por Silvio Meira

fórum de TV digital: lançamento foi um sucesso

f

tempos atrás, publicamos o resumo de uma conversa, na cbn, entre carlos alberto sardenberg e daniela braun, onde sardenberg comentava que… “esse troço aí [tv digital] tem mais conversa do que realização“. resolvemos fazer três perguntas sobre o assunto ao fórum do sistema brasileiro de tv digital, a entidade que governa o padrão brasileiro de tv digital e sua introdução no país. as respostas, de moris arditti, vice-presidente do fórum, estão abaixo:

1. qual é a avaliação que o fórum faz do projeto do SBTVD, até agora?

Na opinião do fórum o lançamento da TV Digital no Brasil foi um sucesso. Sucesso ou fracasso se julga em função de expectativas. No período de um ano, conceber e instituir  o Fórum do SBTVD  e o Fórum SBTVD com consenso de seus participantes (emissores de TV, fabricantes de receptores, fabricantes de transmissores, indústria de software, universidades e governo) definir e agregar as evoluções tecnológicas brasileiras ao sistema ISDB-T e no dia previsto para o lançamento no Brasil,  fazer todas as emissoras estarem com seus sinais digitais, no ar, em caráter comercial e nas lojas estarem disponíveis os receptores, só pode ser considerado um sucesso. Em lugar nenhum no mundo a implantação da TV Digital foi tão rápida e sem apresentar maiores problemas. Hoje, além da Grande São Paulo, a TV Digital está presente em belo Horizonte e no Rio de Janeiro e irá avançar gradualmente pelas outras capitais e grandes cidades do País. Era esta a expectativa do Fórum e ela foi plenamente alcançada, portanto, pode se dizer que o lançamento foi sim um sucesso.

Críticas se fazem à cobertura do sinal e à pouca aderência por parte dos consumidores. Quanto à isto, quero comentar o seguinte…

Cobertura: Em São Paulo o sinal  digital  oferece uma cobertura muito, mas muito melhor que a do sinal analógico. Não sou eu nem as emissoras de TV quem dizem isto. A afirmação tem base numa medição metódica feita pelo grupo de especialistas da Universidade Mackenzie. Num raio de 10km em torno da antena de transmissão o sinal é recebido em 100% das localidades. De 10km até 20km em 80% das localidades. A recepção  do sinal analógico é drasticamente pior. E tem mais. Com o sistema analógico é difícil se colocar os “gap fillers” que são pequenos retransmissores para garantir sinal em áreas de sombra. Com o sinal digital isto é fácil de ser feito e irá ocorrer à medida que as emissoras julgarem que se fazem necessários.

Pouca adesão: Toda e qualquer nova tecnologia ao ser lançada começa com um preço mais alto e depois este preço vai se reduzindo. Temos o hábito de se esquecer destas coisas. Quanto custava o primeiro aparelho de videocassete oferecido no mercado brasileiro? E o primeiro tocador de CD? E o primeiro telefone celular? E o primeiro DVD, LCD, plasma?  E aí vai. Por que o conversor de TV Digital deveria ser uma exceção? O conversor para o SBTVD é único no mundo. Ele nasceu para atender a norma brasileira,  que é mais sofisticada do que a sua congênere japonesa, apesar de se basear no mesmo sistema. É natural que as primeiras unidades custassem mais. Mas agora, 7 meses após o lançamento no Brasil da TV Digital, já é possível encontrar-se conversores por 1/3 do preço daqueles originalmente lançados. O conversor e os aparelhos de TV capazes de receber a TV Digital brasileira não requerem qualquer componente “custom”. Os componentes todos são “itens de prateleira” ou normalmente disponíveis no mercado e seus  preços irão cair à medida que vão sendo mais consumidos. Quero lembrar que o consumo não é representado apenas pelos conversores e TV brasileiros, mas por todos os STB no mundo que decodificam o MPEG4, como as caixas de  IP-TV, por exemplo. Em São Paulo, quem tinha poder aquisitivo para comprar conversores caros, via de regra, não o fez porque já era relativamente bem servido com a TV paga  pelo cabo ou satélite. Agora, com a erosão dos preços, a ampliação geográfica da cobertura, não tenho dúvidas que a TV Digital brasileira irá se expandir. De novo, julgar o sucesso ou fracasso depende da expectativa. Os volumes ora comercializados estão  dentro das previsões feitas pela indústria tradicional de receptores de TV no Brasil. Neste setor não há frustração.


2. o que é preciso, na opinião do fórum, para que se acelere o processo de introdução de tv digital aberta, grátis, no brasil, via SBTVD?


A aceleração irá ocorrer com a redução natural do preço dos receptores, da melhor divulgação das vantagens que traz a TV Digital  e logo mais, com a interatividade.


3. além das conversas, debates e reuniões [
como diria carlos alberto sardenberg] quais são as realizações do fórum [e do projeto, como um todo] até agora?

Eu iria ter que escrever um romance para enumerar as realizações do Fórum mas faço aqui uma síntese. Foi a de implantar no Brasil, em tempo recorde, o melhor sistema de TV Digital do mundo. A qualidade e robustez do SBTVD são incontestáveis e isto sem mesmo considerar a maravilha que é a parte da portabilidade. O SBTVD deu a engenheiros de hardware e software brasileiros a oportunidade de desenvolver produtos (estes profissionais hoje em dia são altamente disputados). A superioridade do SBTVD foi recentemente reconhecida por entidades japonesas  públicas e privadas. E se passa pela cabeça de alguém ter o Fórum criado um “Frankenstein”, único no mundo,  quero me permitir dizer que está errado. Os aparelhos japoneses não funcionam adequadamente no Brasil porque são menos evoluídos, mas os  brasileiros poderiam funcionar no Japão.

no caso de TVD no brasil, saberemos se tudo vai dar certo quando… tudo der certo. e isso vai levar tempo. é preciso muito esforço, articulação e, eu diria, um modelo de negócios fundamentalmente diferente daquele que está sendo tentado até aqui. mas isso é outra história.

a tv digital aberta brasileira, vai ser muito ajudada pela falta de banda larga no país. vídeo na rede, por aí, é realidade mais que virtual. aqui, claro, não temos banda pra tanto; se tivéssemos, não teríamos preço. onde há banda, larga e barata, há quem diga que o tempo de vida de tv digital aberta não vai passar de sete, no máximo dez anos. pode ser, pode ser…

de qualquer forma, com o brasil comprando quase um computador a cada dois segundos e conectando todos eles na internet, que é para onde as pessoas todas estão indo… [e, mais cedo ou mais tarde, em banda larga] pode ser que a importância relativa de tv aberta, quando a equação toda estiver no lugar, seja muito menor do que queremos hoje. qualquer dia voltamos a esta discussão, pra falar de tv digital no celular, que parece ser uma outra história.

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo