por Silvio Meira

filas, hospitais e [falta de] informação

f

segundo uma crença muito bem estabelecida no poder central, o problema da saúde, no brasil, é a falta de recursos. tanto que criaram um imposto que deveria servir só pra investimentos e custeio da saúde [a extinta cpmf] e, apesar do aumento da arrecadação federal [em dezenas de bilhões de reais por ano…] mesmo sem cpmf, estão tentando criar a coisa de novo, com outro nome. ou seja, imposto pra saúde só se for cobrado pra saúde mesmo; se não for, é desviado pra outra coisa…

img127.jpg

mas veja a foto acima, tirada em um celular, em movimento, hoje, às 07:27h, de uma fila gigantesca [centenas de pessoas!] à entrada de um dos maiores hospitais da região metropolitana do recife. a fila, que compartilha um grande número de cidadãos entre um dia e outro, está lá todo dia, todo mês, todo ano. sexta passada, no rádio, uma senhora dizia [chorando] que havia saído de casa às quatro da manhã para acampar na entrada do hospital e que, "na vez dela", não havia mais fichas para atendimento. o que ela não sabia é que, desde a madrugada, pela simples análise de sua posição na fila, o hospital já sabia que "não haveria ficha".

até porque a foto e a fila não têm nada a ver com a capacidade do sistema de saúde. nenhum sistema, de saúde ou não, público ou privado, pode ser desenhado e construído para tratar picos de demanda como se eles fossem regime permanente. o custo seria insuportável para qualquer base de receita. como todo mundo que está na fila permanece lá por horas a fio, em pé, dificilmente será o caso de que todos estes potenciais pacientes sejam graves ou agudos. o problema, aí, é de gestão, pois confundiu-se, no mesmo lugar, o acesso à informação sobre o serviço [há vagas, hoje?] e o serviço propriamente dito.

o problema da fila, de fato, é de gestão de informação. hospitais têm capacidade de atendimento; tal capacidade deveria ser administrada por um sistema de gestão de informação capaz de reservar tempo [e, por conseguinte, espaço, por tipo de atendimento, em clínicas] que fosse capaz de distribuir, a priori e longe do hospital, senhas para quem quisesse ver o médico ou fazer um exame qualquer. isso pode ser feito com software e sistemas de informação que estão disponíveis hoje, em muitas cidades do brasil e em muitos serviços públicos.

ao invés de sair de sua periferia distante para o hospital e passar horas na fila, ao custo de duas passagens de ônibus, alimentação e, principalmente, tempo perdido para a pessoa e o sistema, o cidadão poderia ir numa lanhouse e, por menos de um real, reservar uma posição de atendimento. e isso no pior caso: um investimento em políticas públicas de inclusão digital [como também vem acontecendo em muitas cidades] faria com que as pessoas só tivessem que ir até o ponto público de acesso a internet mais próximo e entrar num sistema de reservas do serviço de saúde.

nada do que se diz acima é genial e muito menos original. está tudo ai, esperando para ser usado, para desafogar o sistema de saúde ou qualquer outro. mas é preciso pensar de forma diferente do que se faz hoje. é preciso pensar que toda empresa, sistema ou serviço [que funciona, hoje] é definido pelo software usado para torná-lo realidade. quer ver? a fila do hospital poderia se repetir nos aeroportos se as empresas aéreas não tivessem um sistema de reservas e check-in, com lista de espera. o colapso de transporte aéreo que sofremos, algum tempo atrás, derivou justamente da venda de muito mais passagens [reservas de vagas a bordo de aviões] do que a real capacidade de voar pessoas entre pontos x e y. e os aeroportos, por uns dias, ficaram iguais aos hospitais públicos…

no caso dos aeroportos, o caos se transformou em notícia diária, horária, de todas as rádios, TVs, jornais e da internet. a conjunção de clamor público e ação de órgãos reguladores, apoiadas por pressão de Estado, fez com que o caos aéreo fosse resolvido em alguns meses. pois nos hospitais o caos é diário. médicos e assistentes em permanente stress face ao monte de gente à porta, gente desesperada ao sol e chuva do lado de fora mas… infelizmente, sem meios de transformar seu caos particular em clamor coletivo, em ação dos reguladores, em pressão do e no Estado. nos hospitais, como nas empresas aéreas, a solução se encontra na gestão eficiente e eficaz de informação sobre o sistema.

a pergunta que deveríamos fazer é: se conseguimos resolver o problema nos aeroportos, porque não fazemos o mesmo nos hospitais? eu tenho um chute. podem até tentar me provar que não, mas acho que a resposta a esta pergunta tem uma relação muito forte com o poder aquisitivo dos participantes dos dois caos: nos aviões, voam ministros, governadores, deputados, senadores, prefeitos, empresários, jornalistas, médicos, engenheiros, advogados, delegados, juízes… as classes alta e média em geral e… uns muito poucos pobres, quando as passagens ficam muito baratas, muito raramente.

no caos dos hospitais, ao relento, os pobres e desassistidos. os sem voz. o brasil sem formação e sem informação, sem direitos, condenado a ficar, por uma vida a fio, na fila. por pura e simples incapacidade, de quem estar do lado de cá, de atacar o problema com ferramentas que existem e estão à disposição de todos.

 

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo