por Silvio Meira

da série “só no brasil” [1]

d

o teletime, entre outros noticiosos, dá conta de que a “Falta da planilha de custos deixou PNBL fora do PAC 2” em manchete do dia 29/03. ouvido pelo teletime, o ministro paulo bernardo, do planejamento, disse que… "Ainda não há definição sobre o plano. Há detalhes que precisam ser fechados, por isso ele não foi incluído no PAC 2". os detalhes comporiam a tal planilha onde estão as primeiras cidades na malha do PNBL, as velocidades das conexões, os custos, as fontes de recursos… ou seja, parece que faltava mesmo um monte de detalhes para que o PNBL deixasse de ser anunciado como uma das ações do PAC 2.

se você não sabe o que é, ou se pensa que vai ser, o PNBL é o plano nacional de banda larga; clique neste link para ouvir o próprio ministro paulo bernardo falando sobre a proposta de infraestrutura [nacional] de informação que promete [ou prometia] conectar, decentemente, o brasil pela e à internet.

image enquanto isso –e em se tratando de um assunto tão quente que seus primeiros efeitos colaterais mexeram significativamente na bolsa de valores- o brasil vai caindo, devagar e sempre, nas comparações internacionais de qualidade e quantidade de infraestrutura de informação. em 2000, o brasil estava 38o. lugar no network readiness index do world economic forum; em 2004, como mostra o ranking à esquerda, já havíamos caído para 46o. lugar entre 104 países.image

no ranking de 2008-2009, mostrado à direita, caímos para a 59a. posição em 134 países; somos vizinhos do azerbaidjão e da turquia por baixo e nos lideram a romênia, o kuwait e a costa rica.

note que, na década, não foi só o brasil que dançou; de 2004 pra cá, a índia caiu da 39a. posição para a 54a., 15 posições contra as 13 que perdemos. e você perguntaria: como assim? a internet brasileira melhorou tanto nestes cinco, seis anos… e ainda assim caímos tudo isso?

a resposta é sim, porque se trata de uma comparação; melhoramos muito em relação ao que éramos, mas os outros países, acima no ranking, melhoraram ainda mais. e nós, por conseguinte, perdemos competitividade.

e perdemos –e continuaremos perdendo- porque, num cenário econômico e social onde banda larga é tão importante como energia, água e esgoto, não fizemos muita coisa de política pública no passado, enredados que estamos ao redor de um FUST que não funciona e, como se vê para o futuro, por coisas como o PNBL não entrar no plano nacional de investimentos para os próximos quatro anos… “porque não tem uma planilha”.

pode ser que não seja… mas que parece brincadeira, parece.

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo