por Silvio Meira

educação empreendedora: 2

e

este post é parte de uma série sobre educação empreendedora, derivado de uma palestra dada no sebrae nacional, em brasilia, no 27 de janeiro passado. pode até ser que você entenda o texto que se segue sem ler os posts anteriores; mas os textos foram escritos como se fossem uma palestra, uma conversa, o que significa que há uma sequência, começo meio e, espero, um fim, uma conclusão que faça sentido.

o primeiro post da série está neste link… passe por lá, até para entender o preâmbulo e contexto desta conversa.

nesta série, antes deste texto: 1; depois3. simbora.

. : . : . : .

se precisamos de uma combinação efetiva de educação e oportunidades de qualidade para criar esperança e as duas primeiras dificilmente ocorrem no vácuo… então… qual é o…

image

…na construção de um cenário sócio-econômico que leve à combinação de uma população empreendedora preparada para aproveitar as oportunidades que apareçam [naturalmente] ou sejam criadas [por ação dos instrumentos de políticas públicas]?

há quase uma década, tive a sorte de participar de uma longa conversa de craig barrett, então presidente da intel, com ministros da área estratégica, de desenvolvimento e economia do governo brasileiro. os ministros falavam de seus planos [a maioria nunca chegou ao papel, quanto mais sair dele…], perguntavam e vez por outra voltavam ao mesmo ponto: "por que a intel não abre uma fábrica de chips no brasil?" ao fim da reunião, resumi as múltiplas explicações de barrett, todas apontando para os deveres de casa que o brasil não estava conseguindo fazer, nem bem nem mal, em três frases que passaram a representar, para mim, quais são os papéis fundamentais do governo, qualquer que seja, e dos agentes de políticas públicas [como o sebrae].

o primeiro papel do governo é…

image

pelo que sabemos e esperamos, esta é a "década da educação" no brasil. o papel do governo federal será crucial neste quesito, pois o caos educacional nacional transcende, em muito, o velho bordão de "mais investimentos em educação". os sistemas nacionais de ensino –em todos os níveis- e seu acoplamento com as demandas humanas, econômicas e sociais precisam ser revisados e, em certos casos e regiões inteiras, completamente reimplementados.

a educação brasileira precisa sair dos "projetos-piloto" educacionais, para os quais temos prêmios internacionais em profusão, mas cuja implementação em escala nacional [ou estadual, que seja…] é uma confusão, isso quando há alguma tentativa de implementação. a educação fundamental, que é onde se ganha ou se perde os aprendizes quase de uma vez por todas, precisa ser resolvida de uma vez por todas, se esta vai ser mesmo a tal "década da educação".

e isso envolve mudanças radicais: como ter um ensino fundamental eficaz, minimamente coerente e eficiente se cabe a cada prefeito, em cada cidade, decidir o que e como ensinar aos muito jovens? isso quando, graças aos céus, se ensina alguma coisa. nunca deixei de ficar assustado ao encontrar alunos de pós-graduação [sim, eu disse pós!], na ufpe, cujo domínio da língua portuguesa lembra o dos semi-analfabetos do meu tempo de ginásio.

e as mudanças não param por aí e tem pouco a ver com o "hardware", os prédios e os laboratórios [e os recursos financeiros] para a educação. o nosso maior problema educacional em todos os níveis é o "software", o conteúdo, métodos e professores e instrutores, em sua quase totalidade despreparados para criar as oportunidades de aprendizado para o mundo competitivo em que nos encontramos hoje e em que viveremos pelos próximos séculos.

o país tem que escolher que futuro vai querer; tomara que esta escolha envolva mais e melhores conteúdos e práticas de lógica, matemática, computação, biologia, física e química para melhorar a qualidade de nosso peopleware, educando muito mais gente nos fundamentos para participar da economia do conhecimento como cidadão de primeira classe.

o segundo papel do governo e dos agentes de políticas públicas é…

image

…criar oportunidades de desenvolvimento pessoal, social, empreendedor e econômico, olhando para o futuro assim como dando conta das demandas complexas do presente e compensando o passado, trazendo para o mercado os que não tiveram, quando deveriam estar na escola, as oportunidades de aprendizado que deveriam ter tido.

