só para preparar, treinar, gente para o mercado de trabalho, a empregabilidade comercial, e nada para formar gente que pense com a própria cabeça, tenha uma visão abrangente do mundo, da cultura?

  9. Raphael Barros disse:

    Muito interessante quando Silvio toca mais uma vez nessa “ferida aberta”. Peço perdão se estiver sendo repetitivo mas, este ano de eleições é uma ótima oportunidade para iniciármos as mudanças necessárias.

  10. Raphael Barros disse:

    Muito interessante quando Silvio toca mais uma vez nessa “ferida aberta”. Peço perdão se estiver sendo repetitivo mas, este ano de eleições é uma ótima oportunidade para iniciármos as mudanças necessárias.

  11. Marcus disse:

    Texto magistral, Silvio. Um dos melhores, mais completos e mais lúcidos que você já publicou aqui no blog. Vou passar adiante (com o crédito, claro); as pessoas precisam ler isso.

  12. Marcus disse:

    Texto magistral, Silvio. Um dos melhores, mais completos e mais lúcidos que você já publicou aqui no blog. Vou passar adiante (com o crédito, claro); as pessoas precisam ler isso.

  13. Olá Vera, acho que você se apegou a algumas partes do texto e não ao todo. Não li em nenhuma linha do texto do professor Meira dizer que a formação humana não importa (apesar dela também ser falha em nosso país).
    Acho que o foco é que não adianta ter gente culta nas áreas humanas (bachareis) e não ter tecnicos para construir as demandas por infra-estrutura e tecnologia que o nosso país precisa. E formar tecnicos é mais caro que formar bachareis, pois os laboratórios de física e quimica são mais caros que salas de aula e quadro branco.
    Pelo menos assim que eu entendi.

    []´s

    Rodrigo

  14. Olá Vera, acho que você se apegou a algumas partes do texto e não ao todo. Não li em nenhuma linha do texto do professor Meira dizer que a formação humana não importa (apesar dela também ser falha em nosso país).
    Acho que o foco é que não adianta ter gente culta nas áreas humanas (bachareis) e não ter tecnicos para construir as demandas por infra-estrutura e tecnologia que o nosso país precisa. E formar tecnicos é mais caro que formar bachareis, pois os laboratórios de física e quimica são mais caros que salas de aula e quadro branco.
    Pelo menos assim que eu entendi.

    []´s

    Rodrigo

  15. silvia disse:

    Silvio meira,

    Sou leitora de terra magazine e hoje especialmente adorei sua pensata sobre as Olimpiadas, o Brasil, todos nós brasileiros.
    É isso mesmo. Sem tirar,nem pôr.

  16. silvia disse:

    Silvio meira,

    Sou leitora de terra magazine e hoje especialmente adorei sua pensata sobre as Olimpiadas, o Brasil, todos nós brasileiros.
    É isso mesmo. Sem tirar,nem pôr.

  17. Paulo Nasc disse:

    Caro S.M.: de apagão em apagão nós brasileiros vamos resvalando para aquilo que Nelson Rodigues emplacou (implacável) como nosso “complexo-de-viralatas”. Fiquei meio atordoado quando perguntando ao meu sobrinho, formando em agronomia por uma de nossas universidades federais, sobre o programa de biocombustível de sua faculdade ele respondeu-me ser isso inexistente por lá. Você tem razão mais uma vez: “passamos ao largo do pódio do conhecimento e somos, cada vez mais, um país de commodities.” , ao som da dupla do atrazo fritãozinho e trololó e o sorriso maroto/malandro do inefável polé, digo, pelé.

  18. Paulo Nasc disse:

    Caro S.M.: de apagão em apagão nós brasileiros vamos resvalando para aquilo que Nelson Rodigues emplacou (implacável) como nosso “complexo-de-viralatas”. Fiquei meio atordoado quando perguntando ao meu sobrinho, formando em agronomia por uma de nossas universidades federais, sobre o programa de biocombustível de sua faculdade ele respondeu-me ser isso inexistente por lá. Você tem razão mais uma vez: “passamos ao largo do pódio do conhecimento e somos, cada vez mais, um país de commodities.” , ao som da dupla do atrazo fritãozinho e trololó e o sorriso maroto/malandro do inefável polé, digo, pelé.

  19. Jarley disse:

    Grande texto Sílvio! Gostaria que os gestores de nossas faculdades particulares aqui em Recife tivessem acesso ao seu post 🙂

  20. Jarley disse:

    Grande texto Sílvio! Gostaria que os gestores de nossas faculdades particulares aqui em Recife tivessem acesso ao seu post 🙂

  21. cesar disse:

    ” talvez possa se dar muito melhor [na vida] como motorista de ônibus [aqui, o piso é R$1.140].”
    acho que essa frase também se encaixaria muito bem se estivéssemos falando do salário dos programadores do C.E.S.A.R. …

    [[silvio meira diz:

    meu caro, se voce acha que ganha pouco no c.e.s.a.r, procure outro lugar pra trabalhar;

    conheco MUITOS programadores e engenheiros de software que ganham MUITOS, MAS MUITOS milhares de reais por mes; ha gente ganhando acima de 10^4. a pergunta que voce deve se fazer e como chegar la; se sua resposta particular for sair da universidade, como engenheiro de alguma coisa, e comecar ganhando 10^4, faca um destes concursos publicos de 10^4 candidatos/vaga, passe e comece ganhando 10^4 ou mais.

    simples, nao? caso contrario, aprenda, pratique, trabalhe, revise, desaprenda, leia muito, descubra como reaprender rapido, se posicione no mercado, faca uma especializacao ou mestrado, aprenda uma segunda lingua muito bem, se prepare pro mundo.

    se este {estes} nao for seu caso, me mande emeio que eu lhe dou uma carta de referencia pra duas ou tres empresas de onibus que conheco de perto. elas exigem carteira de motorista profissional, experiencia de alguns anos e aprovacao em teste psicotécnico… torco pra que voce atenda estes requisitos…]]

  22. cesar disse:

    ” talvez possa se dar muito melhor [na vida] como motorista de ônibus [aqui, o piso é R$1.140].”
    acho que essa frase também se encaixaria muito bem se estivéssemos falando do salário dos programadores do C.E.S.A.R. …

    [[silvio meira diz:

    meu caro, se voce acha que ganha pouco no c.e.s.a.r, procure outro lugar pra trabalhar;

    conheco MUITOS programadores e engenheiros de software que ganham MUITOS, MAS MUITOS milhares de reais por mes; ha gente ganhando acima de 10^4. a pergunta que voce deve se fazer e como chegar la; se sua resposta particular for sair da universidade, como engenheiro de alguma coisa, e comecar ganhando 10^4, faca um destes concursos publicos de 10^4 candidatos/vaga, passe e comece ganhando 10^4 ou mais.

    simples, nao? caso contrario, aprenda, pratique, trabalhe, revise, desaprenda, leia muito, descubra como reaprender rapido, se posicione no mercado, faca uma especializacao ou mestrado, aprenda uma segunda lingua muito bem, se prepare pro mundo.

    se este {estes} nao for seu caso, me mande emeio que eu lhe dou uma carta de referencia pra duas ou tres empresas de onibus que conheco de perto. elas exigem carteira de motorista profissional, experiencia de alguns anos e aprovacao em teste psicotécnico… torco pra que voce atenda estes requisitos…]]

  23. Daniel disse:

    Belo desabafo, Silvio… acrescento um “paradoxo” e outro desabafo.

    Paradoxalmente, =nas carreiras ligadas às TIC, sobretudo Ciência da Computação, assistimos à queda da demanda pelos alunos, uma falta de interesse e seguir esta carreira, que é frustrante. Isto com o mercado aquecido, demandando mão de obra, etc… (e portanto, não se trata de falta de incentivo de carreira, empregabilidade, etc…).

    O desabafo – leio no jornal que gastamos (nós, contribuintes) R$692 MILHÕES para bancar este “esforço olímpico” nos últimos 4 anos. Não posso deixar de pensar, com meus botões, para onde é que foi todo este dinheiro… os resultados, é o que vimos. Paradigmático, infelizmente.

  24. Daniel disse:

    Belo desabafo, Silvio… acrescento um “paradoxo” e outro desabafo.

    Paradoxalmente, =nas carreiras ligadas às TIC, sobretudo Ciência da Computação, assistimos à queda da demanda pelos alunos, uma falta de interesse e seguir esta carreira, que é frustrante. Isto com o mercado aquecido, demandando mão de obra, etc… (e portanto, não se trata de falta de incentivo de carreira, empregabilidade, etc…).

    O desabafo – leio no jornal que gastamos (nós, contribuintes) R$692 MILHÕES para bancar este “esforço olímpico” nos últimos 4 anos. Não posso deixar de pensar, com meus botões, para onde é que foi todo este dinheiro… os resultados, é o que vimos. Paradigmático, infelizmente.

  25. Cristina disse:

    Temo que ainda vamos precisar de muitos textos como esse até que a maioria valorize o conteúdo, não o diploma. Republique de vez em quando …
    cristina

  26. Cristina disse:

    Temo que ainda vamos precisar de muitos textos como esse até que a maioria valorize o conteúdo, não o diploma. Republique de vez em quando …
    cristina

  27. Analista, Programador, Operador e... disse:

    Silvio, grande análise, não trocaria palavra! Mesmo sendo o melhor sistema economico/social que temos, o capitalismo só gera sinergia nos lugares onde os governantes/empresas escolhem os incentivos corretos para as atividades desejadas e sabem mudar os incentivos na hora certa.

    Infelizmente, as empresas só conseguem enxergar os problemas da condução governamental, não os próprios erros. No caso do Porto Digital, em Recife, onde há um pacto/cartel entre todas as empresas/ONGs participantes para não contratar funcionários uns dos outros, mantendo os salários artificialmente baixos, – e assim, a produtividade tambem – as consequencias dessa economia planificada, mais familiar que socialista, todos sabem: os melhores profissionais acabam recebendo algum treinamento e, sem bons incentivos para ficar, vão para São Paulo ou além-mar.

    Continue escrevendo bons textos, parabéns por esse!

  28. Analista, Programador, Operador e... disse:

    Silvio, grande análise, não trocaria palavra! Mesmo sendo o melhor sistema economico/social que temos, o capitalismo só gera sinergia nos lugares onde os governantes/empresas escolhem os incentivos corretos para as atividades desejadas e sabem mudar os incentivos na hora certa.

    Infelizmente, as empresas só conseguem enxergar os problemas da condução governamental, não os próprios erros. No caso do Porto Digital, em Recife, onde há um pacto/cartel entre todas as empresas/ONGs participantes para não contratar funcionários uns dos outros, mantendo os salários artificialmente baixos, – e assim, a produtividade tambem – as consequencias dessa economia planificada, mais familiar que socialista, todos sabem: os melhores profissionais acabam recebendo algum treinamento e, sem bons incentivos para ficar, vão para São Paulo ou além-mar.

    Continue escrevendo bons textos, parabéns por esse!

  29. Ismael disse:

    Aqui é Brasil…nada é feito aqui se não puder ser inaugurado em um mandato…reforma na educação é prejudicial aos políticos brasileiros e não pode se feita no período citado…não gera votos

  30. Ismael disse:

    Aqui é Brasil…nada é feito aqui se não puder ser inaugurado em um mandato…reforma na educação é prejudicial aos políticos brasileiros e não pode se feita no período citado…não gera votos

  31. cesar disse:

    Boa colocação Analista, Programador, Operador e… , e já não bastava o cartel. Os salários baixos ainda fazem com que os concursos de nível superior para a área de TI em Recife siga também esses baixos salários …
    Infelizmente não são todos que tem condições aprender uma 2ª língua ou coisas do tipo Sílvio.
    Sem mais. VIVA O CESAR E CIA LTDA

  32. cesar disse:

    Boa colocação Analista, Programador, Operador e… , e já não bastava o cartel. Os salários baixos ainda fazem com que os concursos de nível superior para a área de TI em Recife siga também esses baixos salários …
    Infelizmente não são todos que tem condições aprender uma 2ª língua ou coisas do tipo Sílvio.
    Sem mais. VIVA O CESAR E CIA LTDA

  33. Adriano disse:

    O problema não é só o governo, mas a tríade governo-empresário-empregado.

    Governo = corrupto e desleixado.

    Empresário = excessivamente ganancioso, corruptor e arrogante (a culpa é sempre do governo e/ou do empregado. Né, Sílvio?)

    Empregado = desunido

    E outra coisa: o salário do CESAR é baixo mesmo. Contra fatos não há argumentos.

    p.s. não sou do CESAR e aqui tem muito baba-ovo

  34. Joselito disse:

    C.E.S.A.R. = Trabalho escravo + Baixa remuneração

  35. Joselito disse:

    C.E.S.A.R. = Trabalho escravo + Baixa remuneração

  36. Tudo bem Meira ?
    Não sei se é possível discutir os comentários, mas se publicasse em seu blog algo sobre Neurociências, a Vera ficaria mais esclarecida e as pessoas que estão na dúvida entre Recife ao Sampa, se preocupariam mais com o “vizinho” indiano ou chinês.
    Parabéns pelo blog.

  37. Tudo bem Meira ?
    Não sei se é possível discutir os comentários, mas se publicasse em seu blog algo sobre Neurociências, a Vera ficaria mais esclarecida e as pessoas que estão na dúvida entre Recife ao Sampa, se preocupariam mais com o “vizinho” indiano ou chinês.
    Parabéns pelo blog.

  38. Caveman disse:

    As faculdades publicas de pedagogia são ridículas.

    O que as futuras professorinhas aprendem lá é podre.

    Basicamente aquilo lá é um escolão pra ensinar a tia a cuidar de mendigos mirins.

    Não existe preocupação em aproveitar os talentos e lança-los à um futuro brilhante.

    O mais importante é inclusão, saber local e “construção”.

    Ciências, matemática e tecnologia são escravizantes e alienantes.

    As tias não gostam, não sabem e nem querem saber. E batem no peito com orgulho: não sei fazer trabalhar com potências de 10.

    São um bando de recalcadas.

    Ora faça-me o favor.

  39. Caveman disse:

    As faculdades publicas de pedagogia são ridículas.

    O que as futuras professorinhas aprendem lá é podre.

    Basicamente aquilo lá é um escolão pra ensinar a tia a cuidar de mendigos mirins.

    Não existe preocupação em aproveitar os talentos e lança-los à um futuro brilhante.

    O mais importante é inclusão, saber local e “construção”.

    Ciências, matemática e tecnologia são escravizantes e alienantes.

    As tias não gostam, não sabem e nem querem saber. E batem no peito com orgulho: não sei fazer trabalhar com potências de 10.

    São um bando de recalcadas.

    Ora faça-me o favor.