MENU

Escrito por • 02/01/2017

UBER… pode não ser sustentável

a reportagem deste link, sobre UBER em LISBOA [e portugal, em geral], mostra que UBER -o próprio, e a classe de serviços e negócios hoje representadas por ele- pode não ser sustentável… com motoristas.

apesar de, localmente e em países de ALTO desemprego, como o BRASIL de agora, serviços como UBER serem uma alternativa de trabalho e renda pra muita gente [e uma solução pra muitos mais]. e por muito tempo [até que uma ou mais facetas da complicação e custo brasil entrem em cena]. mas, pra dar certo mesmo, UBER pode levar tempo para NÃO PRECISAR DE MOTORISTAS. aqui, há empecilhos tecnológicos, sociais e regulatórios.

por isso, meu chute é que… carros compartilhados SEM motoristas vão dar certo. e quase certamente, SEM UBER.

porque UBER, quase certamente há de pagar muito caro por ter começado tão cedo e com tanta oposição. de motoristas de táxi, por exemplo, que não são, nem de longe, competidores de UBER -no longo prazo. porque o propósito de UBER é tornar irrelevante a propriedade pessoal de um auto; é transformar produto em serviço e, definitivamente, posse -de um equipamento para mobilidade- em possibilidade de acesso ao que se quer -sem nem, necessariamente, ir ao lugar onde a coisa -ou serviço – está.

a menos que UBER faça alguma mudança radical no modelo de negócios- como um salto mortal, com calambote e tudo, e arranje outras paradas para desenrolar… como resolver o problema de transporte de cargas em longas distâncias nos EUA, coisa que sua divisão OTTO já está tentando fazer. entrar no mercado de FRETE, com CARRETAS AUTÔNOMAS: “são como TRENS em TRILHOS de SOFTWARE“. isso pega. em todo canto. até porque os motoristas DIRIGEM as primeiras e últimas milhas da jornada e estão do lado -de dentro- de OTTO na solução.

há alguma variável que não consideramos?… ah, há a GIG ECONOMY, cheia [em tese, pelo menos] de gente que quer e pode, pelo menos vez por outra, rodar 10-15h por dia, três dias seguidos, pra faturar algum e comprar alguma coisa ou pagar alguma conta; sim, isso também pode segurar UBER e similares por um tempo. mas… por quanto tempo?…

Manifestação de empresas e profissionais de táxi, convocada pela ANTRAL - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros, contra o transporte de passageiros por condutores ligados à aplicação eletrónica Uber, durante a passagem no Aeroporto de Lisboa, 08 de setembro de 2015. MÁRIO CRUZ/LUSA

Manifestação de empresas e profissionais de táxi, convocada pela ANTRAL – Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros, contra o transporte de passageiros por condutores ligados à aplicação eletrónica Uber, durante a passagem no Aeroporto de Lisboa, 08 de setembro de 2015. MÁRIO CRUZ/LUSA

PS: ao mesmo tempo, é fundamental que alternativas de transporte pessoal com modelos de negócios da classe de UBER existam e tenham sucesso; um estudo que acaba de ser publicado pelo CSAIL/MIT mostra que TODOS os 13.000 táxis de nova ioerque poderiam ser substituídos por 3.000 carros compartilhados. que nem precisariam ser autônomos. bastariam substituir o modelo corrente de táxis, que tem mais de um século, por um modo de transporte que está maduro para o contexto presente, o compartilhamento.

Artigos relacionados

2 Responses to UBER… pode não ser sustentável

  1. Silvio,
    Acredito sim no compartilhamento. O que não acredito é que o Uber seja um modelo de compartilhamento. Em minha opinião – e correndo o risco descer rotulada de antiga – trata-se de um negócio construído a partir do mais tradicional modelo capitalista, com um agravante; a empresa substitui a inversão em meios de produção transferida ao ubermotoristas quevacrescentam, ainda sua força de trabalho. Para mim, um simples modelo de comussionamento construído sobre plataformas inovadoras (como o Waze).

  2. Geraldo Moreira disse:

    Em seu ultimo comentário bits da noite na CBN vc dizia q iria para umas ferias. Mas vejo esse seu post com data de 02/01/17.
    Vc diz “meu chute”…..veja meu caro não espero de vc q seja a babá tecnologica do Sistema de Táxi seja em qual cidade for. Falando de BH onde um Sistema de Táxi bem avaliado vinha atendendo a população sem muitos embaraços até a chegada do Uber faço as seguintes considerações : quando vc diz que a longo prazo o Uber superará o Taxi eu fico a imaginar passageiros em geral na porta – de pronto socorros, hospitais publico ou particular, postos de saude – porque estavam ali em tratamento uns mais ou menos graves e urgentes, senhoras, senhores, enfaixados, engessados de muletas etc como não se servir bem do Sistema de Táxi que ali está e sempre esteve em stand by com carros a porta prontos a transportá-los. Esse é um dos muitos possiveis exemplos do Serviço de Táxi. Já para possíveis futuros compartilhamentos de carros sem a necessidade de uber e taxi veja: em um pais cheio de idosos como o nosso e pelo que diz o Ibge só vai aumentar e como diz os especialistas o “velho” precisa de sair de casa ter autonomia será que o Táxi pode ser uma boa companhia/presençasegura em seus diversos deslocamentos. Quem pensa muito em eficiência para chegar pensa em um Táxi : “preciso chegar”, quem pensa em preço sem regras claras de ganhos e desproporcionais ao que se espera de qualidade remunerada pensa em Uber. Faço essa consideração para o Uber do Brasil. Não aquela proposta original de “carona paga”. Outra coisa que vc diz no bits da noite ultimo foi sobre os frotistas de taxis terem esse ou aquele “comportamento” frente a chegada de aplicativo de transporte. As empresas de Táxis são em geral muito importantes para manter o giro de 24 hs do Serviço de Táxi pois os carros estão disponiveis a qualquer hora do dia e da noite mesmo em feriados domingos. Veja uma coisa q pode ser boba mas é real : o Uber pede/orienta ao passageiro que confira a placa do veiculo antes de entrar , veja foto do motorista para ver se é mesmo a pessoa etc. Quando vc pede a mesma coisa em relação ao carro Táxi como é em BH para q o passageiro anote placa confira o crachá do motorista para sua segurança e possíveis denuncias e sugestões e isso com o telefone da empresa da prefeitura q gerencia o Táxi em Bh em geral o passageiro torce o nariz. O “fetiche” de estar com um celular a mão e que tudo vai ser feito pela tela, ao toque, foi para alem de analises Taxi x Uber x tecnologia uma injusta desmoralização do Táxi. Como se em qualquer serviço público que se preze a qualidade não seja o que o cidadão em geral faz com ele ou deixem fazer com ele. Quando vemos as criticas que o aplicativo recebe sobre impor ao motorista – “disfarçadamente ” sob pena de “bloqueio sem fundamento” – que ele esteja com o carro uber nas ruas as quintas sextas sabados domingos e feriados e como vc mesmo disse a substituição do “black” pelo “X” , tudo isso vai mostrando que o q importa mesmo é ganhar dinheiro e não transportar pessoas para ganhar dinheiro. Eu acho uma pena que o Táxi em geral não tem uma estrategia forte competente de marketing com profissionais mesmo da área e consultorias etc para romper em melhores condições nessa infindável discussão. Não desisto de te ouvir e aprender com vc. Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *