MENU

Escrito por • 05/06/2013

sustentabilidade: brasil à frente?

Uma pesquisa global da cone communications, que leva em conta dados do brasil, mostra que nossos consumidores são os que mais acreditam que suas ações de compra de produtos e serviços podem ter um impacto positivo de monta, quando escolhem [e pagam] por ofertas de empresas que têm um grau de responsabilidade social [e ambiental] maior do que outras. seria um caso de otimismo à brasileira?image

ou poder do consumidor local? ou pura e simples ingenuidade? a pesquisa tem e mostra mais, incluindo o comportamento social dos consumidores. como o brasil é um dos países mais ligados em redes sociais e onde se tem conexões e uso maior do que a média global, será que redes sociais podem ter algum impacto nisso?… à primeira vista, não. olhe a imagem abaixo…

image

…e veja que os canais móvel e social cresceram muito em importância [33 e 30%] na divulgação das ações sociais e ambientais associadas a produtos, mas ainda têm uma participação muito pequena no todo, onde o produto, em si, reina absoluto. a importância relativa da mídia clássica e propaganda está diminuindo, mas ainda é bem maior do que as redes sociais e mobilidade. daqui a 2 anos saem novos dados da cone… faça suas apostas.

o gráfico abaixo mostra como os consumidores usam redes sociais para tratar da relação entre suas preocupações socioambientais, empresas, produtos, serviços e marcas. ao contrário do que muitas empresas temem e certos experts propagam, as pessoas estão bem mais dispostas a falar bem de você e seu produto, em rede [e quando você merece, claro] do que a falar mal, mesmo quando você merece. e o segundo maior uso das redes sociais é para entender e aprender sobre empresas, seus produtos e vantagens e problemas de sustentabilidade deles, o que deveria ser um alerta para quem está tentando transformar [ou usar] as plataformas de redes sociais apenas como mais um “canal de comunicação”.

redes não são canais, são ambientes, contextos, cenários, tudo o que você quiser, menos canais. e as pessoas, lá, não são audiência, mas comunidade. pense nisso quando se dirigir a elas, em rede. segundo a pesquisa da cone, 85% povo que está em rede, no brasil, usa redes sociais para se engajar, de alguma forma, no esforço de sustentabilidade das empresas [o dobro do engajamento na inglaterra…].

image

o brasil tem a maior porcentagem de pessoas que apontam para a necessidade de mudança nas práticas de sustentabilidade das empresas: somos 50%, contra 31% no mundo. aqui, 52% já pesquisou sobre práticas de negócio ou sustentabilidade das empresas [contra 34%, globalmente] e 38% já se dirigiram às empresas para dar sua opinião sobre esforços de sustentabilidade [32%, mundo]. a pesquisa da cone leva à conclusão de que os brasileiros estão muito envolvidos no problema da sustentabilidade e que negócios, produtos, serviços e marcas, aqui, deveriam estar muito ligadas neste comportamento, quer digital/social ou lá fora, na rua, onde o bolso parece começar a decidir a favor de quem olha também ao redor e não só para custo, preço, lucro e chau.

influenciar no comportamento das empresas, exigindo mais sustentabilidade de suas ações, parece ser bem mais do que otimismo ou ingenuidade, por aqui. não é necessariamente poder, ainda, mas pode não demorar muito a ser. e muito.

o blog publicou uma série sobre sustentabilidade de marcas, como parte de uma contribuição ao sustainable brands rio 2013, neste link.  lá, concluiu-se que… para serem sustentáveis, as marcas contemporâneas têm que tratar, equilibrada e simultaneamente, pessoas, planeta, prosperidade e presença. nenhum destes Ps é mais importante do que outro e nenhum dos processos associados a qualquer deles, a qualquer tempo, deve levar qualquer processo associado a qualquer outro a ter uma performance inaceitável. passe lá, e boa leitura.

Artigos relacionados

Comentários estão encerrados.