MENU

Escrito por • 19/03/2012

o substituto do emeio

paul graham está no negócio de financiar novos negócios inovadores de crescimento empreendedor há muito tempo, é "o" cara do Y combinator, um dos aceleradores de empresas mais famosos e mais bem sucedidos do mundo. graham vê milhares propostas de começar negócios inovadores por ano. e tem coisas que ele não vê de jeito nenhum. resultado? uma lista de negócios bilionários esperando alguém para fazê-los agora. o post anterior foi sobre o primeiro item da lista, "a próxima máquina de busca" e este é sobre o segundo, como substituir emeio.

graham diz que emeio [email, correio eletrônico…] não é um sistema de e para troca de mensagens, mas uma [longa] lista de coisas a fazer, com um caso degenerado que é quando alguém quer que você realmente leia alguma coisa e, depois, não faça nada sobre o que leu. há casos mais obtusos, que passam pelos .PPS de megabytes no seu emeio, com trilha sonora e tudo… para o que parece haver pessoas altamente especializadas em achar que, por alguma carga d'água, você não poderia viver sem eles. graham diz que os protocolos de emeio não deveriam ser de mensagens, mas de coisas-a-fazer e, como tal, dar mais poder a quem recebe uma indicação do que fazer do que o emeio atual permite. de tal ponto de vista, trata-se de empoderar o receptor, provendo meios para que ele selecione de forma mais eficiente e eficaz o que lhe é mandado pelo transmissor.

hoje, emeio não é a melhor forma de criar uma lista coletiva [ou corporativa] de coisas a fazer. há muitas ferramentas especializadas nisso. o problema é que emeio é mais ou menos padrão. e muito aberto. todo mundo pode mandar emeio para todo o resto do mundo e, com raras exceções, qualquer mensagem mandada entre quaisquer pontos chega. inclusive o trilhão de emeios de spam enviado todo dia [chegou a dois trilhões em maio de 2011], o que faz com que a porcentagem de mensagens legítimas fique no máximo em 30%. um inferno que eu e você conhecemos nas nossas caixas de entrada e que não tem melhorado muito com o tempo.

graham diz que se alguém encontrar uma solução que, ao mesmo tempo, atraia gente interessante para usar logo na partida e seja boa o suficiente [também no começo] para todo mundo achar que vale alguma coisa [ou seja, tem que ser muito melhor do que gmail, hotmail, etc…] e deveria ser paga [dezenas de dólares por ano…] este é um negócio de bilhões e, você sendo sócio, um deles é seu.

parece certo que não dependeremos do emeio que temos hoje da mesma forma, no futuro. muita gente mais nova nem manda emeio mais; está no skype, nos IMs das redes sociais, nas infraestuturas de redes sociais para empresas como podio. mas tais redes não resolvem o problema que emeio resolve, a criação e manutenção de uma lista aberta, dirigida a você [e não por você, pelo menos não de uma forma simples e efetiva], com a qual todo mundo pode interagir. o problema, você diria, é o "todo mundo". seja lá qual for, emeio como nós conhecemos tem quase 50 anos e parece ser uma daquelas coisas que está aí há tempo suficiente para alguém refazer, de uma forma simples, sofisticada e revolucionária ao mesmo tempo.

pois bem: o blog resolveu perguntar ao prof. andre santos, vice-diretor do centro de informática da UFPE e membro do comitê gestor do instituto nacional para engenharia de software, INES, o seguinte: qual a possibilidade desse substituto de emeio vir do brasil, de três pontos de vista 1. científico, 2. tecnológico e 3. de empreendedorismo e investimento?

a resposta de andré…

Não consegui refletir mais profundamente se realmente o email poderia ser substituído inteiramente por algo na linha de uma to do list, mas certamente uma parte muito grande deles se encaixa nesse perfil.

Uma solução como esta pode surgir e crescer sem necessitar de algo que venha imediatamente querer substituir ou competir com um Hotmail ou Gmail, mas como uma solução alternativa ou complementar ao que eles oferecem, substituindo aos poucos o que é feito usando email. Afinal, este é o caminho que já foi e é trilhado pelas instant messages (que já são muito mais usadas pelos mais jovens ao invés do email) e outros mecanismos de troca de informações dentro de redes sociais como Twitter e Facebook. Sob esse aspecto o email já está sendo substituído em várias instâncias.

Especulando um pouco mais, vejo dois caminhos que podem ser trilhados nessa direção: a substituição de alguns tipos de emails por serviços alternativos, como, por exemplo, os calendários compartilhados onde você pode dar liberdade para determinadas pessoas marcarem reuniões com você, dentro de determinados critérios (alunos em tais horários, colegas em tais outros, etc.) ou pedirem reuniões nesses sistemas. Ou acesso para incluírem atividades nas suas to do lists. Isso já é oferecido em alguns serviços, mas creio ainda tem muita resistência cultural pelas pessoas e empresas e precisa, como uma rede social, que as pessoas mudem para esta forma de agir muito rapidamente para que se torne realmente útil e viável.

Mas eu acredito mais em um segundo caminho, que não precisa que todas as pessoas e empresas com quem você interage mudem seus hábitos, em que [programas] assistentes inteligentes filtrem e leiam seus emails, reconhecendo esses vários tipos de pedidos e interações, e trate muitos deles de forma automática, classificando e processando seus textos (ou protocolos, como sugere Graham). Este "assistente" saberia (ou sugeriria) o que deve ir para a agenda, para uma to do list, para qual to do list, etc.

Esse trabalho também é oferecido, de forma muito limitada, pelos leitores de email, mas exige um trabalho tedioso e muito suscetível a erros, feito pelo próprio usuário, para programar esses filtros.

Este segundo caminho precisaria se tornar muito mais inteligente, e portanto tem um amplo espaço para ser explorado do ponto de vista científico, técnico e de empreendedorismo nacional, pois é algo que pode começar daqui, para aqui mas também para o mundo.

Um exemplo deste caminho de ler e entender sua caixa postal é o site TripIt. Ele pode ser configurado para ler seus emails, e sempre que chega um bilhete de passagem aérea, ou reserva de hotel ou carro, por exemplo, ele organiza essas informações de forma a manter todas as informações de sua viagem organizada e em um só lugar. Ele reconhece e lê a informação de uma infinidade de companhias aéreas e sistemas de reservas, que são todos diferentes entre si. Para executivos e pessoas que viajam muito isto tem um valor agregado significativo.

Do ponto de vista científico nacional certamente temos pessoal capacitado para criar soluções simples mas também sofisticadas para os desafios que este tipo "assistente" necessita, seja em inteligência artificial, algoritmos ou engenharia de software, por exemplo, para "entender" e processar essas mensagens corretamente. O mesmo pode ser dito do nosso pessoal técnico, que implementaria tais soluções em produtos comerciais.

Também acredito na capacidade de empreendedorismo e investimento nacionais na direção de poder criar e viabilizar uma solução inovadora como esta, cujo grande desafio é criar os modelos de negócio que permitam o desenvolvimento e adoção de algo assim a um custo atrativo e viável.

No mundo de hoje não há nada que impeça que uma solução assim seja criada a partir do Brasil. A não ser que nos faltem empreendedores e investidores para desafios tão ousados como ter como premissa o fim do email…

segundo andré, temos conhecimento [em potencial] e temos gente para empreender e investir [em potencial, também]. resta fazer. fazer algo que ninguém conseguiu fazer nos últimos 10 anos, que é o tempo em que quase todos já descobrimos que há alguma coisa fundamentalmente errada com emeio mas, apesar disso, não achamos o substituto. ou um bom substituto.

há algum tempo, acho que um possível substituto do emeio teria algo a ver com skywriting [“escrever” no céu, com aviões], só que transposto para a web [inspirado por harnad, neste link] e, quem sabe, não tento atacar este problema? afinal de contas, também estou atrás de meu bilhão…

skywriting

Artigos relacionados

0 Responses to o substituto do emeio

  1. Ótima abordagem, tendo em vista que, há mais ou menos um ano tinha comentado com um colega que o e-mail era coisa do passado e que o Twitter já vinha sendo utilizado para substituí-lo e ele chegou a duvidar se isso seria mesmo possível. Fico feliz em ver que a minha visão não estava errada, só faltou incluir outros recursos [sistemas] como os IMs que foram adicionados aqui.