parece complicado? é mais do que isso, é muito complexo [leia mais sobre o assunto neste link]. uma coisa é complicada quando temos uma boa possibilidade de convencer os atores e interessados de que algo deve ser feito mas não conseguimos estabelecer ao certo o que este "algo" deve ser. e uma coisa é complexa quando não estamos na zona de conforto nem das certezas sobre o que fazer nem tampouco na de possibilidade de acordo para fazer o que eventualmente se decida.

deixado por muito tempo ao sabor do tempo e do vento, um sistema complexo pode se tornar caótico e, quando isso acontece, é preciso muita energia e tempo para se trazer o processo de criação de oportunidades para uma região de média ou baixa complexidade. simples tal processo nunca é, pois a evolução de um mercado e seus agentes, especialmente em tempos de economia do conhecimento, é um processo essencialmente arriscado e inovador, cheio de perguntas [quase nunca feitas] sem respostas… que quando ocorrem, não são óbvias de maneira nenhuma.

se as pessoas estão sendo educadas e o processo de criação de oportunidades está em andamento, o próximo papel do estado é…

image

…o que é sempre muito mais delicado e complexo em sistemas políticos, sociais e econômicos como o nosso, consideradas nossas origens e tradições.

a tradição nacional dos poderes, em todas as facetas e níveis de governo, é a de promover e sustentar um "estado tutor", que não é nem forte nem fraco para as necessidades do país. trata-se de um estado intrusivo, disperso, difuso, ao mesmo tempo confuso e incoerente ao lidar com pessoas, instituições, empreendimentos e suas demandas e tempos.

se você acha que é difícil abrir uma empresa, tente fechar uma. o processo é quase kafkiano. se pensa que é difícil obter uma licença de construção, que tal tentar, depois de pronto o imóvel, tirar um "habite-se"? o prédio onde moro tenta há cinco anos… e, claro, o fato da prefeitura não conceder o habite-se não impede que todos moremos lá e que sejam cobrados todos os impostos.

o estado "na frente" [e não "à frente"] de tudo atrapalha muito mais do que ajuda; vai contra os processos de criação de oportunidades em maior qualidade e quantidade, inclusive as educacionais. o estado que legisla demais, sobre absolutamente tudo, inevitavelmente cria um sistema inconsistente de normas e regras que nos deixa, a todos, pessoas e empresas, de alguma forma ilegais. e isso, como não poderia deixar de ser, forma a base do processo de "criar dificuldades" para "vender facilidades".

sair da frente é simplificar o país. sair da frente é diminuir o "custo brasil". mas sair da frente não é deixar os agentes econômicos agirem ao seu bel prazer, e sim estabelecer limites, direitos e deveres e, depois, cobrar.

mas uma parte significativa dos órgãos de governo vem promovendo uma acelerada informatização do caos que pode travar o país em pouco tempo. sem simplificar o ordenamento ao qual estamos sujeitos, informatizar toda sua complexidade torna a vida das empresas e empreendedores muito mais difícil do que é suportável, principalmente para as pequenas empresas. e o resultado é a falta de competitividade das empresas nacionais no mercado internacional, isso quando elas sobrevivem à complexidade do processo de crescimento e se tornam, pelo menos localmente, sustentáveis.

mas… mais um congresso acaba de tomar posse e, mais uma vez, ouve-se vozes, aqui e ali, falando de reformas: política, fiscal, administrativa e muitas outras. em uníssono, qual manifestantes insatisfeitos com as condições para empreender e criar trabalho, emprego e renda no país, deveríamos clamar por um conjunto de reformas que simplificasse a vida nacional. aí, sim, mudaríamos de patamar competitivo e tudo, inclusive educar gente e criar oportunidades, seria mais fácil e menos caro.

daí…

image

…estaríamos bem mais perto de criar um…

image

…propício à…

image

image

como assim… novos negócios inovadores de crescimento empreendedor?…

image

…ou, ainda melhor…

image

…porque todo negócio, novo ou velho e como qualquer coisa em uma economia em rede, se tornou fluxo e está em estado de permanente mutação, afetado por todos os outros negócios e contextos ao seu redor, como o blog já discutiu nesta série sobre planos e picos no mundo real [em rede]. vá ler.

no próximo capitulo, vamos começar procurar respostas para esta pergunta, que talvez mais do que qualquer outra define a alma e essência dos negócios que têm mais chance de dar certo na economia dos nossos tempos. até lá.

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo