MENU

Escrito por • 29/06/2010

por mais tecnologia no futebol e nas copas

na mitologia popular brasileira, o juiz de futebol deve ser o deus do roubo, portanto padroeiro de uma larga porcentagem dos políticos. ao mesmo tempo, e principalmente se seu time perde -quer seja culpa dele ou não, a honestidade da ascendência materna do árbitro é seriamente questionável. coisas do futebol. pro bem, dizem uns: afinal de contas, se o juiz fosse mesmo justo, haveria pouco o que discutir depois da partida, que talvez se tornasse previsível e “certinha” demais.

mas o que dizer do “segundo” gol da inglaterra contra a alemanha? a bola entra mais de 30 centímetros, juiz e bandeirinha ignoram o fato e fica por isso mesmo. como se não bastasse, com uma câmera dentro do gol?…

Manuel Neuer of Germany watches the ball bounce over the line from a shot from England's Frank Lampard.

sua senhoria tem rádio e há um quarto juiz fora do campo; em lances como aquele, não custaria nada parar a partida por alguns segundos e conferir o que aconteceu de verdade. afinal de contas, assume-se que o juiz está em campo para garantir que as regras do jogo serão obedecidas com toda a “justiça” possível. este, aliás, é um dos mottos do futebol, propalado aos quatro ventos pela própria FIFA: fair play, acima de todos os outros significados, quer dizer jogo justo, decente, honesto. falando nisso, o goleiro da alemanha viu que foi gol; mas não é o papel dele [mesmo com o tal do fair play…] denunciar ao juiz um gol do adversário. afinal de contas, se o juiz não “acha” que foi gol, não foi gol. e ponto final.

mas sua senhoria não tem toda a informação de que precisa para tomar suas decisões. o juiz não é onipresente [para isso, não por acaso, há bandeirinhas], tampouco onisciente… e vive num mundo de assimetria de informação, em tempo real, bola rolando, pressão por todo lado, bilhões de olhos observando e muitos mais bilhões de dólares em jogo. e isso faz toda diferença, do ponto de vista de usar [ou não] auxílio de tecnologia de informação para tomar decisões em campo… porque aqui fora todos nós vimos, segundos após o acontecido, que o gol inglês foi mesmo gol e que o tevez estava impedido, na banheira mesmo, como você vê na imagem abaixo.

e o público não chegou a tais conclusões usando supercomputação, bolas com chips, sensores nas traves ou na rede, câmeras robôs, nada disso; tudo o que usamos era muito, muito simples e disponível, fora do campo e com autorização da FIFA, para os espectadores: as câmeras de TV, daquelas normais, que estão às centenas dentro do campo.

Mexico-argentina-world-cup-2010-germany-picture-england-live-soccer_display_imagequerer esconder do juiz a informação que todos nós temos aqui fora é tirar boa parte do fair play do futebol e fingir que o mundo não está mudando. será que a tecnologia da jabulani, a bola maluca desta copa, é igual a das bolas de capotão dos anos 60? será que a tecnologia que construiu e permitiu 200 mil pessoas no maracanã de 1950 é a mesma de hoje? que tal ler o caderno de encargos da FIFA, que despachou o morumbi, para comparar?…

mais de meio século de evolução nos deu a jabulani [por bem ou por mal], estádios muito mais confortáveis e seguros, ingressos negociados pela internet, cobertura global do futebol em 3D e em todos os detalhes e, ao mesmo tempo, trata-se a assimetria de informação do juiz como se vivêssemos na década de 50, ouvindo os jogos pelo rádio de ondas curtas. não estamos mais, e é isso que a FIFA teima em não entender. e de nada adianta pedir desculpas, como fez sepp blatter, ao méxico e à inglaterra, pois isso não muda o resultado dos jogos.

na década de 50 e talvez até a década de 90, o juiz, mesmo com todos os problemas de tratamento de informação, tinha mais dados do que a torcida, à exceção de um ou outro espectador privilegiado [e este, só em alguns lances]. hoje, e em muitos casos, a audiência tem muito mais informação do que o juiz. como a audiência se transformou em comunidade, ativa, na rede, conectada e relacionada, a verdade fica do lado de fora das quatro linhas do gramado. lá dentro, prevalece a hipocrisia que quem simplesmente não quer usar os meios que já estão disponíveis [como um simples e eficaz replay] no controle remoto da TV lá de casa.

é a FIFA brincando de avestruz e deixando o fair play fora do jogo.

image

Artigos relacionados

0 Responses to por mais tecnologia no futebol e nas copas

  1. Morsello disse:

    A FIFA está retida na duvida de qual a tecnologia é economicamente viável para ser utilizada em todo e qualquer jogo, de qualquer divisao, e não apenas no Mundial de Seleções.

    Está ignorando a evolução tecnologica, presa ao dogma de tratar um evento visto simultaneamente por bilhoes de espectadores igualmente ao torneio municipal senior de Taquaritinga.

    Se não alterar esta premissa, só tem duas alternativas: colocar um monte de fiscais de linha como o Voley e Tênis ou por o Superman para apitar jogos da Copa.

  2. Ricardo Guilherme disse:

    Ótimo o comentário.

    A FIFA tornou-se uma entidade autocrática, do tipo “nós é que mandamos”, a Jabulani é que é a bola, não importam os erros de arbitragem, o Morumbi não serve, etc. O resultado: jogos de baixo nível com milhares de passes errados, bolas nas alturas, juízes interferindo diretamente nos resultados, cerveja à vontade nas arquibancadas, etc. Lembra do Governo Mundial, de livros como o Admirável Mundo Novo e 1984. Mais poderosa que a ONU!

  3. Ricardo disse:

    e a letra maiuscula, pra que? afinal de contas estamos no século xxi, nao é mesmo?

  4. FERNANDO disse:

    FIFA SHOULD USE ELECTRONIC SYSTEM TO SUPPORT SITUATIONS THAT ARE POLEMIC ONLY INSIDE EACH MATCH. ANOTHER THOUGHT IS THAT FIFA IS GETTING BEHIND, WHEN IT COME TO A ISSUE REGARDING TO REFEREES. FIFA SHOULD PROVIDE TO SUCH A TOURNAMENT, A BOARD OF REFEREES, TO JUDGE REFEREES MISTAKES AND WHO WILL BE IN WHICH GAME. TO MUCH RESPONSIBILITIES TO GET IN HANDS OF ONE REFEREE THAT IS LESS EXPERIENCE THAN OTHERS.

  5. Emanuel disse:

    FIFA meteram a mão na Inglaterra e no méxico , como pode estramos numa era das TV ‘S 3D e ficarmos presos as decisoes de 1 indivídu-o que tem o poder de dizer se foi falta ou não !!!!!!!!!!!!!!!

    É brincadeira !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    E depois o velhinho Blatter vem pedir desculpa , é a mesma coisa de de desferir um chute no saco de um homem sem motivo algum e pedir desculpas… Ora bolas…

  6. paulo disse:

    No fim, tudo pode ser perdoado se a Argentina cair fora por um erro de arbitragem.

  7. Thiago disse:

    Cara, fiquei com tanta raiva pelo árbitro não poder corrigir seu erro ao olhar para um telão, que parecia que era o Brasil ali. Fora isso, morei na Inglaterra por 1 ano e fiz boas amizades que discutem os jogos comigo online. Os ingleses são idênticos aos brasileiros, digo isso porque quando morei lá foi a Copa do Mundo na Alemanha, e a turma era fanática e torcia primeiro pela Inglaterra, segundo pelo Brasil. Nós inclusive aprendemos futebol com os ingleses, mas é lógico que aperfeiçoamos o método! Independente de ser este ou aquele país, fiquei muito enfurecido, devia ser como no jogo de Tênis, urgente!

  8. Jemesson Lima disse:

    Na fifa só existem pessoas obsoletas. Logo ignoram a existência de tecnologia.