    Pois bem, acredito que ainda não temos um substituto [de fato] por não termos [a grande população] Internet em todos os dispositivos [Pcs, celulares, tvs…] e por conta do nosso 3G [que está mais próximo de 1G ou G/2]. Outro fator, que no texto ficou claro, é o protocolo aberto do e-mail. Hoje posso mandar e-mail para qualquer um (de maneira privada ou não) o que no Twitter ou IMs da vida não tenho como. Quando isso for possível e-mail será coisa do passado, assim como carta está sendo hoje (só servirá para grandes encomendas, ops, arquivos…).

  2. Ronaldo disse:

    O conteúdo pode até ter alguma substância, mas a forma que o jornalista escreve seus textos é cansativa.
    Depois de 10 linhas de leitura, já estou entediado…
    Falta uma maior dinâmica na escrita. Falta um toque qualquer que dê maior fluidez…Enfim, chato!

  3. Luciano disse:

    Onde estão as letras maiúsculas no início das frases? Cansativo!

  4. Kleber Lacerda disse:

    Não dá para ler um texto só com minúsculas, contaminação desnecessária por pretensão “cult” ou “new digital”. O conteúdo pode ser bom, mas fica muito pedante.

  5. Kleber Lacerda disse:

    O maior problema do e-mail é a enxurrada de “spams”. No mais é questão de saber usar. Grandes vantagens ainda não encontradas nos outros meios: sem as indigestas publicidades e possibilidade de filtros e armazenamento organizado, até por arquivos pdf com índice automático, recurso do Adobe.

  6. Pablo disse:

    Tem gente ai acima que precisa ler “What is the Internet doing to our brains” para saber porque achou este texto cansativo.

  7. Lourdes Carloti disse:

    Noooossa!!! Que explanação mais truncada….

  8. Henrique disse:

    Um simples projeto de faculdade (projetão, mestrado, doutorado) apoiado pelos professores do CIn (coisa não tão comum) levada a nível de uso para toda a UFPE e demais universidades locais, poderia ser o primeiro impulso para um projeto desse tipo.
    Mas, dificilmente existe incentivo/apoio. Existem até muitos grupos contrários a esse tipo de movimento.
    *Gente qualificada: Existe sim. Concordo.
    *Ensejo/Momentum: Ainda não. Infelizmente.

  9. Alexandre disse:

    Eu acho essa idéia uma redução do potencial do email. O email é o que é: uma correspondência. Você pode escrever para amigos. E o melhor, sem precisar fazer parte da CONSPIRAÇÃO GLOBA do facebook. Isso sim, um lixo (mas que paga as tuas contas … já email, por ser decentralizado, é ruim né amigo que escreve o que te pagam para escrever?) Mais um na folha de pagamento de satã na terra, ou seja, rupert murdoch

  10. Muito interessante!Creio que a aliança da informação organizada por prioridade+disponível(na tela+perfilizada(standar) +rapidez com profundidade de busca seria uma inicial.O usuário

  11. MICHELL disse:

    oi Serjão

  12. Venho com frenquencia ler a coluna do Silvio Meira, mas não dá… odeio o texto dele! Além da estrutura do texto em si, esse negócio de letras minúscula em tudo deixa a leitura impraticável, muito cansativa…

  13. Erico disse:

    realmente letra minuscula, palavras com grafias erradas de propósito, não valem minha leitura!

  14. P.S. – É obvio que eu quis dizer “Frequencia”, né. Erro de digitação!

  15. Maria Paula disse:

    Prezado Silvio Meira,

    O conteúdo realmente é interessantíssimo. Já a falta de maiúsculas para iniciar as frases não. Especialmente quando conjugados com parágrafos extensos.

    Você não é o Saramago, não fique inventando moda com a gramática. Fica a dica.

  16. Rogerio disse:

    Acho extranho que gente tão qualificada não consiga perceber a diferença entre a importancia e a necessidade de um email e seu uso eventualmente distorcido.
    Será que queremos ficar conectados o tempo todo em Skipes, IM, twiters.
    Acredito que a abordagem do assunto foi equivocada.

  17. João disse:

    Silvio, você tem o CESAR, a pós do CIN, o dinheiro e as conexões. Por que não parte para resolver, de verdade, este problema?

  18. luisa disse:

    Eu li direito, “emeio”? me poupe com essa “revoluação” da escrita. E vai aprender a coocar letra maiúscula.
    E achei que esse texto é muito “hipster” em querer acabar com o e-mail. Ele é necessário. É como dizer que o correio normal deve acabar.

  19. luisa disse:

    Eu li direito, “emeio”? me poupe com essa “revoluação” da escrita. E vai aprender a coocar letra maiúscula.
    E achei que esse texto é muito “hipster” em querer acabar com o e-mail. Ele é necessário. É como dizer que o correio normal deve acabar.

  20. Andreopoulos disse:

    Querendo ser diferente, inovador, o autor torna o texto maçante, quase ilegível!
    Faça o básico: escreva corretamente para se comunicar!

  21. thomas kevin disse:

    Um texto pedante,chato, “emeio” sem noção. Vc não tinha outro assunto para discorrer não tão “emeio” . Enfim: “cultura inútil”

  22. Andreopoulos disse:

    em tempo: ainda bem que eu tenho a opção de não ler mais!!

  23. Pauo Rangel disse:

    Estamos mal de “colunistas”. Será o emeio fim de zh?

  24. Jaison disse:

    lendo esse artigo, parece que ele estava em ingles e foi traduzido pelo google automaticamente, pois o texto esta horrivel e cansativo, e quanto ao twitter substituir os emails (emeios) (arghhhh) nem pensar, imagina uma grande empresa os funcionarios trocando (emeios) por twitter???? cada um que aparece…ta doido!!!!!

  25. silvana disse:

    substituto do EMEIO foi demais, pessoal…
    desanimador ler um texto assim

  26. Alexander Victor disse:

    Muuuuuuuito chato…..só pq o tema é digital, é necessário suprimir as maiúsculas do começo das frases? Quer dizer que se propõe o fim do “emeio” e das regras do bom português também? Povo sem noção mesmo…..

  27. Gilson Paulada disse:

    Mas que lixo de texto, terrivelmente escrito, sem conteúdo, com português péssimo, etc e tal.

    Essa bosta sumariza o que são os blogs e ‘artigos técnicos’ de hoje em dia: qqer desclassificado pluga o cabo de rede por aí e sai escrevendo asneiras a torto e a direito.

    @autor dessa droga: parei de ler na sétima linha. Faz um favor pra ti e para o resto do mundo, arranca o cabo de energia do plug e vai virar massa no RodoAnel!

  28. Estanislau disse:

    Medíocre. Esta é a melhor definição para este texto obscuro. Inobstante a importância do tema, o colunista poderia usar nossa língua com mais respeito e não simplesmente usar algum tradutor sobre o texto original e jogá-lo a esmo na WEB. Lamentável. Se não sabe traduzir, peça à alguém ou reproduza o texto original e indique a fonte.

  29. Sílvio L. P. Viana disse:

    Idéia tola…texto horrível…entre outras coisas a falta de MAIÚSCULAS!

  30. Jaison. disse:

    careca tolo do c.a.r.a.l.h.o.

  31. Sandro disse:

    O pior é que esse cara deve ganhar uma grana pra escrever isso aí!!

  32. Alexandre disse:

    Pessoal, ele não usa maiúsculas porque ele gastou todas no título da coluna dele…
    Meu amigo, o senhor girou, girou, girou mas não saiu do lugar… Me avisa quando tiver sua solução pronta pra eu poder evitá-la.
    E ainda tem a pachorra de achar que vai conseguir seu bilhão, kkkk, desse jeito. OH GOD!!!
    Grande abraço!!!!

  33. Paulo Webster disse:

    o “autor” precisa repaginar-se e se tratar com urgência. Cruz, credo! Nunca li um texto tão ruin, mesmo que tenha sido traduzido por software. Foi gasto papel inutilmente(zh, impressa) derrubando nossas florestas para produzir uma droga dessas. ZH deve ser mais seletiva com seus colunistas(sic).

  34. Wellington disse:

    Estamos todos aqui reunidos para o velório! Sim, o velório! Hoje, aqui neste miraculoso artigo, foi assassinado sem pudor nem piedade nosso querido Português, foi uma morte trágica e chocante […] Brasil il il il i il il ,…………..

  35. AKA disse:

    Como diria o saudoso Mussum.

    CACILDIS!!!

  36. JACO disse:

    emeio? Rouli Xit !!! Hehehe

  37. Andre Telck Abdalla disse:

    Essa idéia de ser diferente as vezes estraga. Tão mal escrito que não consegui passar do terceiro parágrafo.
    E aposto que o autor deve se orgulhar disso.

  38. Xema disse:

    Não devemos esquecer, que este colunista escreve para o Terra, assim serndo da mesma forma que o Terra adora contratar estagiários, este colunista está no mesmo nivel.
    Quer inovar o “capires” com “EMEIO” ou será o “GAUCHÊS”.
    Seria bom ele voltar para a escola de jornalismo a aprender a não canibalizar mais ainda a nossa língua.
    Como se não nos bastasse o apedeuta viajado e a “Presidenta”, será que teremos de suportar a estas imbecilidades ?
    Lamento que o Terra está neste nível, e posso afirmar, sem sombra de dúvidas que o jornalismo gaucho está abaixo de qualquer “pasquim” das entranhas amazonenses.

  39. hueheuheu disse:

    Agora eu sei quem fez essa pergunta na web:

    http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080627085726AAJM9Wa

  40. Lulu disse:

    Eu até acho que é legal trazer palavras de outros idiomas para o portugues, mas “EMEIO”….

    SERÁ QUE HÁ UM EMEIO DE SUBSTITUIR O JORNALISTA?

  41. Rafael disse:

    Há algo de errado com esses “gurus” de TI e precisamos trocá-los

  42. DEAN disse:

    kkkkkkkkkkkk, ri demais de alguns comentários.

  43. Bandeira disse:

    A forma não pode se sobrepor ao conteúdo, especialmente quando é, digamos, horrível. Aposto que o autor do texto é, de algum modo, um gênio. Foi a única explicação que me veio em mente para ele conseguir um emprego (ou quase isso) escrevendo desse jeito. E me desculpo desde já pelo comentário “conservador”, “reacionário”, “mau humorado”, “preciosista” ou seja lá como o autor vá interpretar.

  44. Fernando Lima disse:

    Acreditava que para ser jornalista fosse necessário saber escrever na língua pátria. Descobri que não.

  45. Klaiton. disse:

    Ótimo tema. Vou preparar um ppt e enviar por e-mail para todos os meus amigos.

  46. daniel disse:

    isso é igual a nossa democracia representativa, tem alguma coisa errada, mas infelizmente ainda é o melhor que temos!

  47. James disse:

    Véi, é engraçado ver esse povo criticando um dos cientistas mais influentes no Brasil por causa de alguma palavrinhas.

  48. Armando disse:

    Que redação mais confusa ! Dificil de entender ! E onde estão as iniciais maiúsculas dos parágrafos e dos nomes próprios ?

  49. César disse:

    O assunto é interessante, mas o bloguista (Silvio), escreve muito mal o português e não é preciso nas informações!! “EMEIO”!? Está inventando?

  50. Andre disse:

    Concordo com Silvio. Vale a pena conferir essa matéria que também confirma a tendência do fim do email:

    IBM Gives Birth to Amazing E-mail-less Man
    http://www.wired.com/wiredenterprise/2012/01/luis-suarez/

    PS: aos que chamaram o autor de estagiário desqualificado, se deem ao trabalho de consultar o currículo lattes dele
    http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4783142P1

  51. Wilson Freitas disse:

    Há aproximadamente um ano assisti uma palestra do Silvio Meira em que ele disse que escreve os textos todo em letras minúsculas, sem pontuação e com palavras erradas para espantar os idiotas. Veja se isso é possível de se dizer vindo de um professor universitário que vive as custos do governo. É muita arrogância da parte do SM.

  52. Alvaro R Pereira Jr disse:

    Pessoal, quem esta ai falando mal de Silvio Meira, chamando-o de jornalista, é um ignorante. Nao preciso falar quem é Silvio Meira, pois voce tem um buscador de sua preferencia e pode descobrir por si so. So uma observacao: nao foi Silvio Meira quem inventou nao usar letra maiuscula. Trabalhei no Yahoo! Inc. e o seu criador, Jerry Yang, seguindo outras pessoas importantes, tambem digitava tudo sem nenhuma letra maiuscula. Inclusive quando comunicava para todos os 15 mil empregados da empresa. Seguindo esta otima ideia, eu mesmo digito sempre sem acento (a nao ser o é, pois confundiria facilmente com e). Ninguem nunca reclamou, muito menos deixou de entender. O meu tempo, este sim agradece e é bem utilizado. Bem, agora falando do conteudo da materia. Achei o tema muito apropriado e sempre pensei mesmo que temos de criar um substituto para o email bem nos moldes do que o pessoal da Y-combinator sugeriu.

  53. José Eduardo Oliveira De Vincenzo disse:

    É, de fato, o e-mail ficou a reboque da evolução tecnológica, está, mesmo, precisando ser reinventado e logo isto deverá acontecer, mas temos que reconhecer o grande valor do e-mail, de sua origem e formato simples, ou seja, não devemos maltratá-lo, só porque está envelhecido.

    Sobre o cansaço que dá ler em minúsculas, ele realmente existe neste texto, mas seria bem menor se não houvesse parágrafo com mais de uma frase. Ponto final, sozinho, não consegue separar bem duas frases, ponto e vírgula resolve isto melhor, mesmo assim deve ser evitado. O ideal é uma frase por parágrafo, quando não se quer usar maiúsculas.

    Com uma frase por parágrafo dá para ler bem sem as maiúsculas, escrevo assim há 14 anos em meu site e nunca alguém se queixou que o texto era cansativo, embora alguns poucos se queixaram do desrespeito à norma linguística, mas já há anos alguém não se queixa disto.

  54. Paulo Webster disse:

    Esse senhor de mente confusa continua exibindo seus impropérios na página do Terra!!!!! Senhor Redator -Chefe: Não estaria na hora de fazer uma limpesa na Página e reitirar esse lixo? Esse senhor é absolutamente sem noção!

  55. Lourdes Carloti disse:

    A MINHA CUNHADA TAMBÉM ESCREVE ASSIM…. PRINCIPALMENTE QUANDO ESTÁ DIGITANDO ‘BEBADA’ E CAI SOBRE O TECLADO DE VEZ EM QUANDO…. AÍ, SAI TODO TIPO DE LETRA… MAIÚSCULA.. MINÚSCULA… OUTRA FONTE… É UM INFERNO!!!!!

  56. Rogério disse:

    Texto horrível… não da pra ler mais que cinco linhas…

  57. Bruno Piccinini disse:

    Prezado SÍLvio Moreira:
    Sua coluna é confusa. Nunca consigo lê-la. Mude de área.

  58. Eduardo da Fonte disse:

    “Esse senhor de mente confusa continua exibindo seus impropérios na página do Terra!!!!! Senhor Redator -Chefe: Não estaria na hora de fazer uma limpesa na Página e reitirar esse lixo? Esse senhor é absolutamente sem noção!

    Comentário por Paulo Webster — terça-feira, 20 de março de 2012 @ 09:29

    O melhor é escrever limpeza com “s” e reclamar do texto do SM. Sem mais.

  59. Marcelo V Silva disse:

    Grande Silvio !

    Com todo respeito que tenho por ti, vou ter que te pedir mais uma vez para que faças o grande favor de colocar uma observacao no inicio de todos seus EXCELENTES posts (já te pedi isto ao vivo):
    “Sinto muito, mas nao costumo escrever em MAIÚSCULAS e gosto de escrever e-mail como emeio. Os irritados já estão previamente avisados e peço que não percam nem seu tempo nem o tempo de todos os outros leitores deste post fazendo comentários sobre isto. Grato, Silvio Meira.”

    Sem este post vamos continuar perdendo um monte de tempo tendo que ler comentários completamente inúteis que não tem nada a ver com os tópicos relatados no post. Adoro ler comentários úteis, mas ODEIO PERDER MEU TEMPO LENDO OS COMENTÁRIOS SEM RAZÃO NENHUMA DE SEREM POSTADOS ! Espero poder contar com sua ajuda para resolvermos este problema fácilimo de resolver !

    Partindo ao que interessa, o e-mail já está sendo naturalmente substituido pelas ferramentas mais modernas pelos mais jovens. Com o tempo, terá o mesmo fim do outro mail… Basta esperar algumas décadas.

    Quanto a quem usa e-mail hoje como fluxo de trabalho, ou to-do list, acho que podemos ter alguma ferramenta mais eficiente criada em sua excelente universidade. Chega deste Outlook que temos que usar no trabalho, onde todas mensagens são repetidas muitas e muitas vezes. Pelo menos o Gmail já resolveu isto, anexando todas msgs em uma só. Quero sim ver quando teremos a mesma excelente funcionalidade no Outlook !

    Grato e excelente trabalho,
    Marcelo Valentim

  60. Baldim disse:

    Sinceramente, me deu raiva ler “Emeio”, e mesmo chegando até a metade do texto, ainda assim desisiti, ele está péssimo e muito mal escrito.

  61. Paulo Rangel disse:

    Por que o Terra insiste em manter na Página esse texto(sic)? Isso desmerece o Terra que tem pretensões de ser o melhor site de notícias do Brasil. Assim não dá. Já andei visitando globo.com e ig… Estão muito melhores. Já abandonei o Terra como página de abertura. Sei que outras pessoa fizeram o mesmo depois da estupidez que foi publicada. Demitam esse colunista(sic) já!

  62. bibi disse:

    Infelizmente, mão consegui ler o texto sofrível que me causou déficit de atenção, melhor chamarmos um Bababalorixá, urgente!

  63. Eduardo Rossi disse:

    Concordo e reitero o comentário de Marcelo Valentim. Indo ao foco do assunto, a questão da substituição do e-mail é de tempo.
    Nao acredito que leve décadas mas sim alguns poucos anos, principalmente quando a geração Z estiver assumindo cargos de chefia.
    Eles tem outra velocidade e outro nível de relacionamento, sao frios, racionais, ultaconectados e de decisão (nao necessariamente a melhor) rápida.
    Eles nao usarão e-mails e consecutivamente seus colaboradores ou se adaptam ou estão fora.
    Pessoal atentem-se as mudanças, ou nós evoluímos e acompanhamos esta geração ou eles serão nossos gestores e ai tudo ai mudar com certeza, ou seja, o certo é que tudo mudará nos relacionamentos.
    Abs
    Eduardo Rossi

  64. daniel castro disse:

    Achei interessante tocar no assunto do e-mail utilizar protocolo universal, portanto muito acessivel…

    O email é muito importante para diversas coisas, infelizmente o spamm acabou destruindo esta ferramenta….

  65. Joaquim Santos disse:

    Será esse um bom candidato a substituir a interface do email: http://fluent.io/ ?
    É o que eles se propõe. Quem está por trás é a equipe de ex-desenvolvedores do google wave.
    [ ]’s Joaquim