por Silvio Meira

a vida: eterna? como?

a

a fonte da juventude tem muito mais cartaz do que o el dorado. o ouro do segundo, se existisse, só poderia ser gasto aqui e agora. nas condições atuais –e, ainda mais, quando o mito da cidade de ouro estava mais aceso, antes de google maps e GPS- todo o ouro do mundo não compraria a vida eterna. até porque a igreja católica saiu do mercado e igrejas mais recentes, que entraram atrasadas no negócio, não estão entregando o pago e prometido.

image

pois bem. independentemente do contexto religioso, há razões outras para se pensar na vida eterna. uma delas é de puro e simples balanço energético: imagine o custo de se atingir a maturidade, ainda mais chegando lá unindo conhecimento e sabedoria. cada humano que desaparece leva, consigo, não só sua atividade e história pessoal; além de deixar um vazio na história dos que ficam, a morte de cada um de nós representa um imenso desperdício de energia.

se olhamos para seres humanos como consumidores de energia, que é acumulada na forma de realizações e conhecimento, cada um de nós consome, hoje, o equivalente a mais de 70 bilhões de joules por ano. em 80 anos de vida, seriam perto de 6 trilhões de joules. consumimos muito mais energia por ano do que um homem das cavernas o faria em toda sua vida.

image

sim: e 6 trilhões de joules é o que, mesmo? pense gasolina: um litro tem cerca de 40 milhões de joules. se seu mundo fosse movido só a gasolina, consumiria o equivalente a 150.000 litros da coisa durante sua vida, pouco mais de 5 litros por dia. parece pouco? cinco carretas de trinta toneladas de combustível cada uma não é pouco; sempre que passar por uma, na rua, lembre-se que sua vida são cinco delas. hoje. e está aumentando 10% a.a.

image

mas o que é que isso tem a ver com a vida eterna? se somos tão "caros", é bem capaz de haver razões, acima de nossa vontade pessoal de viver "para sempre", para preservar a energia consumida no processo de desenvolver um ser humano maduro e sábio.

assumindo que esta seja uma das razões por trás das respostas a uma pergunta feita pelo IEET [o instituto para ética e tecnologias emergentes], veja abaixo no que deu a pergunta "que expectativas você tem em relação à duração de sua própria vida?"…

image

entre os que têm 35 anos ou mais, a maioria acha que vai morrer dentro da expectativa normal de vida de um ser humano. apenas 21% acha que pode viver por séculos a fio no seu corpo atual e 19% acredita que poderá ter sua mente "uploaded" para um computador algum dia. entre os que têm menos de 35 anos, as porcentagens são 32% [morrer "como um humano atual"], 36% [viver por séculos…] e 26% [fazer um "upload"].

este público não é "normal", para qualquer idade. são leitores do IEET, que se dedica a singularidade, trans-humanismo e similares. ou seja, gente que, a priori, acha que pode rolar [de uma forma ou de outra] uma vida eterna básica. deixando a pura e simples vida eterna [séculos a fio no mesmo corpo] pra lá, por enquanto, face à complexidade das implicações éticas e morais [por exemplo, qual o significado de "prisão perpétua" na "vida eterna"?…], que tal considerar "uploading" como forma de não perder [toda] a energia gasta pra chegar um certo ponto da vida? mas… que ponto? qualquer ponto: a priori, todas as mentes deveriam ser "uploaded"… e nenhuma delas poderia "se perder".

o conceito de "uploading" não é trivial e, de certo ponto de vista filosófico, é simplesmente impossível. mas, se for realizável, pode ter consequências não triviais para o futuro do que chamamos de humanidade. neste relatório de 130 páginas, nick bostrom e anders sandberg explicitam algumas das possibilidades…

Brain emulation is the logical endpoint of computational neuroscience’s
attempts to accurately model neurons and brain systems…

…emulação cerebral é uma consequência lógica das tentativas de modelar, de forma precisa, neurônios e sistemas neuronais;

Neuromorphic engineering based on partial results would be useful in a
number of applications such as pattern recognition, AI and brain‐computer interfaces…

…a engenharia resultante deste tipo de esforço de pesquisa seria muito útil em aplicações como reconhecimento de padrões, inteligência artificial e interfaces humano-computador;

The economic impact of copyable brains could be immense, and could have profound societal consequences…

…o impacto econômico [a economia de energia, por exemplo, entre muitos outros] poderia ser imenso, gerando profundas consequências sociais;

If emulation of particular brains is possible and affordable, and if concerns about individual identity can be met, such emulation would enable back‐up copies and “digital immortality”…

…se a emulação de cérebros específicos for possível, e se os problemas de identidade puderem ser resolvidos, seria possível fazer backups de mentes e, por isso, atingir uma "imortalidade digital"… e…

Brain emulation would itself be a test of many ideas in the philosophy of
mind and philosophy of identity, or provide a novel context for thinking
about such ideas…

a emulação de cérebros seria, ela própria, um teste para uma miríade de ideias das filosofias da mente e identidade ou, no mínimo, criaria um novo contexto para pensar sobre tais ideias.

image

tecnologia é o domínio da possibilidade. se é possível ser feito, em qualquer área de expertise humana sobre métodos, técnicas e ferramentas, é feito. por alguém, algum dia, de alguma forma. a ciência, domínio da verdade, cuida dos "por quês" depois e irá, se der, descobrir as bases para o funcionamento do que está funcionando. quase tudo o que usamos de software, por exemplo, é assim. por fim, as humanidades irão teorizar sobre o uso das tecnologias e nós, enfim, entenderemos o que estamos usando há tanto tempo e quais são as consequências daquilo tudo.

a "pesquisa" do IEET mostra que há um mercado potencial de pessoas que almejam viver pra sempre, real ou digitalmente. do lado de cá, estamos entendendo, cada vez mais, do espaço físico, da vida e da mente. os dois últimos são, cada vez mais, codificados em termos de informação e conhecimento e, ainda mais, entendidos como software, dentro de um contexto em que "tudo é software". 

se for –e parece que é…- tudo será escrito de forma executável por máquina. e reescrito. evoluirá até que, alguma hora, uploading seja possível. se isso rolar, vamos ter descoberto, também, como fazer downloading… e, se tudo der certo, faremos download de partes de uma mente e não da coisa toda. tipo… aprender mandarin por downloading. pode nunca ser possível mas… pense nas consequências: e se for? quanta energia a gente economizaria?…

energia, energia: a vida depende, intrinsecamente, dela. tudo o que for possível para economizar [ou maximizar os resultados d]o uso de energia será feito. tomara que a as consequências, quando conseguirmos entendê-las, sejam administráveis. tomara.

image

[PS: rafael evangelista acaba de publicar {10/09/2011} "Singularidade: de humanos feitos simples máquinas em rede", na revista ConCiência; leitura deste link tem tudo a ver com o texto discutido aqui].

 

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo