por Silvio Meira

livro vira serviço…

l

…e enciclopédia também. a imagem abaixo é do "app" da encyclopaedia britannica no iPad, que tamém vai rolar em breve para iPhone e android.

[PTECH]

transformada em app, a britannica custará dois dólares por mês, contra US$70 por ano da versão web e meros US$1400 do impresso, se você quiser ter um na sua estante. e isso se, num futuro próximo, sua casa ainda tiver uma estante.

a wikipedia, como se sabe, é grátis. e tem dezenas de apps pelas quais podemos interagir com seu conteúdo. em relação aos 144.000 artigos da britannica em inglês, a wikipedia na mesma língua tem quase 3,7 milhões de textos, e não há comparação quando o domínio é atualidades: a wikipedia ganha longe, apesar de ser criticada por imprecisão e polarização. nada que crowd curation não resolva. e, enquanto houver uma economia da boa vontade em que uns poucos financiem o que quase todo mundo usa, vai continuar grátis.

a imagem acima é de um "mapa de links", as conexões entre o artigo que você está lendo e todos os outros itens que têm a ver com ele. os links, é óbvio, são para outros textos da britannica. este blog tem dito que o futuro do "livro", ou da literatura, é digital, interativo, estendido, conectado, em rede, compartilhado, como serviço. no mundo real [ou seja, fora e além da britannica] os links de um app de leitura como mostrado acima seriam para todo tipo de fonte "confiável" e "estável" em toda a rede.

estamos vendo apenas as primeiras gerações de tal mudança. a transição papel-kindle deu conta, no começo, apenas da transposição do analógico para o digital. o @author, também da amazon, criou uma ponte interativa entre leitor e autor. de repente, a amazon [jeff bezos, atrasado] conectou 11.000 bibliotecas americanas ao kindle: se você é membro de uma delas, pode tomar um livro emprestado via kindle, sem sair de casa. de repente, também, as bibliotecas estão deixando de precisar de estantes.

sony e barns&noble chegaram às bibliotecas antes da amazon. mas é o peso do maior negócio de vendas online do mundo que deverá mudar tudo mais rápido. os livros que você toma emprestado vão para o kindle, ficam lá pelo tempo do empréstimo, "voltam" para a biblioteca… mas suas anotações "ficam" na sua conta da amazon [e não no seu kindle] e aparecem de volta quando o livro, comprado ou emprestado de novo, "voltar" ao kindle.

não tenho certeza de que chegamos ao modelo de suporte à literatura digital que vai durar séculos, como foi o caso de gutenberg para o analógico. na nova economia da literatura, quase tudo é altamente experimental, a menos da digitalização propriamente dita e da óbvia transformação do conteúdo em serviço sobre múltiplas interfaces. ainda há muito a fazer e estamos longe [veja aqui] das fundações, formatos, funcionalidades, flexibilidade e facilidades que vão definir o futuro de longo prazo do livro digital.

mas que não reste dúvida: o futuro é digital, interativo, estendido, conectado, em rede, compartilhado, como serviço. só estamos tentando, errando e aprendendo para decidir "como"… e não mais "se".

amazon_kindle_books.top.jpg

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo