MENU

Escrito por • 19/10/2008

o sigilo do imposto de renda

…nos EUA. uma auditoria do IG [inspetor geral do governo americano] concluiu que "until security control vulnerabilities are corrected, the IRS is jeopardizing the confidentiality, integrity, and availability of the massive volume of taxpayer…". pelo andar da carruagem, a receita federal americana não está garantido a confidencialidade, integridade e disponibilidade das informações dos contribuintes lá dos estados unidos.

numa atitude típica de responsáveis por órgãos de governo que são auditados por razões de segurança, o chief information officer [CIO] do IRS, arthur gonzalez, foi contra a divulgação do trabalho do inspetor geral e disse que… "we strongly object to public dissemination of information about IRS security vulnerabilities, as we believe it poses unnecessary and unacceptable risk to our national tax system and economic infrastructure"… ou seja: somos radicalmente contra a divulgação das vulnerabilidades de segurança da receita federal [de lá dos eua], pois isso cria riscos desnecessários para o sistema nacional de impostos e para a infra-estrutura econômica do país.

mas contra fatos não há argumentos, mr. gonzalez: o sistema de imposto de renda dos eua é vulnerável E uma auditoria federal acima de qualquer suspeita disse exatamente isso. resta ao pessoal do IRS trabalhar para melhorar sua segurança.

e aqui no brasil, hein?  a idéia de dados dos contribuintes à venda nas calçadas da santa ifigênia, em são paulo, é mais que mera lenda urbana, segundo alguns. o governo federal, aqui, acaba de decretar um processo de melhora na gestão e segurança de informação sob sua responsabilidade. isso depois do TCU, meses atrás, dizer que a gestão e, principalmente, a segurança da informação, na administração federal, estavam muito abaixo da crítica.

mas ninguém disse nada sobre a santa ifigênia. e aí? é ou não possível comprar declarações de imposto de renda no meio da rua, em são paulo, à vista de todos?… já deu até no jornal hoje, mas nem tudo o que aparece na TV, como se sabe, é verdade…

 

Artigos relacionados

0 Responses to o sigilo do imposto de renda

  1. EMIR BRAZ disse:

    O sitema deproteçãoa dados no Brasil deve ficar a cargo do contribuinte e o Estado não tem que tutelar tal absurdo. O Sigilo telefônico no mundo inteiro não tem as garantias que tem aqui no Brasil. Não sei por que que o Estado tem que tutelar esse absurdo. O custo legis é muito grande. Cada um deve saber o que fala no telefone e assumir tudo que diz. Como é que o Estado tem que dar proteção a tudo que disem no telefone???
    Tem que ter autorização da justiça pra grampear bandidos???
    Isso é proteção ao crime organizado.
    Ainda bem que o polícia federal tem aquelas malas com tecnologia de ponta.
    Temos que apresentar nossa declaração de rendas todos os anos aos órgãos que estamos lotados. Eles só não são publicados. Então não tem por que proteger dados de contribuintes. A menos que seja mentirosos, é isso???

  2. Rúbia Ferreira Sousa disse:

    Por saber o quanto se avança os programas abertos no país digo, que, o conhecimento não deve ser atributos de alguns poucos. Acredito ser de compentência da democracia avançar rumo ao desconhecido e desbravar caminhos a terceiros visando o bem honesto e integro a todos. Temos uma constiruição alicersada no bem dos brasileiros e casa haja desconfiança cabe aos nossos governantes honrar seus pleitos e fazer jus aos povo que os elegeram.

  3. Gilson Omar Fochesato disse:

    Qual o interesse do sigilo fiscal/bancário? É o interesse das classes dominantes, cujos integrantes não fornecem a contrapartida do que o estado concede a eles. O Estado protege-os de toda maneira (principalmente no aspecto econômico). Transparência é o que deve haver em toda a nação. Não esqueçam que a nações na Europa (países nórdicos) que informam os rendimentos de seus cidadâos nos jornais. Na Inglaterra qualquer operação de compra e venda de imóvel há total publicidade. Repito, o sigilo beneficia os que mais tem e os que mais se utilizam do Estado a seu benefício próprio. É típico de país colonizado.